Novo tratamento pode reverter a doença celíaca

Por , em 24.10.2019

Um novo estudo da Universidade Northwestern (EUA) desenvolveu um tratamento que pode representar a cura da doença celíaca, induzindo uma resposta imune nos pacientes que os faz tolerarem glúten.

Como funciona

Cerca de 1% da população tem doença celíaca, uma condição autoimune na qual a ingestão de glúten – encontrado por exemplo em farinha de trigo, cevada e centeio – pode levar a sérios danos ao intestino. Atualmente, não há cura para a doença.

A nova tecnologia consiste em uma nanopartícula biodegradável que carrega substâncias para “ensina” o sistema imunológico do paciente que o antígeno (ou alérgeno) é seguro. Dessa forma, age como um “cavalo de Troia”, levando o “inimigo” para dentro do organismo em uma embalagem inocente, convencendo o sistema imune a não o atacar.

As nanopartículas são eventualmente engolidas pelos macrófagos, células que fagocitam elementos estranhos ao corpo.

“Essas células acabam apresentando o alérgeno ou antígeno no sistema imunológico de uma maneira que diz: ‘Não se preocupe, isso pertence aqui'”, explica Stephen Miller, professor de microbiologia e imunologia da Universidade Northwestern. “O sistema imunológico então desliga o ataque ao alérgeno”.

O estudo

No experimento conduzido pelos pesquisadores, a nanopartícula carregou gliadina, um dos principais componentes de uma dieta com glúten.  

Depois de uma semana do tratamento, os pacientes comeram glúten por 14 dias. Eles tiveram 90% menos respostas imunes à substância do que pacientes não tratados. Estes, ao comerem glúten, desenvolveram marcadores imunes como resposta à gliadina, além de exibirem danos ao intestino delgado.

“Esta é a primeira demonstração de que a tecnologia funciona em pacientes”, disse Miller.

Avanço

Doenças autoimunes geralmente são tratadas com supressores que dão algum alívio aos sintomas, mas também danificam o sistema imunológico e podem ter efeitos colaterais tóxicos. Este não é o caso da nanopartícula. Ela não suprime o sistema imunológico.

“A doença celíaca é diferente de muitos outros distúrbios autoimunes porque o antígeno agressor é bem conhecido – glúten na dieta. Isso torna a doença celíaca uma condição perfeita para lidar com o uso dessa emocionante abordagem de tolerância imune induzida por nanopartículas”, comemorou Kelly Ciaran, professora de medicina na Universidade de Harvard (EUA) e diretora da ala de doença celíaca no Beth Israel Deaconess Medical Center (EUA).

Próximos passos

Além da doença celíaca, outras condições e alergias podem ser tratadas com a mesma tecnologia de nanopartículas.

“Também mostramos que podemos encapsular a mielina na nanopartícula para induzir tolerância a essa substância em modelos de esclerose múltipla, ou colocar uma proteína das células beta pancreáticas para induzir tolerância à insulina em modelos de diabetes tipo 1”, contou Miller.

A nanotecnologia foi licenciada para a COUR Pharmaceuticals, uma empresa de biotecnologia cofundada por Miller. A partir de agora, a COUR irá focar em programas clínicos para tratar alergia à amendoim (muito comum nos EUA) e esclerose múltipla. [ScienceDaily]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (15 votos, média: 5,00 de 5)

Deixe seu comentário!