Seremos todos ciborgues

Por , em 15.03.2012

Qualquer autor ou diretor que esteja procurando ideias para uma obra de ficção científica – principalmente no quesito inteligência artificial – deveria conversar com Ray Kurzweil.

Kurzweil, aclamado inventor e futurista, acredita que os humanos e a tecnologia estão se conectando – note os smartphones na mão de tantas pessoas – e eventualmente vão se unir.

“Nós somos uma civilização humana-máquina. Todos foram atingidos pela tecnologia do computador”, comenta. “Eles realmente são parte do que somos. Se nós convencermos as pessoas de que os computadores possuem complexidade de pensamento e nuances, nós vamos aceitá-los como humanos”.

Pioneiro no campo de reconhecimento de discursos, Kurzweil é talvez mais conhecido pelo seu bestseller, “A Singularidade Está Próxima”, que prevê que no futuro nós vamos aplicar a tecnologia ao nosso corpo, incluindo robótica e inteligência artificial.

“Nós criamos essas ferramentas para estender nosso alcance”, comenta. “Algo que fazemos, como humanos, desde que pegamos um galho para alcançar o topo de uma árvore”.

Quando perguntado se a inteligência artificial vai levar a máquinas malvadas, que irão dominar os humanos, ele afirma que fica mais preocupado com o que os humanos vão fazer consigo mesmos. “Eu não vejo como ‘nós x eles’, mas ‘nós x nós’”, diz.

Kurzweil acredita que a tecnologia está avançando em uma velocidade exponencial – tão rápido que invenções inimagináveis serão realidade em décadas. Ele cita a nanotecnologia – os computadores microscópicos – que será mil vezes mais poderosa do que as células sanguíneas humanas, dando origem a um sistema humano mais forte.

Ele também acredita que a tecnologia do computador está democratizando a sociedade, e dando poder a qualquer criativo e conectado.

“Você pode começar uma revolução mundial com o poder de suas ideias, e as ferramentas que todos têm”, comenta. “Uma criança na África tem acesso a mais informação do que o presidente dos Estados Unidos tinha há 15 anos”.

E você, concorda com as ideias dele? [CNN, Foto]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

50 comentários

  • neutrino:

    Estou postando um texto de um maluco bem conhecido na comunidade científica o nome dele é Aubrey de Grey. Vale a pena dar uma olhada no artigo.

    ubrey de Grey é um cientista pitoresco, além da vasta cabeleira e da longa barba (de dar inveja a qualquer um), ele tem uma agenda científica bastante peculiar. Seu objetivo é curar o envelhecimento. Isso mesmo.

    Para de Grey envelhecer é uma doença é deve se combatido como tal, usando-se a medicina e a biologia moderna. Com formação na área de ciência da computação até 2006 de Grey era o responsável pela Fly Base , uma conhecida base de dados genéticos da mosca Drosophyla melanogaster, uma das mais conhecidas espécies de organismo-modelo. Porém, sua rela área de interesse é a bio-gerontologia, ou gerontologia biomédica, cuja iniciação se deu de forma inusitada, ao escrever um livro esboçando uma teoria sobre envelhecimento a partir de danos mitocondriais. Este livro lhe rendeu um título de doutorado, com dispensa de créditos, pela prestigiosa universidade de Cambridge. Além, do acumulo de danos oxidativos, que resultam em disfunção nas mitocôndrias e senescência, de Grey,

    vê o envelhecimento como um subproduto da acumulação de uma série de danos moleculares e celulares, além do esgotamento imunológico.

    Isto é, o envelhecimento é um complexo processo sistêmico que só pode ser combatido através de intervenções minuciosas em vários níveis da organização biológica. Só através da medicina regenerativa é que estes danos podem ser prevenidos e revertidos. Porém, além das estratégias mais tradicionais como terapia gênica e utilização de células tronco, as estratégias investigadas (e patrocinadas pela iniciativa SENS e a Methuselah foundation ) envolvem outras abordagens oriundas de áreas bastante diversas da pesquisa biológica básica e aplicada, como a biorremediação, por exemplo.
    Com o envelhecimento danos as estruturas celulares e moleculares tendem a se acumular, o que compromete gradativamente o funcionamento e a saúde humana. A abordagem SENS (do inglês, strategies for engenineered negligible senescence) aborda as doenças e disfunções, associadas ao envelhecimento, de um ponto de vista de engenharia. Ao invés de interferir diretamente com os processos metabólicos responsáveis pelos danos, ou esperar até que seja tarde demais para reverter os danos da idade, a SENS tem como alvo os danos em si, tentando minimizá-los e revertê-los buscando mantê-los a baixo do limiar crítico que causam problemas.

    Estas soluções vão das mais óbvias, às mais engenhosas e, aparentemente, absurdas. As duas que me chamam mais atenção são (a) a incorporação de enzimas bacteriana ao nosso genoma (ou outra forma de incorporação deste tipo de proteína) para a destruição de compostos intracelulares que nós seres humanos, não somos capazes de metabolizar; e (b) a transferência dos 13 genes mitocondriais, para o genoma nuclear, continuando uma tendência evolutiva, utilizando-se de domínios protéicos de inteína, proteínas capaz de se ‘excisarem’ (como fazem certos introns), criando um sistema artificial de transferência protéica do núcleo para as mitocôndrias, já que estes genes não seriam mais sintetizados dentro dela e sim no citosol, portanto, sendo necessário exportá-las.

    Estas soluções contrastam drasticamente com as abordagens tradionais da medicina geriátrica, como o tratamento convencional de doenças degenerativas, relacionadas ao avanço da idade, e mesmo com as abordagens dos biólogos e biomédicos, da área de gerontologia, que buscam elucidar os mecanismos moleculares e hereditários por trás do envelhecimento, além do seus determinantes populacionais e evolutivos.

    Para de Grey a primeira abordagem não funciona por que começa muito tarde na cadeia causal. A segunda, que parece mais promissora, demanda uma nível de conhecimento que estamos longe de obter e não é realista como estratégia aplicada. A SENS ficaria no meio do caminho, agindo onde existe bastante consenso científico, metodologias e estratégias experimentalmente factíveis.

    Veja uma apresentação de de Grey e aprecia o misto de genialidade, ciência e loucura:

    Porém, um aspecto que me chama a atenção nas idéias de de Grey, é o conceito de “velocidade de escape do envelhecimento”. Como ele não advoga que precisemos conhecer a fundo os detalhes metabólicos e genéticos por trás dos danos celulares e moleculares progressivos acumulados durante o processo de envelhecimento, podemos elaborar estratégias que apenas nos dêem mais tempo. Não precisamos resolver tudo de uma só vez. Vamos remendando-nos na medida do possível, apenas o suficiente, até que novas descobertas e tecnologias permitam resolver os problemas pendentes. Assim, um ganho de 25 anos, pode ser suficiente para sobrevivermos até a nova terapia regenerativa que pode nos dar mais 25 ou 50 anos e assim por diante. Esta visão ainda que bastante especulativa, não deixa de ser bastante atraente e uma agenda científica de longo prazo, sobretudo por que muitas das tecnologias já existem aplicadas em outros contextos, parece ser no mínimo digna de atenção. Só sei que pretendo ficar de olho nos trabalhos de de Grey, nas próximas décadas.

    _________________________________________________

    • Alessandro Silva:

      Pois é semente se poderá alcançar semelhante objetivo com a fusão homem-maquina ,pra ser realista .

  • Mauricio Ricardo Geiger:

    legal

  • Zeus:

    Ontem minha filha Atenas previu que vocés virariam `ciborgues´…

  • Fabio Paganini:

    A tecnologia pode estar evoluindo muito, mas até hoje nenhum equipamento eletrônico dura mais de 80 anos.
    Usar algo fálido no corpo é viável?

    • aguiarubra:

      Deverão existir, necessáriamente, peças de reposição para “ciborgues”.

      Quanto à durabilidade, ela será multiplicada pela “simbiose” entre a nanotecnologia robótica e a engenharia genética.

    • carloshenrimatos:

      Oi Fábio, quando uma pessoa compra uma roupa e ela fica velha, compra outra…

    • Alessandro Silva:

      Questão de querer o que as empresas visam e o lucro rápido para isso e necessário que seus produtos degradem dentro de uma data estipulada .

  • ns8094001:

    em termos de saude ,acho que qualquer humano ira preferir um coraçao por terapia genetica,rim,braço perna nariz etc,inves de um corpo estranho,feito de polimeros metais etc,acho que ja actualmente se aponta mais nesse sentido,os computadores nao tem a plasticidade e capacidade de adaptaçao que o ser humano desenvolveu ao longo de muito tempo,acho que sera uma questao ultrapassada sermos ciborgues, por vontade propria,so o seremos se nao tivermos alternativas .

    • aguiarubra:

      Esse é o cenário descrito no filme “O PREÇO DO AMANHÔ.
      Assista-o! Vc terá uma grande surpresa!

  • gloria:

    Claro q ñ, a raça humana se tornará hermafrodita,no futuro ñ haverá dois sexos, p\q ?Se homens se casam c\ homens e mulheres c\ mulhres,a evolução mostra q um ser sózinho como as plantas contem o masculino e o feminino na mesma planta, ou até na mesma flor, gerando um novo fruto.E tbm alguns animais c\ os dois sexos(cavalo marinho,caramujos, lesmas,alguns vermes e insetos). Os humanos serão tbm assim, nós ñ veremos isso antes de morrermos, haverá muita confusão e preconceito, mas tudo vai se acertar,como vemos hoje o q valoriza o ser em si e ñ o sexo ao qual ele pertence,no futuro continuaremos tão seres vivos humanos nascendo de um, como éramos no pasado nascidos de dois!

    • DAplayer:

      nao creio muito nisso por que assim o nosso DNA ficaria muito sugestivel a doenças por exemplo um homen que tem uma resistencia a Aids fazer amor com uma mulher normal as chances do filho deles tbem ter a resistencia vai ser bem maior ja se nos fossemos hemafroditas se por exemplo eu nao tiver resistencia a uma doença meus filhos tbem nao terao a resistencia é mais facil agente ficar imortal trocando nossos orgãos por pesas doque termos os 2 sexos no mesmo corpo

  • John jones:

    me fez lembrar do ciborgue(herói da DC)

  • Nuno:

    Eu concordo com o Ray, mas cedo ou tarde uma máquina vai superar o ser humano em inteligencia, aliás ele mesmo fala isso! E qdo isso acontecer o cérebro servirá mais pra suporte de vida, ficando as outras atividades mais intelectuais pra a IA implantada no cérebro.
    Fora isso, o nosso corpo é o elo mais fraco da cadeia, sente frio, fome, é frágil… Por isso não me espantaria muito que muitos optem por trocar o corpo biológico por uma maquina.
    Ou seja, não seremos ciborgues e sim andróides!

    • henrique:

      O FIM ESTÁ PRÓXIMO.

      seremos todos robôs em breve muito breve.
      escutem o que estou falado.

    • R:

      Não é o fim é evolução

    • Gustavo Martins:

      Não só não seria o fim, como (num cenário muito imaginativo) poderia acontecer de que os indivíduos mais adaptados à essa tecnologia se tornassem os mais ‘atraentes’ (embora esse tipo de evolução tenha se tornado um tanto quanto… obsoleta na nossa sociedade), de modo que, um dia, talvez fossemos naturalmente mais propensos a nos integrar com máquinas.
      Naturalmente, tudo isso está no campo da Especulação apenas.

    • henrique:

      “OS COLETORES” DE ERIK GARCIA MUITO BOM O LIVRO DE FICÇÃO RECOMENDO.

    • Rodrigo:

      Por que diante de toda grande mudança, sempre tem um que grita “o fim está próximo”?

    • Chuck Norris®:

      E os sentimentos?

    • Nuno:

      Como eu costumo brincar com os amigos, começamos torcendo pela humanidade no Exterminador do futuro e vamos terminar torcendo pelo exterminador :0)

      ou…

      Torcendo pelo capitão Picard e terminaremos torcendo pelos Borgs…rs

    • Andre:

      algo semelhante aconteçeu no Filme Matrix.
      Espero k isso não aconteça enquanto eu estiver vivo.

      As maquinas irão dominar o mundo e nós seremos apenas uma fonte de Energia. O filme Matrix Previu isso

  • Maikon:

    Estão tratando as máquinas como algo que durante 25 anos seria vista como uma ameaça e ficariamos esses 25 anos sem fazer nada para conter até que elas ficassem descontroladas…

    Muito apocalíptico, tenho mais medo dos humanos mesmo.

  • Fernando dahm:

    A cibernética é parte de uma ciência Que está no nosso dia.Eu já faço parte desta implantação ,vivo com três processadores :colocados fazem 5 anos
    Um disfibrilizador com marcapasso de ultima geração, implantado os eletrodos dentro do coração,e colocado debaixo da pele e ,mais dois processadores de audição com controle por toque em cada ouvido interno para compensar a perda auditiva ,tive um implante de cartilagem no ouvido esquerdo do nervo auditivo ao osso da cabeça,substituindo os ossículos ,martelo ,bigorna e estribo ,então vejamos que a substituição é benéfica e uma questão de se adaptar.

  • eu:

    alguém aqui já leu “teoría de gaia” do autor: James Lovelock ? pelo que seus estudos indicam em 70 anos haverá falta de alimento e canibalismo, chupa essa manga.

  • Marcos Pedroso:

    Sempre fui convicto de que a ciência não pode ser detida, mas quando o assunto é inteligência artificial confesso que tenho medo e acho extremamente perigoso perdermos o controle das maquinas. Nesse caso seria nosso fim?

    • Jonathan:

      Sempre haverá uma restrição de ‘evolução’ na I.A. de uma forma que ela não seja ameaçadora para os humanos…
      Fico com mais medo de perdermos o controle de nós mesmo do que de maquinas….

  • Marco:

    eu acredito que a humanidade será extinta antes de chegar no terceiro milenio
    pois se hj há dispositivos que destroem cidades inteiras(bombas nucleares) qual deve a próxima arma dentro dos próximos 1000 anos? nossa terra já não suportaria mais nada !

    • Jardel:

      O homem vai permanecer por aqui ainda por milhares de anos msm tratando o planeta da forma que trata. a não ser que ocorra um desastre natural.

    • henrique:

      CONCORDO COM VOCÊ 1000 ANOS E DEMAIS NÃO VAMOS DURAR MAIS DO QUE ISTO, ANO 3000 JÁ NÃO TEM MAIS NEM UM SER VIVO NA TERRA
      HEHEHE.

  • Mileney:

    Para mim tecnologia só é bem vinda para o bem,
    ajudar pessoas limitadíssimas a se locomoverem, enxergar, falar,ser saudáveis,tudo ao natural ao seu limite,
    etc….gracias.

  • D. R.:

    Se parar para pensar no futuro que nos aguarda, é de dar ‘arrepios na espinha’!

    O problema é que a ciência é uma ‘faca de dois gumes’; ela pode servir tanto para o bem como para o mal. Por isso, acho que ela deveria ser, até certo ponto, regulamentada por leis baseadas na religião ou, pelo menos, na ética e na moral.

    Hoje, a ciência está tão avançada que em breve a humanidade vai ter que escolher qual caminho a seguir na encruzilha histórica da eugenia humana e dos seres transgênicos; se vamos ou não alterar artificialmente o genoma humano rumo ao neo-humano ou pós-humano.

    O problema é que a coisa já está saindo de controle; pois, já existem algumas clínicas privadas oferecendo, por exemplo, a seleção de embriões (à custa de vários mortos) para escolha do sexo do bebê ou de bebês sem doenças genéticas e prometem que num futuro próximo se poderá escolher a cor dos olhos, a beleza, a inteligência, etc. Ou seja, é a volta do movimento da eugenia nazista de forma legalizada e incontrolável; e, infelizmente, não existe nenhum órgão internacional regulamentando isso!

    O problema é que isso levará a uma polarização genética (que, de certa forma, já ocorre) entre ricos e pobres que não terão acesso fácil a tais tecnologias; e quem não aderir a elas ficará para trás, obrigando praticamente a uma adesão em massa! Assisti a um documentário outro dia debatendo justamente sobre esse polêmico assunto.

    Embora, na minha opinião, isso já é um caminho sem volta; já que a sociedade se afastou de Deus e crê que tudo o que é possível na ciência, é de certa forma ético!

    Não sei se alguém aqui já ouviu falar do Movimento Pós-Humano (quem não sabe, procure na Internet), um movimento que está surgindo em alguns meios acadêmicos que apregoa que o ser humano já está ultrapassado e não devemos impedir o próximo salto evolucionário da nova humanidade: super-homens manipulados geneticamente e o advento de robôs com inteligência artificial superior à humana.

    Esse é o futuro que, provavelmente, nos espera se a ciência abandonar de vez a ética, a religião e a moral! Se a coisa continuar ‘sem freio’ do jeito que anda, com a ciência e a política ignorando os apelos da Igreja, da moral e da ética, não tenham dúvida, daqui uns 50 a 100 anos, você não vai ficar chocado se seu filho quer fazer uma tatuagem, está usando drogas ou é gay; mas se ele vai querer ter uma carapaça de escorpião, uma pele de cobra, um chifre de búfalo na testa ou qualquer outro ‘acessório genético’ da última moda!

    • Johny:

      Qual é o nome do documentário? Agora fiquei curioso. E concordo com o seu comentário, por este andar nao sei onde isto vai parar. O darwin se visse isto nao ia ficar nada agradado, afinal, la se vai a selecçao natural…

    • D. R.:

      O nome do documentário é:

      DNA: A promessa e o preço.

      da Discovery Channel.

      Tem no YouTube e está dividido em dois episódios com seis capítulos cada.

  • Kelvin Paul:

    A teoria da Singularidade Tecnológica, aperfeiçoada pelo Kurzweil, é bem simples, o único problema são os resultados a que ela leva: bastante “bizarros”.

    Enquanto levamos milhares de anos para desenvolver novos meios de transmissão de informação, e desenvolvimento dela, as máquinas [eletrônicas] fizeram isso em menos de um século. No gráfico logarítmico da Singularidade, conseguimos simular hoje um cérebro de rato [em poder de processamento – fora do gráfico, na realidade, já simularam meio cérebro de um gato!!], em 2020~2025 conseguiremos um cérebro humano inteiro.

    As coisas ficarão muito interessantes quando essa máquina com igual nível de processamento fizer uma melhor que ela. Se demoramos gerações para cada criança ser mais inteligente que a outra, uma máquina faz isso em curtíssimo tempo!
    Então imagine esse supercomputador, que pensa tão rápido e semanticamente quanto uma pessoa, criando geração após geração uma máquina melhor, mais potente e esperta que a anterior. Se você olhar para a curva logarítmica do Gráfico da Singularidade Tecnológica, verá que por volta de 2050 um único computador/máquina terá a capacidade de processamento de todos os seres humanos da Terra!!!

    É nesse período que acontece a Singularidade Tecnológica, além dela não há como sabermos “o que virá depois”. É como a singularidade de um buraco-negro, está além da física que podemos explicar, ou no caso, além do desenvolvimento tecnológico que podemos imaginar.

    O livro do Kurzweil é muito bom, ainda que o que ele afirme seja difícil de acreditar, é uma leitura com um horizonte de reflexões.

    • Alex:

      vou procurar este livro, fikei interessado..

  • Jonatas:

    Sim, isso sem falar na já comum adoção de membros cibernéticos para pessoas que perderam os originais. Já existem pessoas em parte ciborgues, se pensar bem. A evolução humana deixará de ser natural para ser artificial.

    • Alex:

      com certeza, e logo os exoesqueletos estaram aperfeiçoados, sem falar nos capacetes com leitor de ondas cerebrais que podem ate guiar um skate, como já foi criado, entre outras coisas que estão sendo criadas esse ano…

  • aguiarubra:

    Respeito muito Ray Kurzwell e acredito no que ele escreve. Mas, como todo cientista, é muito ingênuo a respeito do que significa a tecnologia entre humanos.

    Esqueceu-se do processo da globalização!!!

    Destaco frases:
    —> “…Ele também acredita que a tecnologia do computador está democratizando a sociedade, e dando poder a qualquer criativo e conectado…”

    Comentário: pobre Kurwell! PARECE que ele ignora ou desconhece os cenários da ficção científica como:
    —> Admirável Mundo Novo
    —> Retorno ao Admirável Mundo Novo
    —> Gattaca – a experiência genética
    —> A Ilha
    —> Eu, Robô
    —> Exterminador do Futuro I, II, III, IV e Crônicas de Sarah Connors
    —> AI – Inteligência Artificial
    —> Matrix I, II, III
    —> 1984

    Estes são cenários possíveis dentro da lógica político-econômica neo-liberal, eivada de neo-darwinismo social. Enquanto houver mentalidade “capetalista” no mundo, impossível haver justiça social e distribuição de renda.

    Cenários como a da série “Jornada nas Estrelas” só serão possíveis numa época em que o neo-liberalismo for superado por uma forma de produção mais inteligente e auto-sustentável na nossa Humanidade.

    —> “…“Você pode começar uma revolução mundial com o poder de suas ideias, e as ferramentas que todos têm…”
    Comentário: rsrsrsrsrsrs…Kurzwell deve estar se referindo à “Primavera Árabe”!!! Será que ele tem consciência do que é isso? Do que REALMENTE é isso? Duvido muito.

    —> “…Uma criança na África tem acesso a mais informação do que o presidente dos Estados Unidos tinha há 15 anos…”

    Comentário: interessante essa ideia. Se tal criança tem acesso a tanta informação, no mínimo é pq. escapou de um dos milhões de massacres diários que ocorrem por lá. Ou não é uma criança entre os famintos esquálidos da Eritréia ou da Somália. Ou não trabalha, escravizada, numa mina de diamantes clandestina em Serra Leoa.

    Isso é “no mínimo”! Ela também é uma “privilegiada” economicamente, pois tem um computador. Se não tem um computador, pode ter acesso a ele numa escola, considerando a dificuldade que as crianças africanas tem para aprender a ler e a escrever no meio de tiroteios de milicianos!

    Pra falar a verdade, será que Kurzwell tá se referinda a alguma criança numa cidade americana que ele conhece como “África”? Os americanos são famosos por não conhecerem quase nada de geografia geral (ou mesmo da geografia do seus próprio país!).

    Uma dúvida me surgiu de repente: será que Kurwell sabe que vive no planeta Terra?

    Fora essa pequenas coisas, adorei o livro dele “A Era das Máquinas Espirituais”…

    • Andy:

      Acho que ele quis deixar implícito que uma criança na África que tenha acesso a internet tem potencialmente mais acesso a informação que o presidente a 15 anos.

      Mas boa parte delas de fato não o tem. E concordo que Ray Kurzweil é demasiado otimista.

    • aguiarubra:

      E com certeza, tal criança africana não se chama MARC ZUCKERBERG!!!

      Ou BILL GATES…ou STEVE JOBS…ou HENRY FORD…ou THOMAS ALVA EDISON…ou SANTOS DUMONT…

      …que nunca foram tão bem informadas (Gates é doutor em…Direito…rsrsrsrs…Ford era um “ginasiano” e Edison “fugiu” do ginásio…rsrsrsrs…Não se pode dizer que Jobs e Santos Dumont eram cientistas, né?).

    • Garrete Reis:

      Cuidado, vc critica os norte americanos por nao conhecer o mundo (eu tbm!), mas trata a África como s fosse uma coisa só! Lá tbm existe tecnologia, ilhas de desenvolvimento e pessoas ricas. Não s prenda a esse esteótipo, ainda que boa parte dela corresponda.

    • Bruno L. Rocha:

      Amigão. É o “capetalismo” que move a industria tecnológica no mundo. O que você propõem então, um Comunismo global? Onde está a URSS hoje? Cuba, Coreia do Norte, Rússia, e outras republiquetas comunistas? Aprenda a separar política de economia. A China é mais capitalista que os EUA e todo o mundo desce o cacete nos EUA, os EUA são culpados de todas as catástrofes do universo, ate a fome da África. Isso é demência em estado clinico. Ninguém pensa na China comunista. É mais fácil esses acontecimentos da ficção científica ocorrerem lá, do no Ocidente. Ate os chineses já estão substituindo a força de trabalho por força robótica em suas linhas de montagem, totalmente sem regulamento ou norma trabalhista, que só existem nos Ocidente, e que é mais perfeita nos EUA e alguns países europeus.
      No Ocidente, pelas suas próprias tendencias de equilíbrio de mercado e concorrência, seria bem difícil de ocorrer esse senário. Lembre-se que as ogivas nucleares dos mísseis em silos subterrâneos, só podem ser ativadas manualmente, pela segurança de um general às ordem de um presidente.
      Vá falar em leis trabalhistas na Rússia ou Índia. Esses são mais propensos ao cenário, mesmo tendo tecnologia inferior.
      Olhe também o lado social de direito humanos, direitos civis, entre outros, pois uma guerra cibernética contra humanos, nascerá se houver um enorme desequilíbrio e/ou uma mudança radical no sentido de “o que é ser humano”.

    • aguiarubra:

      A indústria tecnológica no mundo é isso aqui:

      —> BBC Brasil Notícias: “1% da população adulta detém 40% da riqueza mundial, indica estudo”

      Tem coisa errada, não acha? Ela move riqueza para cada vez menor número de pessoas!

      E em 2008, até mesmo a faixa norte do planeta, onde se concentram as populações mais ricas do planeta (EUA, UE e Japão) estão sendo minadas por suas próprias economias POLÍTICAS, não é mesmo?

      P.: “…O que você propõem então, um Comunismo global?…”

      COMENTÁRIO: Isso é coisa do passado, meu chapa. Nunca houve comunismo em lugar nenhum, pois o comunismo em Marx seria nos ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA, e não em paises agrários como a China ou a Rússia (ou Coréia, ou Índia, ou África…). Vc comeu gato por lebre, meu chapa.

      É isso o que dá separar Política de Economia (ou IGNORAR a ECONOMIA POLÍTICA), enfiando a cara na areia, quando uma grande tempestade se aproxima.

      Marx não adivinhou a CRISE ESTRUTURAL no Capitalismo: ele “desenhou” tais crises em suas obras, que fazem o melhor raio-x possível da economia política liberal “capetalista”.

      O próprio povo americano é um retrato da distribuição de renda no mundo. Leia no Folha.com o artigo:

      “Distribuição de renda nos EUA favorece ricos, diz conselheiro de Obama”

      Depois, combine isso com o artigo no UOL NOTÍCIAS: “Distribuição de renda faz EUA passarem por momento de “brasilianização”

      Preste atenção no trecho: “…Há 25 anos, a faixa do 1% mais rico da população detinha 12% da renda americana e controlava 33% da riqueza do país. Agora, este 1% do topo da pirâmide social tem perto de 25% da renda e 40% da riqueza nacional. Para Stiglitz, o perfil da distribuição da renda dos Estados Unidos coloca o país perto dos níveis de desigualdade social que existem na Rússia e no Irã…”.

      Falar, hoje, em Comunismo x Capitalismo é desconhecer ingenuamente os fatos da realidade que verdadeiramente MOVEM A INDÚSTRIA TECNOLÓGICA NO MUNDO.

      Quanto aos direitos humanos nas democracias, se vc tiver muita grana, pode sobreviver como no filme PSICOPATA AMERICANO (I e II), que é uma paródia do que o povo americano pensa de Wall Street. Aliás, assista esses filmes junto com WALL STREET (I e II)!!!

      Para você se atualizar, recomendo-lhe:

      —> MUNDO EM DESORDEM VOL. 1 : LIBERDADE VERSUS IGUALDADE (1914-1945), de Demetrio Magnoli, ed. Record, 2011.

      Eu ainda não li este livro, pois tô começando a ler Eric J. Hobsbawm (A Era das Revoluções, A Era do Capital, A Era dos Impérios, que cobre o período entre 1789 e 1914).

    • Jonatas:

      Ótima postagem. E qual dos filmes citados você considera a melhor ficção futurista?

      Eu fico com GATTACA.

    • Elton:

      Já assisti este filme, é um bom filme sim!

    • Andy:

      Eu fico com Admirável Mundo Novo – O livro

    • aguiarubra:

      Jonatas

      Também fico com GATTACA, camarada! É um ADMIRÁVEL MUNDO NOVO modernizado.

      Um dia desses, Craig Venter acerta com a engenharia genética, embora eu tema que ele esteja ficando obsoleto frente ao avanço da engenharia das nanomáquinas.

      Ambas essas tecnologias poderão fazer de ‘GATTACA’ uma realidade mais sofisticada que a do filme!!!

      Espero que a população da Terra saiba reverter toda essa tecnologia contra as transnacionais da globalização neo-liberal, antes que eles dispensem os humanos da linha de produção.

      Dificilmente as transnacionais estarão interessadas nas ideias de Domenico de Masi e seu “Ócio Criativo”…rsrsrsrs…

      Também acredito num cenário alternativo, tipo o filme “Jonny Mnemonic”, onde hackers formarão uma frente de batalha virtual a favor do “resto” da humanidade jogada no lixo da história sócio-econômica.

      E para sair da ficção, assista o filme-documentário “TRABALHO INTERNO”: mesmo os ideólogos do neo-liberalismo estão espantados com o que aconteceu em 2008, que foi contra tudo o que eles planejaram em seus gabinetes e castelos de marfim.

      Parece que eles também foram ludibriados pelo poder de 1/2 dúzia de transnacionais.

      É de estarrecer!!!

    • henrique:

      ta faltando “os coletores” leia e muitooooo bom.
      ”Os coletores” Erik Garcia

    • aguiarubra:

      Valeu! Eu não conhecia esse livro (ou o filme adaptado dele). Tenha a certeza de vou lê-lo (e assistí-lo!!!).

      Muito te agradeço pela dica.

Deixe seu comentário!