Carbino é o novo material mais forte do mundo

Por , em 14.10.2013

Carbino é o novo MATERIAL MAIS FORTE DO MUNDO

Essa divisão da Química de alta tecnologia denominada Ciência dos Materiais tem um novo dilema para resolver.

O grafeno nem chegou a esquentar  seu primeiro lugar no pódio dos materiais mais fortes do mundo e eis que surge o carbino como novo queridinho dos nanoquímicos para posar de adamantium; além de apresentar outras propriedades para lá de surpreendentes.

Apesar de ser apenas uma cadeia linear de átomos de carbono esse novo nanomaterial apresenta  o dobro da resistência à tração do grafeno e é três vezes mais resistente que o diamante.

É estável à temperatura ambiente e pode formar ligações cruzadas previsíveis com outras macromoléculas  quando armazenados em conjunto

A denominação carbino  tipifica a toda uma série de compostos poliméricos com “carbono acetilênico Linear ”  ou  simplesmente  LAC  que é a sigla para expressão inglesa “Linear Acetylenic Carbon”.

Em suma,  macromoléculas compostas por uma longa cadeia linear de átomos de carbono ligados entre si por triplas ligações intercaladas por ligações simples.

Logo, tal estrutura unidimensional rivaliza com a do grafeno que é bidimensional(e pode gerar estruturas tridimensionais como os nanotubos de carbono e as moléculas dos fulerenos).

Para entender essa sutileza basta imaginar que o grafeno é uma tela feita por átomos de carbono ligados entre si em “janelinhas” hexagonais. Como uma tela de galinheiro por exemplo.

  • Se você enrolar essa tela no formato de um tubo teremos um nanotubo de carbono.
  • Se você enrolar essa tela no formato de uma esfera teremos um fulereno.

Em qualquer caso, como vimos, essas estruturas são bi ou  tridimensionais enquanto que a do carbino é unidimensional, apresentando-se na forma  de nanocordas que podem ser torcidas, gerando estruturas mais tenazes, ou então utilizadas na construção de nanoredes (por meio das já citadas ligações cruzadas) que poderão potencializar suas propriedades.

Além disso, ao contrário do que se podia esperar desse tipo de polímero, possuem grande estabilidade mesmo em temperaturas ambientes e podem conduzir corrente elétrica com perda zero originando novos materiais supercondutores.

E as surpresas não param por aí.

As nanocordas de carbino poderão ser utilizadas para armazenar muitas formas de energia, inclusive energia mecânica.

O grande desafio para transformar o que ainda é um modelo de laboratório em um supermaterial  é o desenvolvimento de uma cadeia de produção  capaz de fabricá-lo em escala industrial e com custo competitivo. Aliás, o mesmo problema enfrentado na alavancagem da tecnologia do grafeno e de sua nanofamília.

Quem vencer a corrida ganha o pódio definitivamente ou pelo menos até descobrirem outro material mais resistente.

– o –

[Imagem: “Fiber” de Stefan Andrej Shambora]

[Fontes: PHYS.ORG/ ACS NANO]

 

[Leia os outros artigos de Mustafá Ali Kanso]

 

LEIA SOBRE O LIVRO A COR DA TEMPESTADE do autor deste artigo

À VENDA NAS LIVRARIAS CURITIBA E ARTE & LETRA

Navegando entre a literatura fantástica e a ficção especulativa Mustafá Ali Kanso, nesse seu novo livro “A Cor da Tempestade” premia o leitor com contos vigorosos onde o elemento de suspense e os finais surpreendentes concorrem com a linguagem poética repleta de lirismo que, ao mesmo tempo que encanta, comove.

Seus contos “Herdeiros dos Ventos” e “Uma carta para Guinevere” foram, em 2010, tópicos de abordagem literária do tema “Love and its Disorders” no “4th International Congress of Fundamental Psychopathology.”

Foi premiado com o primeiro lugar no Concurso Nacional de Contos da Scarium Megazine (Rio de Janeiro, 2004) pelo conto Propriedade Intelectual e com o sexto lugar pelo conto Singularis Verita.

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

9 comentários

  • Carlos Renan Pagliarini:

    O homem acha que faz tudo certo. incríveis são os que param e enxergam os caminhos vizinhos! Ciclo curto. Felicidade écompartilhar bem estar

  • Carlos Renan Pagliarini:

    Renderá mais qualidade de vida para TODOS, ou será só o “enriquecimento” de alguns!?

  • Chiago Pallano:

    Carbino. Isso é nome de parceiro de trago. =)

  • João Gesing:

    O artigo está escrito no presente, como se o carbino já tivesse sido sintetizado. Agora esqueceu de mencionar que o estudo calculou suas características com o uso de modelos matemáticos, mas o material propriamente dito ainda não foi realmente sintetizado.

    Do artigo científico original:
    “We report an extensive study of the properties of carbyne using first-principles calculations”

    Portanto o carbino PODERÁ ser mais resistente… PODERÁ ser estável…

    Fonte: Carbyne from First Principles: Chain of C Atoms, a Nanorod or a Nanorope

    • Mustafá Ali Kanso:

      Caro leitor:

      Releia o artigo e encontre o parágrafo:

      O grande desafio para transformar o que ainda é um modelo de laboratório em um supermaterial…

      Grato pela audiência.

  • Sidnei Sanches:

    Apertando a tecla SAP, tudo não passa de tubo de ensaio ou de materiais de laboratório.
    Com certeza o que limitam as criações dos seres humanos são os materiais e quem detém a tecnologia sairá na frente.
    E como sempre o Brasil vai ficando sempre no vácuo dos países desenvolvidos onde no máximo mandamos nossos mais brilhantes técnicos a serviços deles.

  • aguiarubra:

    KARCARÁ…
    E isso não para mais!!!

  • Cesar Grossmann:

    Será este o material a ser usado nos Elevadores Espaciais?

    • Michel Conrado Diz:

      É nisso que pensei desde o primeiro segundo que parei pra ler! Se sim, será um passo enorme para a verdadeira corrida espacial.

Deixe seu comentário!