O pior cenário aconteceu em experimento com mosquitos transgênicos na Bahia?

Por , em 20.09.2019

Nota de esclarecimento publicada em 1º de outubro de 2019: a notícia abaixo, publicada no dia 20 de setembro de 2019, não havia consultado a empresa Oxitec, que solicitou Direto de Resposta no dia 30 de setembro (veja nota à imprensa completa no final da página). Ao contrário das informações publicadas pela revista científica “Scientific Reports” no dia 10 de setembro de 2019, a empresa afirma que o experimento não teve resultados inesperados e que os mosquitos híbridos desaparecem naturalmente em poucas semanas. Segundo a Oxitec, a liberação dos mosquitos modificados funciona de forma análoga a de um inseticida, ou seja, a redução de mosquitos naturais só é observada enquanto a liberação ocorrer.

Diante de conflitos de informação presentes no estudo científico publicado pela revista “Scientific Reports”, a própria revista anunciou no dia 17 de setembro em uma observação que “os leitores estão alertados que as conclusões deste artigo estão sujeitas a críticas que estão sendo consideradas pelos editores. Uma futura resposta editorial seguirá a resolução destes problemas”.  Esta resposta editorial será adicionada nesta matéria assim que for publicada pela revista. A “Scientific Reports” é um megajornal científico online de acesso aberto publicado pela “Nature Research”.

O plano era simples: usar Aedes aegypti machos alterados geneticamente para cruzar com fêmeas nativas, para que seus filhotes tivessem um gene que os fizesse morrer antes de chegar à idade adulta. Assim, esses filhotes nunca acasalariam, e a população de mosquitos da região diminuiria radicalmente, evitando a transmissão de doenças como Febre Amarela, Zika, Dengue e Chicungunha.

O experimento aconteceu entre 2013 e 2015, autorizado pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança, e os mosquitos foram geneticamente modificados pela empresa Oxitec.

Um estudo recente analisou este experimento de 2013, e foi conduzido por pesquisadores da Universidade de Yale (EUA), e Universidade de São Paulo, do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Entomologia Molecular e da Moscamed Brasil.

Amostras de genes dos Aedes coletados em períodos de seis, 12, 27 e 30 meses após a soltura dos transgênicos mostraram que porções do genoma dos mosquitos alterados geneticamente foram incorporados pela população de insetos ao invés dessa população ser reduzida.

Pior de tudo, esses herdeiros parecer ser ainda mais robustos e fortes do que os mosquitos originais selvagens. Ainda não há estudos sobre as consequências das novas características dos mosquitos da região na transmissão de doenças ou na dificuldade de eliminá-los. Um acompanhamento precisa acontecer na região, alertam os pesquisadores.

“Os mosquitos comuns incorporaram genes de uma outra variedade, transgênica, resultando em insetos híbridos, que geralmente têm maior vigor, são mais potentes, sobre os quais ainda não há estudos”, diz o pesquisador José Maria Gusman Ferraz, do laboratório de engenharia Ecológica da Unicamp, à Rádio Brasil Atual.

Experimento

O mapa acima mostra a localização de Jacobina e os pontos na cidade em que as amostras foram coletadas

Entre junho de 2013 e  setembro de 2015, aproximadamente 450 mil machos transgênicos OX513A foram soltos por semana por 27 meses em Jacobina, na Bahia. Segundo explicação deste estudo, a cidade foi escolhida por ser cercada por vários quilômetros de caatinga, um bioma seco em que o Aedes não consegue se procriar. Isso significa que Jacobina é uma ilha perfeita para testes deste tipo.

Nos primeiros meses após a introdução dos mosquitos alterados, a população geral caiu, mas logo em seguida voltou a ser alta.

Esses mosquitos foram criados pela empresa comercial Oxitec Ltd., a partir de uma cepa de Cuba cruzada com uma população mexicana. Como resultado, os Aedes de Jacobina atuais são resultado de uma mistura de três populações.

“Ainda não está claro como isso pode afetar a transmissão de doenças ou outros esforços para controlar vetores perigosos. Esses resultados destacam a importância de haver um programa de monitoramento genético durante esse tipo de soltura para detectar resultados não previstos”, alertam os pesquisadores no trabalho.

[Scientific Reports, Science Alert, Rádio Brasil Atual]

Nota à imprensa da Oxitec, na íntegra:

A Oxitec destaca que seis dos oito coautores brasileiros do artigo em questão já se retrataram com relação aos equívocos que produziram uma onda de especulações e informações falsas. O fato de o experimento ter detectado a ocorrência de um mosquito híbrido e que apenas 5% desses mosquitos sobrevivem, não representa risco algum, pois esses mosquitos não causam efeitos adversos e desaparecem em poucas semanas, conforme já era esperado. Essa informação, suprimida indevidamente por difamadores, já havia sido comunicada à CTNBio, que avaliou como seguro o índice de 5%.

Esses mosquitos híbridos, que desaparecem em pouco tempo e não causam efeitos adversos, conforme atestado pela CTNBio, não são mais resistentes e não contribuem para a propagação de doenças. O próprio artigo da Scientific Reports, assim como outros artigos publicados à época, indicam que a linhagem OX513 desaparece do ambiente em algumas semanas, após a interrupção das liberações, como esperado. A ocorrência dos mosquitos híbridos é, portanto, parte do processo de combate ao Aedes aegypti e não é um efeito colateral.

O compromisso da Oxitec é fornecer uma solução segura, eficaz e viável, sem impactos negativos para o meio ambiente e para a saúde humana. Por essa razão, lamentamos a divulgação de informações falsas e difamatórias sobre a Oxitec, o Aedes do Bem® e o experimento de Jacobina. Todas as atividades da Oxitec são conduzidas com transparência, segurança e em atendimento à legislação. Estamos à disposição da sociedade para prestar qualquer esclarecimento sobre isso. Para profissionais de imprensa e veículos de comunicação, nossa assessoria de imprensa no Brasil está pronta para oferecer informações que possam facilitar o entendimento sobre nossas atividades.

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (57 votos, média: 4,72 de 5)

Deixe seu comentário!