Descoberta a função do suspiro: ele é um reflexo vital para nossas vidas

Por , em 11.02.2016

De acordo com um novo estudo da Universidade Stanford e da Universidade da Califórnia em Los Angeles (EUA), o suspiro é um reflexo crucial que mantém os nossos pulmões saudáveis.

Os cientistas recentemente descobriram onde no nosso cérebro esse reflexo é controlado.

A equipe identificou dois grupos minúsculos de neurônios no tronco cerebral que transformam automaticamente respirações normais em suspiros quando nossos pulmões precisam de uma ajudinha – e eles fazem isso a cada cerca de 5 minutos (ou 12 vezes por hora).

Função vital

Mark Krasnow, da Escola de Medicina de Stanford, um dos pesquisadores do estudo, disse que sua equipe identificou pela primeira vez o “botão do suspiro”, e o mecanismo é acionado de forma surpreendentemente simples, ignorando o nosso cérebro consciente completamente – em biologia, isso sugere que é um dos reflexos mais importantes que temos, assim como nosso sistema de “fuga ou luta”.

“O suspiro parece ser regulado pelo menor número de neurônios que vimos ligado a um comportamento humano fundamental”, disse outro pesquisador, Jack Feldman, da Universidade da Califórnia.

E por que é tão importante? Sem ele, os pequenos “balões” de nossos pulmões, conhecidos como alvéolos, podem colapsar e não conseguir se inflar novamente.

“Um suspiro é uma respiração profunda, mas não voluntária. Ela começa como uma respiração normal, mas antes de expirar, você toma um segundo fôlego em cima do primeiro”, explicou Feldman. “Quando alvéolos colapsam, isso compromete a capacidade do pulmão de trocar oxigênio e dióxido de carbono. A única forma de inflá-los novamente é suspirar, que traz duas vezes o volume de uma respiração normal”.

Como os cientistas descobriram isso?

A hipótese surgiu quando os cientistas notaram que os primeiros pacientes morriam nos dispositivos mais antigos de “pulmão de ferro”, que não levavam em conta respirações profundas – uma falha que já foi corrigida. Se as pessoas não suspiram, os alvéolos lentamente entram em colapso, causando insuficiência pulmonar.

Para provar isso, a equipe estudou ratos de laboratório, que suspiram até 40 vezes por hora. Eles examinaram mais de 19.000 padrões de expressão genética nas células cerebrais dos animais e, eventualmente, chegaram a 200 neurônios que fabricam e liberam um dos dois neuropeptídeos conhecidos por influenciar a respiração em seres humanos.

Os cientistas descobriram que os peptídeos estimulam um segundo conjunto de 200 neurônios, que, em seguida, ativam músculos respiratórios para produzir um suspiro.

Quando a equipe aumentou a quantidade de peptídeo a ser produzida, os ratos começaram a suspirar 400 vezes por hora, em vez de 40. Alternativamente, os pesquisadores foram capazes de “desligar” os suspiros nos ratos completamente quando bloquearam os peptídeos.

Suspiro de amor

Mais pesquisas são necessárias para confirmar se este mesmo mecanismo existe nos seres humanos, mas as semelhanças entre a biologia de ratos e humanos sugerem que sim.

Os pesquisadores ainda não compreenderam tudo o que podem sobre o suspiro, no entanto. Por exemplo, eles não sabem se o suspiro emocional funciona da mesma maneira.

“Há certamente um componente dos suspiros que se relaciona com um estado emocional. Quando você está estressado, por exemplo, suspira mais”, disse Feldman. “Pode ser que os neurônios em áreas do cérebro que processam emoções provocam a liberação dos neuropeptídeos do suspiro, mas não sabemos isso ainda”. [ScienceAlert]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (4 votos, média: 4,75 de 5)

Deixe seu comentário!