Descoberta de vida extraterrestre é eminente? Encélado no páreo.

Por , em 22.12.2014

Artigo de Mustafá Ali Kanso

Marcianos

Sempre, quando estamos chegando ao final de um ano eu renovo minha aposta sobre a descoberta do milênio que será anunciada até o final de 2020 – a existência de vida extraterrestre.

Como personagem principal da minha aposta, tenho muita fé em Marte, e estou apostando em uma alga — e clorofilada — para, numa fina ironia do destino, podermos gargantear que os escritores de ficção científica acertaram pelo menos na cor quando imaginaram os marcianos.

E como sempre me empolgo com as últimas notícias vindas do planeta vermelho, aí vai:

Curiosity que explora Marte há mais de dois anos sem muitas novidades, surpreendeu nessa semana com a detecção de picos de emissão de gás metano (CH4), aparentemente oriundo do subsolo na área da cratera Gale.

Já em 2009 a NASA havia anunciada a descoberta de metano na atmosfera marciana numa concentração entre 20 e 35 partes por bilhão (ppb), coisa que ainda não havia sido confirmada por Curiosity desde sua chegada em 2012 — pelo menos até agora.

A justificativa para esse hiato de mais de 5 anos entre a descoberta e sua confirmação seria um certo caráter sazonal das emissões com origem provável nas camadas mais profundas do planeta.

Essa descoberta é importante porque o metano é o composto orgânico mais simples que conhecemos e pode ser gerado por fenômenos biológicos.

Assim em nosso check list para indícios de vida podemos marcar dois pontinhos no placar de Marte:

Existe água líquida e existe metano.

A outra boa notícia é a conclusão da análise feita numa amostra de argila colhida da mesma região da cratera Gale em 30 de Maio de 2013 e a confirmação dos resultados de que também foram encontrados compostos orgânicos mais complexos (da classe dos organoclorados) tais como o cloro-benzeno numa concentração entre 150 e 300 ppb nessa amostra.

Bingo — confirmou-se portanto a existência de compostos orgânicos em Marte.

Embora os dados coletados pelo Curiosity não permitem saber a origem do metano ou mesmo dos organoclorados — essa confirmação é bastante promissora para pesquisas futuras, haja vista que é possível buscar as fontes por simples rastreamento das concentrações e quem sabe um substrato congelado contendo água líquida em seu interior seja encontrado e nesse veio algumas algas extremófilas que logo ganharão as primeiras páginas dos jornais.

O azarão de Saturno

E correndo por fora temos os satélites dos gigantes gasosos.

Já coloquei algumas fichas em Europa e Ganímedes e agora é a vez de Encélado.

Guarde esse nome: Encélado

É o sexto satélite natural de Saturno em ordem de tamanho e foi descoberto em 1789 por William Herschel.

Existem evidências de possuir água líquida sob sua superfície congelada por conta do calor gerado pela ação vulcânica ou marés gravitacionais ou ambas.

Tanto que foram detectadas centenas de gêiseres que ejetam água salgada e cristais de gelo a distâncias fantásticas.

Uma parte dessa matéria chega a escapar da atração gravitacional do satélite e vai se somar ao material que compõe o anel E de saturno.

Simplesmente fantástico.

A boa notícia, segundo dados colhidos pela sonda Cassini, é que foram identificados também materiais orgânicos complexos em cada uma dessas ejeções fantásticas.

Será?

Para muitos cientistas Encélado deixa de ser um azarão e passa a ser um dos locais mais promissores para que se encontre vida extraterrestre.

Mas sem capacete e antenas.

Será uma alga, muito provavelmente.

E tomara que seja verde.

-o-

Artigo de Mustafá Ali Kanso 

[Leia os outros artigos  de Mustafá Ali Kanso  publicado semanalmente aqui no Hypescience. Comente também no FACEBOOK – Mustafá Ibn Ali Kanso ]

LEIA A SINOPSE DO LIVRO A COR DA TEMPESTADE DE Mustafá Ali Kanso

[O LIVRO ENCONTRA-SE À VENDA NAS LIVRARIAS CURITIBA E SPACE CASTLE BOOKSTORE].

Ciência, ficção científica, valores morais, história e uma dose generosa de romantismo – eis a receita de sucesso de A Cor da Tempestade.

Trata-se de uma coletânea de contos do escritor e professor paranaense Mustafá Ali Kanso (premiado em 2004 com o primeiro lugar pelo conto “Propriedade Intelectual” e o sexto lugar pelo conto “A Teoria” (Singularis Verita) no II Concurso Nacional de Contos promovido pela revista Scarium).

Publicado em 2011 pela Editora Multifoco, A Cor da Tempestade já está em sua 2ª edição – tendo sido a obra mais vendida no MEGACON 2014 (encontro da comunidade nerd, geek, otaku, de ficção científica, fantasia e terror fantástico) ocorrido em 5 de julho, na cidade de Curitiba.

Entre os contos publicados nessa coletânea destacam-se: “Herdeiro dos Ventos” e “Uma carta para Guinevere” que juntamente com obras de Clarice Lispector foram, em 2010, tópicos de abordagem literária do tema “Love and its Disorders” no “4th International Congress of Fundamental Psychopathology.”

Prefaciada pelo renomado escritor e cineasta brasileiro André Carneiro, esta obra não é apenas fruto da imaginação fértil do autor, trata-se também de uma mostra do ser humano em suas várias faces; uma viagem que permeia dois mundos surreais e desconhecidos – aquele que há dentro e o que há fora de nós.

Em sua obra, Mustafá Ali Kanso contempla o leitor com uma literatura de linguagem simples e acessível a todos os públicos.

É possível sentir-se como um espectador numa sala reservada, testemunha ocular de algo maravilhoso e até mesmo uma personagem parte do enredo.

A ficção mistura-se com a realidade rotineira de modo que o improvável parece perfeitamente possível.

Ao leitor um conselho: ao abrir as páginas deste livro, esteja atento a todo e qualquer detalhe; você irá se surpreender ao descobrir o significado da cor da tempestade.

[Sinospse escrita por Núrya Ramos  em seu blogue Oráculo de Cassandra]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

3 comentários

  • Tibulace:

    Mustafá como sempre, nos brinda com uma ótima matéria.Me parece iminente, a descoberta de vida extraterrestre.Eminente, é apenas título, por exemplo eclesiástico.

  • Cesar Grossmann:

    Ou uma cianobactéria que é… verde?

  • ydecazio:

    Tenho certeza que a novidade será bem mais inteligente que uma alga, só um pouco.

Deixe seu comentário!