M1: o incrível caranguejo que continua expandindo há quase 1.000 anos

Por , em 15.09.2013

Para baixar uma versão com resolução maior desta imagem, clique aqui.

Há muito tempo, entre 1758 e 1782, o astrônomo francês Charles Messier criou uma lista de 110 objetos que não eram – mas poderiam ser confundidos – com cometas ao serem observados no céu.

Isso porque os instrumentos disponíveis na época não eram dos mais refinados. No século XVIII, descobrir cometas era um dos pontos altos da astronomia. O Catálogo de Messier, além de ajudar os cientistas, tornou-se conhecido como uma coleção de objetos para serem observados no céu: nebulosas, aglomerados e galáxias da lista até hoje são alvos prediletos para observação, fotografia e estudo por parte de astrônomos amadores e profissionais.

A Nebulosa do Caranguejo, que fica a cerca de 6.500 anos-luz de distância da Terra, na constelação de Touro, foi o primeiro objeto catalogado por Messier, e por isso leva o nome técnico de M1.

Atualmente, o “Caranguejo” é conhecido por ser um remanescente de uma supernova, uma nuvem em expansão de detritos restantes da explosão de uma estrela massiva.

O nascimento violento do Caranguejo foi testemunhado por astrônomos no ano de 1054. Com quase cerca de 10 anos-luz hoje, a nebulosa ainda está se expandindo a uma taxa de mais de 1.000 quilômetros por segundo.

O vídeo abaixo é uma animação que compara uma imagem de M1 feita em 1999 no Observatório Europeu do Sul (Alemanha) com uma imagem mais recente, feita em 2012, no Mt Lemmon Sky Center (Arizona, EUA). Estrelas de fundo foram usadas para registrar as duas imagens. [NASA, CosmoBrain]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

7 comentários

  • Ademar Souza:

    Em tempo: velocidade da luz= 299.792.458 m/s . Ano-luz com cálculo exato = 9.460.730.472.580,8 km .

  • Ademar Souza:

    Apesar de a matéria ser muito interessante, como muitas publicadas aqui, ela contém um grave erro conceitual. O texto informa “Quase cerca de 10 anos-luz depois, a nebulosa ainda está se expandindo…”. O leitor menos avisado poderá entender que anos-luz é uma medida de tempo, o que está errado. Anos-luz é uma unidade de distância. Um ano-luz é a distância percorrida pela luz em um ano. 9,4605284 × 10(elevado a 15)metros ou 9.460.800.000.000 quilômetros (9,4608 trilhões de quilômetros).

    • Wallace Resplande:

      Eu posso estar errado, mas ao meu ver Ano-luz é tanto tempo quanto distância já que para calcular a distância é preciso calcular tbm o tempo. E como o espaço e o tempo são entrelaçados, segundo a teoria da relatividade, não me parece um erro associar a ideia de tempo. Seria errado se parecesse que é EXCLUSIVAMENTE uma medida de tempo. É apenas minha opinião.

    • Ademar Souza:

      Wallace, S=So+v.t . Dê uma olhada na Wikipedia. Coloque lá, na busca, ano-luz. Você vai entender. http://pt.wikipedia.org/wiki/Ano-luz

    • Tigre:

      Em termos simples, o ano-luz é a distância que a luz percorre em um ano. Tem sim uma referência ao tempo, mas essa é uma medida de distância apenas.

  • Tigre:

    A parte “Quase cerca de 10 anos-luz depois” está errada, pois ano-luz não é medida de tempo, e sim de comprimento. Na fonte da NASA, o que está escrito é “Roughly 10 light-years across today”, o que significa “Aproximadamente com 10 anos-luz de comprimento/diâmetro/um lado a outro hoje”.

    • David de Aquino:

      Mas lá não indica em nenhum instante que isso é medida de tempo: “Com quase cerca de 10 anos-luz hoje, a nebulosa ainda está se expandindo a uma taxa de mais de 1.000 quilômetros por segundo. ” Basta ler o resto da frase que fica óbvio que 10 anos-luz é a extensão dela.

Deixe seu comentário!