O aquecimento global é real e aqui está a prova

Por , em 1.06.2016

Ainda existem alguns céticos da mudança climática, mas os fatos não mentem. O mundo está ficando mais quente, como é possível ver na imagem animada acima.

O gráfico foi feito com informações do cientista do clima Ed Hawkins, que colocou em efeitos visuais as mudanças no ambiente global ao longo dos últimos 160 anos.

As pequenas variações entre os diferentes meses se amontoam em um longo caminho para cima, no qual as temperaturas de base vêm subindo desde 1850.

Hawkins havia parado seu gráfico nos dias atuais, mas o Serviço Geológico dos Estados Unidos decidiu incrementar a visualização, projetando também o nosso futuro ainda mais quente e empoeirado. As perspectivas não são boas, como é possível perceber.

5 graus é muito

Até agora, a temperatura global subiu quase 1,5 graus Celsius desde 1850, sendo que a maioria desse aumento aconteceu apenas nas últimas duas décadas.

Utilizando projeções climáticas previstas pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas sobre o que vai acontecer se as nossas taxas de emissões de carbono atuais continuarem a subir, o novo gráfico adiciona mais 84 anos para a conta, descrevendo um cenário sombrio no qual as temperaturas globais sobem quase 5 graus Celsius até o final do século.

Claro, essa projeção é o que vai acontecer se nada mudar. Como a esperança é a última que morre, ainda há uma chance dos seres humanos e seus governos se conscientizarem e começarem a cortar suas emissões.

Não será uma missão fácil. Vamos precisar de recursos, dinheiro, tempo e, talvez acima de tudo, um compromisso global firme para diminuir ou quem sabe parar a mudança climática. Mas se não tentarmos… Bom, é só dar uma olhada no gif. [Gizmodo]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (12 votos, média: 3,33 de 5)

18 comentários

  • Victor Hugo Afonso:

    De onde vem esses dados? Aqui é dito que a temperatura aumentou 1,5 em 150 anos, mas os dados oficiais apontam para 0,7 o aumento de temperatura, um aumento natural para o planeta. É preciso entender que o planeta tem diferentes maneiras de regular sua atividade biológica, sendo que nenhum grupo que alterasse constantemente a paisagem no planeta se mantivesse nele por mais do que alguns milhões de anos. Em outras palavras esse post é baseado em crendices e opinião sem nenhuma fonte cientifica

    • Cesar Grossmann:

      Victor, os dados vem de estações de monitoramento pelo mundo todo, e de medições feitas a partir de núcleos de gelo, e medições do espaço. O aumento de temperatura dos últimos anos é sem precedente, ou seja, não é natural, extrapolou todos os processos naturais já registrados. Acho incrível que alguém, frente a números coletados, afirme que a conclusão é baseada em “crendices”.

      Se você realmente está interessado em obter os dados originais, analisar os mesmos e refazer os cálculos, vai em BerkeleyEarth.org. O Professor Richard Muller também duvidou dos dados e das conclusões, e resolveu colocar tudo na Internet, refazer todas as contas, e chegar às conclusões por conta própria.

    • Cesar Grossmann:

      A propósito, “The temperature data are from Community Climate System (CCSM4) global climate model maintained by the National Center for Atmospheric Research.”

  • Felipe Nogueira:

    Nossa, sério que tem alguém registrando tudo desde 1850? O meteoro dos dinossauro faz esse CO2 parecer piada.

    • Cesar Grossmann:

      O registro sistemático de temperatura existe desde que termômetros foram inventados. Mas mesmo que a temperatura exata não foi registrada, existem formas de deduzir de maneira indireta a temperatura média. E não estamos falando de meteoros no passado distante, estamos falando de aquecimento global hoje.

  • Cesar Grossmann:

    A Exxon sabia que a queima de combustíveis fósseis poderia causar danos ao ambiente desde a década de 1970. Google “exxon climate change”

    • Patinho:

      Outra possibilidade são as mudanças cíclicas na dinâmica do sol. Saímos da era do gelo para idade moderna sem “auxílo” do petróleo

    • Cesar Grossmann:

      A comparação entre a atividade solar e o aumento de temperatura na Terra não confere. Tem períodos em que a atividade solar decai, e a temperatura continua crescendo. As mudanças cíclicas do Sol já foram descartadas como causa primária do aquecimento global.

  • José Eduardo:

    Cesar Grossmann, na verdade, o aquecimento tem precedentes sim!
    Todo combustível fóssil de hoje é uma herança da era do carbono…

    • Cesar Grossmann:

      Sem precedentes no sentido de ser muito abrupta, em questão de décadas o que normalmente leva milênios.

  • Ivanna Fabiani:

    O aquecimento Global existe, sem duvidas, mas é um fenômeno natural, nada a ver com a poluição ou acidez dos mares, segundo Instituto de NJ

    • Cesar Grossmann:

      O aquecimento global que estamos presenciando é causado pela atividade humana, não faz parte de nenhum ciclo, e está relacionado com o CO2 do combustível fóssil que liberamos na atmosfera. Tem dezenas de estudos feitos por dezenas de outros institutos demonstrando isso.

    • William Magalhães:

      Aquecimento global e Efeito estufa são distintos.

    • Cesar Grossmann:

      O mecanismo por trás do aquecimento global é o efeito estufa causado pelo gás CO2. O CO2 é um gás de efeito-estufa. Em proporções pré-industriais, ele mantém a Terra morna o suficiente para ter água líquida na superfície.

  • Fred Urtica:

    A verdade é que a humanidade conhece ainda muito pouco sobre clima. São necessários milhares de anos para se ter um panorama mais apurado.

    • Cesar Grossmann:

      O aquecimento global é um fato. O aumento de CO2 que aconteceu desde o século passado não tem precedentes na história do planeta, nem o aumento de temperatura que o acompanha. Não precisa milhares de anos para se concluir isso.

    • Patinho:

      O CO2 está de fato influenciando muito, mas talvez não seja o único responsável

    • Cesar Grossmann:

      Talvez não, mas nenhum outro fator corresponde tão bem. Se houver outro fator, como metano e outros gases de efeito estufa, o efeito deles ainda não chega aos pés do causado pelo CO2.

Deixe seu comentário!