Luas como a da Terra podem ser comuns

Por , em 6.06.2011

Segundo um novo estudo, cerca de um cada dez planetas rochosos que ficam em torno de estrelas como o nosso sol pode hospedar uma lua proporcionalmente tão grande quanto à da Terra.

Antes, os cientistas achavam que a nossa lua era desproporcionalmente grande (mais de um quarto do diâmetro da Terra), e que isso era raro. Agora, através de simulações computadorizadas de formação de planetas, os pesquisadores mostraram que os impactos grandiosos que resultaram na nossa lua podem ser na verdade comuns.

Os cientistas criaram uma série de simulações para observar como os planetas se formam a partir de gases e pedaços de rocha, chamados planetesimais.

A teoria mais comum é de que nossa lua se formou no início da história da Terra, quando um planeta do tamanho de Marte se chocou conosco, resultando em um disco de material fundido que rodeia a Terra (eventualmente esse material se uniu para formar a lua como a conhecemos).

A equipe usou os resultados do estudo inicial para descobrir a probabilidade de eventos de grande impacto formarem grandes satélites da mesma forma. Os resultados mostram que há cerca de 1 em 12 chances de gerar um sistema composto por um planeta mais de metade da massa da Terra e uma lua com mais de metade da nossa lua (levando em conta erros na simulação, a gama completa de probabilidades é de 1 em 45 e 1 em cada 4).

Os resultados também podem ajudar a identificar outros planetas favoráveis à vida. Sebastian Elser, da Universidade de Zurique, disse que as novas estimativas para a probabilidade de satélites como a lua poderiam ser úteis à caça de planetas fora do sistema solar. Essas grandes luas podem confundir as medidas que descobrem planetas; sabendo que os satélites de grande porte podem ser comuns pode tornar essas medições mais fáceis.

Além disso, a nossa lua estabiliza a inclinação do eixo da Terra – ou a sua obliquidade – que poderia variar drasticamente em tempos relativamente curtos (o que por sua vez causaria mudanças drásticas na forma como o calor do sol é distribuído em todo o planeta).

Assim, pode-se dizer que a presença da lua torna um ambiente mais estável em que a vida possa evoluir. “Verificar a possibilidade de uma lua estabilizadora é uma coisa boa para descobrir quantos mundos habitáveis estão lá fora, na galáxia”, disse Elser.

Já o especialista em formação de planetas Eiichiro Kokubo alerta que devemos tomar cuidado com o novo estudo. Segundo ele, há vários parâmetros ainda desconhecidos que afetam grandemente a formação e evolução lunar e, portanto, a probabilidade de um planeta hospedar uma grande lua.

Por exemplo, ainda é impossível colocar números nos efeitos de um planeta antes do impacto, ou como o disco de material é formado e evolui depois desse impacto. “Eu acho que devemos assumir o estudo como uma possível ideia, um cálculo com base no que sabemos sobre a formação de planetas terrestres e luas atualmente”, explica Kobuko.[BBC]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 3,50 de 5)

13 comentários

  • Mario:

    esse negócio de vida em outro planeta tá ficando chato e besta não se descobre nada convincente.

  • gabriel dos anjos:

    muito bom e estranho

  • Elis:

    Não consigo entender por que a Lua ajuda na estabilidade do eixo da Terra. Os planetas sem lua, ou com luas menores tem o eixo mais instável?

    • gargwlas:

      porque a lua tambem tem gravidade (mesmo que pouca) e isso influencia no nosso planeta

      inclusive essa “pressão” ou “depressão” influencia em nossas marés tambem.

  • Jana:

    .-.

  • EP:

    Eu gostaria de ver uma simulação acontecendo. É difícil imaginar um planeta se formando, mesmo que seja um processo lento.

  • gargwlas:

    a vida na terra é dependente de tanta coisa, que as vezes penso que se a vida existe la fora, é em bem menos quantidade do que se espera.

    vamos pontuar:

    – a complexa linha de eventos da biosfera do planeta ( estações estaveis, calor e frios moderados, agua) isso relacionado a nosso biotipo.

    – campo magnetico

    – a lua para ajudar no eixo do planeta

    – jupiter, um planeta supermassivo que atrai boa parte dos impactos dos corpos vagantes no sistema solar (não é nada principal, mas ajuda bastante)

    – etc…

    são muitos fatores para podermos estar aqui.

  • EltonPaes:

    Penso eu, este planeta é quase que perfeito, parece que foi feito à mão…
    que lástima que estamos destruindo ele…

    • Andrew:

      Perfeito nada, aqui é o caos puro. Até a lua por exemplo é mais perfeita que a terra, pois é mais redonda, mais homogênea. E é justamente a imperfeição e o caos que fazem da terra um lugar tão incrível e com tantas possibilidades, como a que deu a origem à vida.

    • EltonPaes:

      Estou colocando em comparação aos demais planetas descoberto, e é sim ao meu ver, quase que perfeito!

    • robertoflier:

      Perfeita nada. Aqui de baixo ela parece redonda. Vista de lado ela é oval.

    • Cesar:

      Bom, o nosso planeta tem seus defeitos também, que também são consequência do seu jeito de ser: temos terremotos, furacões, vulcões, vendavais, granizo, tsunamis, etc. Os terremotos e vulcões são o lado ruim de uma coisa boa: nosso planeta é ativo geologicamente. Da mesma forma, vendavais, furacões, tornados e outros eventos climáticos são o lado ruim de ter uma atmosfera ativa também. Se não houvessem estes eventos, o planeta provavelmente seria morto, ou seja, sem condições de abrigar a vida.

    • rodolfo:

      nunca vi alguém ser tão obvio com tanta elegancia. positivo.

Deixe seu comentário!