Soccket: a bola de futebol que está gerando energia no mundo

Por , em 30.05.2013

“Imagine um mundo onde, quando o sol se põe, esse é o fim do seu dia também. Você não pode mais ver nada”, diz Jessica Matthews, 25 anos, cofundadora de Uncharted Play. “Essa é a realidade para 1,3 bilhão de pessoas, quase um quinto do mundo, e uma realidade que nos propusemos a resolver”.

Jessica é uma das inventoras de Soccket, uma bola de futebol que aproveita a energia cinética de cada pontapé para alimentar uma lâmpada por três horas a partir de apenas 30 minutos de jogo.

A ideia incrível nasceu em 2008, quando ela e Julia Silverman, calouras na Universidade de Harvard (EUA), foram colocadas juntas em uma aula de engenharia para não engenheiros. O professor desafiou a dupla a criar algo que combinasse arte e ciência para resolver um problema global.

A solução que elas criaram era muito interessante, mas colocar tecnologia em uma bola sem ar e fazer com que ela se movesse como uma bola de futebol normal não parecia fácil. Na verdade, os engenheiros que elas procuraram tanto em Harvard quanto no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (EUA) lhe disseram que isso era impossível.

A dificuldade não desmotivou as garotas, no entanto – muito pelo contrário. Elas se dedicaram a tornar sua invenção uma realidade.
Primeiro, elas colocaram uma lanterna “chacoalhe para recarregar” (a bateria é recarregável por meio de vibração) em uma bola de hamster e a chacoalharam, de forma que luz foi gerada. Utilizando este conceito, mas em uma bola de futebol, elas levaram seu protótipo a outros países para testá-lo junto a “profissionais”: crianças de 10 anos de idade que jogam futebol em campos, playgrounds e lajes de concreto na Nigéria, África do Sul e Brasil, lugares onde o esporte é onipresente, mas a eletricidade não é.

Hoje, a bola Soccket é distribuída em seis países por meio de organizações não governamentais locais, que estão garantindo que comunidades possam se beneficiar da invenção.

O vídeo abaixo mostra a pequena aldeia de Yohualichan em Puebla, no México, onde as crianças contam a nova bola brilhante para brincar e gerar energia, a fim de que os adultos possam continuar a costurar depois do pôr do sol, ajudando-os a manter a sua principal fonte de renda. [Yahoo, TecMundo]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

7 comentários

  • joexis:

    É a velha história, muitas opiniões de como poderia ser melhor, mas só opiniões, ninguém faz nada de palpável, só opiniões. Mas….enquanto isto….. a molecada chuta a bola e….faz-se a luz. Enfim, enquanto não aparece o dinheiro e ninguém mais corajoso e perseverante começa algo possível, a bola vai iluminando. A maior caminhada sempre começa com o primeiro pequeno passo, a escuridão por maior que seja, começou a ser iluminada com a pequena bola, com certeza mais bolas virão, enquanto ficamos discutindo como poderia ser melhor.Faça-se a Luz!!!!

  • Josmar Arruda:

    Vinte e duas crianças passam o dia chutando uma bola, mas só uma terá luz em casa à noite. #idéiagenial

  • David Quirino:

    Fala sério, né? Não é muito mais simples instalar-se cataventos que giram dínamos que produzem muito mais energia que a que é proposta e que não precisam ser carregados… digo: levados; transportados… de lá para cá, e vice-versa? Pô! O que o professor Pardal diria disso, hein?

    • Cesar Grossmann:

      E muito mais caro.

      Mais simples ainda é comprar uma usina nuclear portátil.

      https://hypescience.com/reator-nuclear-domestico-ja-esta-em-producao/

    • Genioso Irreligioso:

      Eu não diria que seria mais simples; mas que seria CORRETO resolver o problema de energia em lugares que carecem. O que não desmerece a idéia dessas bolas; já que geralmente nos lugares aonde há carência de energia elétrica(3º mundo) o futebol é o esporte mais popular; sendo praticado por todos em todo lugar; e; antes uma bola alimentando um bico de luz do que nada! =]

  • Warlen Antonio:

    muito interessante e inovadora essa ideia!!!!

  • Tibulace:

    Olha,isso é invenção, de quem quer APARECER e não, verdadeiramente, resolver um problema de fonte de luz, para quem não possui eletricidade:O Mercado Livre, por exemplo, está ENTUPIDO de lanternas/dínamo, BARATAS, bem mais baratas que uma bola dessas.A lanterna, produz energia elétrica, ao ser GIRADA uma manivela, que aciona um gerador elétrico, por meio de engrenagens, que AUMENTAM a rotação do gerador elétrico embutido.A energia elétrica fabricada, CARREGA um bateria, que aciona os LEDS, produzindo luz.Bastava fabricar uma versão ROBUSTA dessas lanterninhas, trocar a BATERIA delas, por uma de tecnologia ANTIGA, acumulador de níquel/ferro de Edson, que tem uma vida útil superior a 20 anos.Não creio, MESMO que essa bola, seja uma fonte de energia DURÁVEL.O artigo não fala, mas APOSTO que a bateria recarregável que ela possui, não tem vida longa.Também não fala a favor de um eletrodoméstico robusto, algo que a garotada passa o dia inteiro CHUTANDO.

Deixe seu comentário!