Região ‘social’ do cérebro é maior em pessoas mais populares

Por , em 1.02.2012

Uma pesquisa descobriu que uma área do cérebro, associada com a compreensão da mente de outros, é maior em pessoas que têm maiores redes sociais.

Essa não é a primeira vez que estudos ligam regiões específicas do cérebro a uma vida social ativa.

Em pesquisa publicada no ano passado, cientistas descobriram que algumas regiões do cérebro que processam sinais sociais, expressões faciais, nomes e rostos são maiores em pessoas com mais amigos no Facebook. A pesquisa mostrou também que os macacos que vivem em grandes grupos têm cérebros maiores.

A “hipótese do cérebro social” sustenta que a razão pela qual os primatas, incluindo humanos, têm cérebros relativamente grandes é que eles precisam desse espaço de processamento para lidar com suas complexas redes sociais.

Entre os seres humanos, as pessoas variam de solitárias a agitadas. Para descobrir se há uma base cerebral para essas diferenças, o antropólogo Robin Dunbar analisou imagens anatômicas dos cérebros de 40 voluntários usando ressonância magnética.

Os participantes também completaram alguns testes para determinar quão bons eles eram em “mentalização” – a compreensão do estado mental de outra pessoa. Este processo é semelhante à empatia, mas vai além da compreensão de emoções para entender as metas, necessidades e raciocínio de outra pessoa.

Por fim, cada pessoa no estudo relatou o número de pessoas com quem tiveram contato social durante os últimos sete dias. Esta medida exclui interação profissional e foca em outras verdadeiramente sociais.

Os pesquisadores analisaram todo tipo de contato, mas buscaram observar principalmente interações genuínas, pessoas que se reúnem em uma base séria, e não apenas interações de “Twitter”, por exemplo.

Os pesquisadores descobriram uma ligação entre tamanho da rede social, anatomia do cérebro e capacidade de mentalizar.

Pessoas com maiores redes sociais parecem ter um córtex orbital pré-frontal maior. Esta área do cérebro fica bem atrás dos olhos e é responsável por gerenciar comportamento social adequado e interações com os outros. “A parte orbital [do córtex pré-frontal] é especialmente associada a coisas como emoção e recompensa”, disse Dunbar.

A relação entre tamanho do córtex pré-frontal orbital e tamanho da rede social foi explicada pela capacidade de uma pessoa de imaginar os pensamentos e emoções de outras pessoas. “O tamanho dessa região determina o quão bom você é na mentalização que, por sua vez, determina o número de amigos que você tem”, completou.

Um córtex pré-frontal orbital grande leva a mais amigos, ou a região se amplia em resposta a ter mais amigos? Os cientistas não sabem.

Mas eles acreditam que a região é fundamental para a compreensão de situações sociais. Segundo Dunbar, pessoas com danos a estas regiões são notoriamente ruins em interagir com os outros.

No entanto, o tamanho final de qualquer região do cérebro depende, em parte, de como essa área é utilizada durante a infância.

Por exemplo, crianças com muitos irmãos mais velhos desenvolvem suas capacidades de mentalização mais cedo do que crianças sem muitos irmãos e irmãs.

O pesquisador explica que esse tipo de coisa é uma união de duas: não adianta ter o cérebro ou corpo bom para alguma função, mas não treiná-la ou praticá-la.

Ou seja, se alguém não tem o espaço cerebral básico para julgar os estados mentais dos outros, provavelmente vai achar difícil manter laços sociais. Já Se você tem essa região desenvolvida, usá-la pode reforçá-la, especialmente durante a juventude, quando o cérebro é especialmente aberto para crescimento e mudança.[LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

15 comentários

  • Nara:

    Cada um se adapta às “tribos” urbanas. Tem a tribo dos mais baladeiros, dos fofoqueiros, dos roqueiros, dos sernatejos brejeiros, dos funkeiros, dos… são tantos ‘eiros’ que você acaba ficando sem eira nem beira, (rs).

  • Toni Rocha:

    Sou péssimo em decorar rostos e nomes, sou instrospectivo, no meu Facebook sou o que tem menos amigos entre meus amigos, já disseram que sou muito chato, frio e sério, etc… Acho que essa área aí no meu cérebro surgiu natimorta.

  • anonymous:

    O que dizem de Bill gates ele não era popular quando jovem, mas agora é um dos homens mais populares do mundo.
    talvez isso seja porque ele não se dedicava a isso.
    eu também não sou popupalar mas creio que um dia vou ser!

    • Milton:

      comece por colocar seu nome na rede …..

  • pedro:

    quantidade nunca foi sinonimo de qualidade,falam falam e nao dizem nada : )

  • pedro:

    e esqueceram de dizer que mais desenvolvida no sexo femenino : )

  • Ronnie:

    lgl isso iteressante…
    acho que tenho uma região do meu cortex puoco desenvolvida hehe..
    sou um pouco na minha,fazer o que?! isso faz parte de mim 😉

  • igor costa:

    sou como o detetive l

  • Wesley:

    A julgar pela minha vida social, essa area do cerebro deve ser inexistente em mim.

  • José:

    Isso explica e muito as razões pelo qual nosso celebro se desenvolveu mais que outros. Inclua outros fatores como alimentação, atividade fisica e a capacidade de raciocinio e memória.

    • Chaves:

      cerebro -.-

  • x Antonio Vandré P F Gomes:

    Saber lidar com a solidão é uma virtude também. Poucos conseguem viver confortavelmente na companhia de sí próprios.

  • Chuck Norris®:

    Não gosto do convívio social .Prefiro estar sozinho do que acompanhado, e quanto menos pessoas por perto, melhor!
    Prefiro estar com a natureza!

    • Ronnie:

      ai paceiro tmbm sou um profundo admirador da natureza…
      é linda mesmo, nos traz muita paz. as vezes ele é melhor que mil palavras. tmbm sou de, por vezs,preferir ficar sozinho sem niguem p encomodar. contudo sei que somos seres socias, temos essa necessidade!
      abraço.

    • Aloisi:

      Ele é o Chuck Norris, no caso dele é obsessão.

Deixe seu comentário!