Novo estudo estima as chances da inteligência surgir em planetas alienígenas

Por , em 19.05.2020
Pessoa contemplando um céu colorido sobre uma montanha

Afinal de contas, estamos sozinhos no universo ou não? Essa pergunta é feita de forma obsessiva desde a antiguidade, mas ainda não temos uma certeza absoluta quanto à resposta.

Um novo artigo publicado na revista Proceeding of the National Academy of Sciences Today por David Kipping mostra como uma análise usando a técnica estatística de Bayes poderia lançar luz sobre essa questão.

Para utilizar método, o pesquisador comparou planetas hipotéticos semelhantes ao nosso com a linha do tempo evolucionária observada por aqui. Registros geológicos mostram que a Terra existe há 4,5 bilhões de anos, a vida unicelular surgiu há 3,5 bilhões, enquanto a vida multicelular apareceu há apenas 670 milhões de anos.

“O rápido surgimento da vida e a evolução tardia da humanidade, no contexto da linha do tempo da evolução, são certamente sugestivos. Mas nesse estudo, é possível quantificar o que os fatos nos dizem”, explica ele ao Phys.org.

Quatro hipóteses

Kipping pensou no problema como se houvesse quatro respostas possíveis:

  • a vida é comum e frequentemente desenvolve inteligência;
  • a vida é rara mas frequentemente desenvolve inteligência;
  • a vida é comum e raramente desenvolve inteligência;
  • a vida é rara e raramente desenvolve inteligência.

A partir dessas quatro hipóteses, Kipping usou fórmulas matemáticas Bayes, que descrevem a probabilidade de um evento, baseado em um conhecimento anterior que pode estar relacionado ao evento. “O resultado-chave aqui é que quando se compara eventos raros de vida com cenários comuns, o cenário comum sempre tem pelo menos nove vezes mais chance de acontecer do que um raro”, explica o pesquisador.

Essa análise é baseada na evidência de que a vida surgiu nos primeiros 300 milhões de anos a partir da formação dos oceanos da Terra, o que seria um início bastante acelerado quando comparado ao tempo total de existência do planeta.

A conclusão de Kipping é que se planetas com condições e linhas do tempo evolucionárias parecidas com as da Terra forem comuns, então a vida não teria muita dificuldade em surgir espontaneamente nesses outros planetas.

Mas qual seria a probabilidade da vida nesses outros planetas desenvolverem inteligência complexa como a nossa? Segundo Kipping, de 3:2 a favor da vida inteligente.

Esse resultado não muito animador foi obtido porque a inteligência complexa na Terra levou relativamente bastante tempo para surgir na Terra, sugerindo que seu desenvolvimento não foi fácil. “Se repetíssemos a história da Terra de novo, a emergência de inteligência na verdade é algo pouco provável”, diz ele. Essa chance seria de 50:50.

Ele destaca, porém, que essa análise não oferece garantias, apenas probabilidades estatísticas baseadas no que aconteceu aqui na Terra. “Ainda que encorajador, o argumento de um universo repleto de vida surge como aposta favorita. A busca por vida inteligente em mundos além da Terra não deve ser de modo algum desencorajada”, conclui Kipping.   [Phys.org, Astrobiology at NASA]

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

Deixe seu comentário!