Tartaruga gigante de Galápagos – “extinta” há 100 anos – é reencontrada

Por , em 22.02.2019

As Ilhas Galápagos, localizadas no Oceano Pacífico, ficaram famosas por serem o local onde Charles Darwin iniciou seus estudos sobre a evolução em meados do século 19. Quando Darwin visitou as Ilhas, em 1835, o arquipélago vulcânico abrigava 15 espécies diferentes de tartarugas gigantes. Quase 200 anos depois, mais de 100.000 dessas criaturas foram mortas por diversos fatores (que incluem a ação humana), e hoje existem apenas cerca de 10 espécies, muitas delas criticamente ameaçadas de extinção.

Uma destas, a tartaruga gigante de Fernandina (Chelonoidis phantasticus), listada como possivelmente extinta pelos grupos de conservação, acaba de reaparecer. Ela estava desaparecida há mais de um século – a última vez que um exemplar da espécie havia sido visto foi em uma viagem em 1906. Desde então, nenhum outro animal destes foi encontrado na ilha de Fernandina – havia até mesmo quem questionasse sua existência.

No Twitter, a Galapagos Conservancy anunciou a descoberta e compartilhou algumas imagens da tartaruga:

A tartaruga gigante de Fernandina (uma das ilhas que formam o arquipélago) foi encontrada em uma expedição conjunta entre o Parque Nacional de Galápagos e a Galápagos Conservancy. Pela primeira vez em mais de 110 anos, a equipe avistou uma fêmea adulta tartaruga gigante Fernandina em uma parte remota da ilha.

Os pesquisadores acreditam que o espécime tem mais de 100 anos de idade, o que significa que ela estava escondida dos olhos humanos durante muito tempo. Os cientistas também notaram trilhas e excrementos no local onde ela foi encontrada, o que os faz pensar que há mais dessas tartarugas na ilha. As possibilidades de reprodução deixaram os conservacionistas empolgados. “Eles precisarão de mais de uma, mas as fêmeas podem armazenar esperma por muito tempo. Pode haver esperança”, acredita Stuart Pimm, ecologista da Universidade de Duke, nos EUA, em declaração à agência de notícias Associated Press.

Este estudo descobriu a incrível velocidade em que novas espécies podem surgir

“Isso nos encoraja a fortalecer nossos planos de busca para encontrar outras tartarugas, o que nos permitirá iniciar um programa de criação em cativeiro para recuperar esta espécie”, diz em matéria da CNN Danny Rueda, diretor do Parque Nacional de Galápagos.

O arquipélago de Galápagos inclui 19 ilhas no Oceano Pacífico a aproximadamente 1.000 km da costa equatoriana. Fernandina, a terceira maior e mais jovem das ilhas, continua sendo a mais vulcanicamente ativa – lá está localizado o vulcão La Cumbre, um dos mais ativos do mundo, e isso é um problema para a tartaruga gigante da ilha. Ao contrário de muitas outras espécies de tartaruga gigante, vítimas de caça, a maior ameaça para a tartaruga gigante Fernandina não é de origem humana. Na verdade é o habitat extremo em que ela vive. Esta espécie está listada como criticamente ameaçada porque os especialistas acham que essas criaturas podem ter sucumbido aos frequentes fluxos de lava vulcânica que quase cobrem a sua ilha.

Diego, a tartaruga que ficou famosa por salvar sua espécie da extinção

Para proteger estas criaturas de mais danos, os pesquisadores levaram a tartaruga para um centro de reprodução de tartarugas gigantes na ilha vizinha de Santa Cruz. Washington Tapia, diretor da Iniciativa para a Restauração das Tartarugas Gigantes (GTRI) e líder da expedição, disse à CNN que estudos genéticos serão realizados para “reconfirmar” que a tartaruga encontrada pertence às espécies da ilha Fernandina. [CNN, The Guardian, Science Alert]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (20 votos, média: 4,50 de 5)

Deixe seu comentário!