Garranchos podem ser genéticos

Por , em 9.09.2010

Esta matéria, lida daqui a algumas décadas, pode não fazer tanto sentido quanto hoje, já que estamos aderindo à escrita no computador em detrimento da caligrafia a cada dia que passa. Atualmente, contudo, muitas pessoas precisam escrever e escrevem com as mãos. Os professores, por exemplo, deveriam receber um bônus no salário apenas pelo desafio de ter que decifrar algumas letras bem ruinzinhas. Se você é um destes exemplares, pode culpar seus genes: uma pesquisa de um centro médico em Westwood (Massachussets, EUA), sugere que a caligrafia é uma característica hereditária.

Os especialistas afirmam que não se trata apenas de genética: muitos outros fatores podem determinar como você escreve. Experiências pessoais, e a maneira como foi o aprendizado de leitura e escrita podem ser tão forte quanto uma boa cadeia de DNA. Um dos pesquisadores vai ainda mais longe: “Se uma pessoa sofrer um evento traumático, sua caligrafia pode mudar. Escrita reflete a personalidade de uma pessoa e seu estado de espírito – uma pessoa organizada, por exemplo, tende a tomar maior cuidado”.

Mas estamos falando de genética. Ela influencia, por exemplo, na forma como uma pessoa pontos seus i’s e cruza seus t’s. Essa influência ocorre através da anatomia: afeta a estrutura óssea como uma segura uma caneta, a coordenação mão e olho, a memória muscular e a capacidade mental em copiar a letra de outra pessoa. Ainda assim, não é uma característica imutável.

O que os cientistas ainda tentam descobrir é como diferenciar as coisas. Explicamos: o fato de um filho ter a letra parecida com a de seus pais é realmente genética ou acontece porque foram eles que o ensinaram a escrever? E no caso dos que aprenderam diretamente na escola, será que terão a letra do professor que os alfabetizou? Fica o mistério para se desvendar no futuro. [Life’s little mysteries]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

8 comentários

  • Guilherme:

    AhAUAH capaz de ser mesmo
    eu tenho a letra muito horrível, e meu irmão tem a letra quase identica, e isso que ele nunca havia lido o que eu escrevia antes de ele entrar na escola! (ele é mais novo).
    Nunca vi uma letra parecida com a nossa, apenas a de um colega que é um pouco parecida(mas não é ruim, só o formato é parecido)

  • Karol:

    Tenho uma amiga que na família do pai dela a assinatura da mãe e de todos os irmãos dele é igual ou então bastante parecida…Só que ela não tem a letra nem da mãe e nem do pai a letra dela é bastante diferente da dos dois pq isso acontece??

  • Alef:

    Eu tenho a mesma letra do meu pai sendo que eu nunca o conheci e nunca havia visto nada que ele tenha escrito. Minha mãe que me disse quando eu estava aprendendo a escrever. Eu já sabia que é genético, e um jeito fácil de se fazer esse experimento é ver casos de filhos que não tem pais ou mães e ver essa tendência.

    A letra ser genética não diz respeito apenas à destreza com as mãos. Pelo menos no meu caso, eu escrevo do jeito que escrevo porque gosto de coisas bonitas, e que sejam de um modo correto. Minha mãe nunca foi assim, a letra dela sempre foi muito ruim, minha letra é do jeito que é por motivos racionais, eu escolhi ter essa letra. E meu pai poderia ter esses mesmos motivos, por isso nossas letras são tão parecidas.

  • Raton:

    Reportagem interessante. Meu filho, com nove anos, tem os mesmos garranchos que eu quando escrevo a mão livre, e eu não ensinei ele a escrever. Mas eu mudei minha caligrafia, para um tipo chamado letra bastão, ensinado nas antigas aulas de desenho,mas coloquei um toque pessoal. Fiz isso pois nem eu mesmo conseguia ler o que eu escrevia.

  • Cesar:

    A boa notícia é que com persistência e treino dá para ter uma caligrafia bonita (desculpa a redundância, já que “cali” significa bonita)…

  • Stefan:

    Eu acho que é puramente genético, pois a minha letra não parece em nada com a dos meus pais. No entanto certa vez achei uma carta da minha avó e achei que eu a tinha escrito!!

  • Lelo:

    macho tem q ter letra feia auhsuahsua

  • Felipe:

    Aspas no texto facilitaram o seu entendimento!

Deixe seu comentário!