“Vamos encontrar vida no espaço neste século”, afirma pesquisador

Por , em 20.03.2014

“Nós vamos encontrar vida no espaço neste século”, disse o Dr. Seth Shostak, astrônomo sênior do Instituto de Pesquisa de Inteligência Extraterrestre (SETI, na sigla em inglês), durante a Convenção de Inovação da Comissão Europeia. “Há 150 bilhões de galáxias além da nossa, cada uma com algumas dezenas de bilhões de planetas como a Terra. Se este é o único lugar no universo onde algo de interessante está acontecendo, então é um milagre”.

Dada a quantidade de informações que a astronomia descobriu somente nos últimos anos, realmente, a maioria dos cientistas acredita enfaticamente que é apenas uma questão de tempo antes de encontrarmos outras formas de vida no universo.

Mas exatamente como vamos encontrar nossos vizinhos intergalácticos, e se eles serão apenas algumas células ou ETs verdes de Varginha, é outra história.

Como vamos descobrir vida no espaço?

O Dr. Shostak vê essa descoberta como uma “corrida de três cavalos”. Ou seja, três linhas de pesquisa correm contra o tempo para tentar cruzar a linha da chegada com a primeira evidência de vida extraterreste – com um vencedor aparecendo provavelmente ao longo dos próximos 25 anos.

Um dos cavalos seria a descoberta de vida microbiana nas proximidades, em Marte ou em uma das luas de Júpiter. Muitas agências espaciais, como a NASA, estão bastante empenhadas nesta tarefa.

Outra aposta seria encontrar provas de gases produzidos por processos vivos (por exemplo, a fotossíntese) nas atmosferas de planetas em torno de outras estrelas. A Dra. Suzanne Aigrain, professora de astrofísica na Universidade de Oxford (Reino Unido), que estuda planetas extra-solares ou exoplanetas (planetas em torno de outras estrelas que não o sol), representa esse segundo cavalo.

A Dra. Aigrain têm trabalhado com radiação eletromagnética como sua principal ferramenta para procurar por planetas em torno de outros sistemas estelares. Planetas habitáveis são definidos como aqueles que são mais ou menos do tamanho da Terra, com uma temperatura de superfície apropriada para a água líquida existir.

Os “biomarcadores” da vida que a Dra. Aigrain e seus colegas procuram são gases nas atmosferas dos exoplanetas que eles acham que se encaixam nessa descrição. Se encontrarem algum desses marcadores, isso pode significar que estão sendo produzidos por uma fonte biológica, ou seja, algo vivo.

Por fim, o Dr. Shostak e sua equipe no SETI representam o terceiro cavalo, que tenta pegar sinais de vida inteligente através de enormes antenas. A ideia é procurar por alguma assinatura da tecnologia de uma outra civilização.

Se sua equipe descobrir transmissões de rádio a partir do espaço, o Dr. Shostak crê que elas virão de uma cultura muito mais avançada que a nossa. Por quê? É simples – povos menos desenvolvidos não podem construir transmissores de rádio capazes de entrar em contato conosco.

E quando encontrarmos?

Se encontrarmos vida em outros planetas ou interceptarmos um sinal de rádio, quais serão as consequências disso?

É verdade, podemos ser dominados ou dizimados como espécie humana. Mesmo a descoberta de um micróbio extraterrestre vai nos dizer muito sobre biologia, mas também trará enormes consequências filosóficas. Seja como for, tal descobrimento vai mudar, literalmente, tudo o que conhecemos. [Phys]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

10 comentários

  • neutrino:

    “Há 150 bilhões de galáxias além da nossa, cada uma com algumas dezenas de bilhões de planetas como a Terra. Se este é o único lugar no universo onde algo de interessante está acontecendo, então é um milagre”.

    Isso sugere uma quantidade infinita…

  • Jean Bispo Jji:

    Ficção Científica!

  • Bruno Santos:

    qal a diferença de encontrar ou nao …. “se ao céu subir … de la os farei descer” …. essa frase sim faz muita diferença …

  • Andre Luis:

    Esta possibilidade de encontrar vida fora da Terra alimenta ainda mais a minha paixão por este ramo da ciência tão fascinante! Melhor ainda é saber que tudo isto pode ser real, mas sinceramente não sei se haverá investimento na área por este período de tempo, devido a possíveis crises mundiais que podem ocorrer com o uso desemfreado dos recursos deste planeta.

  • Moacir RF:

    O planeta deve estar em uma zona habitável, deveria também possuir um planeta gigante próximo que atraia os meteoritos para que eles não caiam no planeta habitado, pois se não a vida poderia ser extinta inúmeras vezes.

    Deve estar também em uma zona da galáxia onde existisse formação abundante de elementos químicos.

    Acho muito difícil encontrar vida como a nossa.

  • Cesar Grossmann:

    Não tenho medo (e, para dizer a verdade, nem muito interesse) de vida microbiana. O que me interessa, MESMO, é vida inteligente. Para o melhor ou para o pior.

    • Rafael Andrette:

      A descoberta de vida microbiana, formada independente dos processos bióticos na Terra, permitiria notáveis contribuições sobre o próprio conceito de vida, mas não teria o impacto de civilizações extraterrestres inteligentes. Por outro lado, muito tempo e esforço seria necessário para traduzir uma mensagem básica, possivelmente desinteressante, ainda seriamos invisíveis para essas civilizações por muitas décadas após confirmada sua existência.

    • Cesar Grossmann:

      Talvez a gente seja encontrado. Talvez a gente já tenha sido encontrado.

    • Fernanda A C Feitosa:

      também acho cara, vida microscópica eu tenho certeza que existe aqui mesmo no nosso sistema solar. Mas para esse encontro com outras vidas inteligentes acontecer, essas vidas inteligentes teriam que ser mais avançadas que nós, para eles nos acharem, porque se depender da cultura do homem para encontrar em outras constelações ou galáxias, vai demorar séculos…

    • Thiago Corrêa:

      Concordo com vc Cesar, tenho mais interesse em encontrar vida inteligente, talvez sejam tão avançados que a comunicação deles seja através de algo como o chamado “emaranhamento quantico” e utilizem criptografia quantica, etc. Talvez achem que comunicação por rádio seja uma coisa ultrapassada hehe… Seria muito legal encontrarmos civilizações altamente desenvolvidas por ai!!

Deixe seu comentário!