Um milhão de bebês poderiam ser salvos com um simples teste

Por , em 4.03.2012

A sífilis é uma doença sexualmente transmissível (DST) de fácil transmissão. Se uma mulher portadora de sífilis está grávida e não se submete a nenhum tratamento, a doença pode levar a um aborto, parto prematuro com baixo peso ou a morte do bebê após o nascimento. Esta é a razão da morte de 400 mil crianças por ano apenas na África.

Mas esse índice poderia ser significativamente reduzido ao custo de 1 libra esterlina (o equivalente atual a R$ 2,73): um simples teste de diagnóstico da doença.

A Parceria Global de Sífilis Congênita é uma das entidades que apoia o acesso a este teste para as regiões mais pobres e remotas do planeta. Além de barato, o teste é fácil de se aplicar, e sua execução leva menos de 15 minutos. Uma vez diagnosticada, a sífilis pode ser combatida com uma simples e também barata injeção de penicilina.

Uma mulher gestante tem enormes chances de salvar o bebê e garantir sua saúde se for curada da doença até a 28ª semana de gestação, aproximadamente até o final do sétimo mês. A sífilis pode ser transmitida tanto por relações sexuais quanto pela própria genética, de forma que o bebê pode já nascer com sífilis.

A doença atinge, segundo estimativas da Organização Mundial de Saúde, entre 3% e 15% das gestantes do mundo. A cada ano, um milhão de mulheres no planeta (metade do total de infectadas) passam sífilis a seus bebês.

No ano de 2000, metas foram traçadas para 2015 no que diz respeito à melhora de vários índices sociais e humanos, incluindo o combate à sífilis. Os especialistas apontam para a necessidade de acelerar o processo de diagnósticos e tratamento em países remotos para que os números previstos possam se concretizar até lá. [Reuters, Foto]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

7 comentários

  • Juliana Nhanharelli:

    Já tem criança de mais por lá, as doenças são formas que a natureza encontra pra controle populacional, nós que burlamos as regras com a medicina, não vejo motivo de salvar 1 milhão de crianças pra estas ficarem passando fome e necessidade.

  • Vinícius D.:

    “A sífilis pode ser transmitida tanto por relações sexuais quanto pela própria genética, de forma que o bebê pode já nascer com sífilis.”
    Na verdade o correto é “tanto por relações sexuais quanto de maneira congênita”, a bactéria não agrega-se ao material genético, logo não é uma doença genética.

  • Paulo Eduardo:

    Esse teste deveria ser gratuito na Africa!! Uma africana grávida com R$ 2,73 vai preferir comprar comida ao invés de fazer o teste de diagnóstico da doença!!

    • Jonatas:

      Com toda a certeza.

    • Nahum:

      Pura verdade. Creio que isso demandaria algum tipo de mobilização nossa não é? Ou então esperar até que algum país ou organização tome a iniciativa, o que não me parece muito provável…

    • Fernanda:

      Concordo.
      As mulheres africanas vivem em condições sub-humanas, esse tipo de exame sendo pago , só pode ser feito por aquelas que vivem nas regiões mais ricas do continente.

    • Luis Katsuragi:

      mas são 3 reais… será q com 3 reais elas n se interessam em salvar os seus filhos?

Deixe seu comentário!