Conheça o mais novo “Planeta X” do sistema solar

Por , em 27.03.2014

Você está vendo aquele pontinho branco se movendo ali do lado direto da imagem acima? Esse é o mais novo “planeta mais distante” do nosso sistema solar. Orbitando entre 12 e 70 bilhões de quilômetros, o 2012 VP113 – nome provisório até que os cientistas tenham mais informações sobre ele – está junto com Sedna e outros planetas anões na Nuvem de Oort.

A descoberta foi feita por Scott Sheppard e Chadwick Trujillo, do Observatório Gemini. Além do 2012 VP113, o trabalho desses cientistas também indica a possível presença de um enorme planeta, talvez com 10 vezes o tamanho da Terra, que estaria influenciando a órbita do recém-descoberto planeta anão.

Entenda melhor o Planeta X

O nosso sistema solar é dividido em três partes: os planetas rochosos, como a Terra, que estão perto do sol; os planetas gigantes de gás, que estão mais longe do sol; e os objetos congelados do cinturão de Kuiper, que se encontram muito além da órbita de Netuno.

Ainda mais além desses objetos está Sedna – que, até então, era considerado “a borda” do sistema solar. O recém-descoberto 2012 VP113 “roubou” esse posto. Segundo as observações de Sheppard e Trujillo, a órbita desse planeta está ainda além, o que é uma descoberta extraordinária.

Para Linda Elkins-Tanton, diretora do Departamento de Magnetismo Terrestre da Instituição Carnegie para Ciência (EUA), essa observação “redefine a nossa compreensão do sistema solar”.

Este é um diagrama de órbita do sistema solar exterior. O sol e os planetas rochosos estão no centro. As órbitas dos quatro planetas gigantes (Júpiter, Saturno, Urano e Netuno) são mostradas pelos círculos roxos. O Cinturão de Kuiper, incluindo Plutão, é mostrado pelo pontilhado verde que fica em volta das órbitas dos planetas gigantes. A órbita de Sedna está representada em laranja e órbita do 2012 VP113 em vermelho

Este é um diagrama de órbita do sistema solar exterior. O sol e os planetas rochosos estão no centro. As órbitas dos quatro planetas gigantes (Júpiter, Saturno, Urano e Netuno) são mostradas pelos círculos roxos. O Cinturão de Kuiper, incluindo Plutão, é mostrado pelo pontilhado verde que fica em volta das órbitas dos planetas gigantes. A órbita de Sedna está representada em laranja e órbita do 2012 VP113 em vermelho

Equipamento

Os pesquisadores Sheppard e Trujillo usaram a nova câmera Dark Energy (DECAM) no telescópio de 4 metros NOAO, localizado no Chile, para ver o planeta.

DECAM tem campo de visão maior do que qualquer telescópio de 4 metros ou mais, dando-lhe uma capacidade incrível e única de vasculhar grandes áreas do céu a procura de objetos pequenos, como o 2012 VP113.

Para saber mais detalhes sobre a superfície e outras propriedades do planeta, a equipe utilizou o Magellan, telescópio de 6,5 metros do Observatório Las Campanas de Carnegie, em Washington (Estados Unidos).

No que essa descoberta implica

“Alguns desses objetos da Nuvem de Oort podem rivalizar com o tamanho de Marte ou mesmo da Terra. Isso ocorre porque muitos dos objetos na Nuvem de Oort estão tão distantes que mesmo os muito grandes seriam muito fracos para serem detectados com a tecnologia atual”, diz Sheppard. O que significa que não podemos ter uma noção exata de qual é o verdadeiro tamanho desses corpos.

A descoberta também pode render esclarecimentos sobre a Nuvem de Oort, pois existem três teorias concorrentes sobre como ela se formou. Então, à medida que mais objetos forem encontrados, será mais fácil de afinar as hipóteses e dizer qual provavelmente é a mais precisa. [io9, Science Daily]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (4 votos, média: 4,00 de 5)

8 comentários

  • A.S.S.:

    Certo, desculpem minha ignorância, mas quantos anos a nave mais rápida levaria para concluir 1 ano-luz?

  • Carlos Abraão:

    Se porventura existirem corpos de tamanho comparável ao de Marte ou Terra, chamá-los de “planetas-anões” seria simplesmente ridículo! Por conseguinte, a nova definição (arbitrária) de “planeta”, “planeta-anão” etc, aprovada pela I.A.U. precisará ser repensada.

  • Márcio Martins:

    Nossa, a cada dia que passa eu fico impressionado com a quantidade de novas informações que são divulgadas dentro das ciências. Adorei a matéria. Eu sou um frequentador deste site e adoro essas matérias. Só pra atualizar, pq no tempo em que eu estudava, o sistema solar era: Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Neturno, Plutão. Hashushauhsusha. Alguém me atualize??

    • Cesar Grossmann:

      Plutão não é mais considerado planeta. E este novo corpo está em outro grupo, o dos objetos da nuvem de Oort.

      A classificação ficou complexa, tem os planetas e os planetas menores, que podem ser planetas anões, asteroides. Os planetas continuam sendo oito: Mercúrio, Venus, Terra, Marte, Jupiter, Saturno, Urano e Netuno.

      http://en.wikipedia.org/wiki/Solar_System

  • Raphael Nascimento:

    Maluco… olha a órbita dos bagulho. E eu cresci achando que Plutão era o excêntrico…

Deixe seu comentário!