Homem torna as áreas profundas dos oceanos cada vez mais vulneráveis

Por , em 16.08.2011

Os avanços tecnológicos permitiram que os seres humanos explorassem os mares mais profundamente do que nunca, revelando a vasta biodiversidade do maior ecossistema da Terra, mas a tecnologia também resultou na maior degradação dos oceanos.

Uma nova pesquisa apontou os impactos humanos que estão provocando mais efeitos negativos no oceano e descobriu que os habitats das zonas mais profundas são as mais vulneráveis a esses efeitos.

O mar profundo se estende desde o final da plataforma continental, uma profundidade de 200 a 250 metros até a grande profundeza abissal, com 3 a 6 mil metros de profundidade, podendo chegar a até 11 mil metros em áreas como a Fossa das Marianas.

O mar profundo cobre 73% dos oceanos, e os cientistas continuam descobrindo novos habitats e espécies de animais e plantas. Mas os impactos negativos da atividade humana parecem ser muito mais rápidos do que essas pesquisas.

Os impactos humanos são divididos em três categorias: lixo e resíduos, exploração oceânica e mudanças climáticas.

Despejar lixo nos oceanos é uma prática proibida desde 1972, mas o lixo do passado continua trazendo consequências negativas nos dias atuais, além do contínuo despejo de lixo ilegal por navios.

O lixo acumulado se espalha por oceanos de todo mundo. Também pode alcançar as áreas costeiras e os rios. Há evidências crescentes de acumulação de poluentes químicos como mercúrio, chumbo e orgânicos resistentes (como dioxinas) em sedimentos e organismos das águas profundas.

Atualmente, os maiores impactos negativos diretos vêm da exploração de recursos do mar profundo, especialmente pela pesca. No futuro, no entanto, os impactos mais penetrantes podem vir da acidificação do oceano e das mudanças climáticas.

Alguns dos efeitos da acidificação e das mudanças climáticas incluem o aumento da temperatura da água, o acúmulo de nutrientes (que pode levar à proliferação de algas) e mudanças na circulação oceânica.

Os habitats mais vulneráveis aos impactos humanos são os bentônicos, os corais de água fria e as comunidades do mar profundo em cânions. Num futuro próximo, a extração mineral em fontes hidrotermais e, possivelmente, em planícies abissais também podem colocar esses habitats em risco. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

7 comentários

  • Roberto:

    “espertos” assim como bandidos e criminosos deveriam perder o status de ser humano e seus direitos humanos de modo irreversível. Com eles presos o Planeta Terra ficaria mais limpo.

  • burro:

    ‘Grandes avanços tecnológicos!!!’Destrói mais do que dá retorno benéfico pra humanidade.

  • Éderson:

    E os humanos estão cada vez mais levando a humanidade para o “fundo do poço”…

  • Mesrine:

    “daki a 1000 anos ow 10 gerações”, espero que a correta ortografia seja obrigatória na internet.

    A respeito do artigo, o que mais me incomoda é o fato de que muitas espécies provavelmente serão extintas antes de serem descobertas e estudadas.

  • Nico:

    A profundeza não deveria ser de 3 a 6 mil metros e 11 mil metros?

  • vicente:

    daki 1000 anos ow 10 gerações o mundo so vai ter 3 opções ow vai ser o jardin de marte ow vai ta todo fudido ow vai ta todo modificado ow vai ter explodido por algum motivo

    • biel:

      4 opçoes

Deixe seu comentário!