Visão é restaurada com células-tronco em ratos

Por , em 8.01.2013

Um estudo da Universidade de Oxford (Reino Unido) usou o transplante de células estaminais em desenvolvimento nos olhos de ratos cegos, ajudando-os a formar novamente uma camada sensível à luz na retina e, portanto, enxergar de novo.

Os pesquisadores dizem que a abordagem tem relevância para o tratamento de pacientes com retinite pigmentosa, uma doença em que as células sensíveis à luz na retina morrem gradualmente, levando à cegueira progressiva.

O estudo

A equipe foi liderada pelo professor Robert MacLaren da Universidade de Oxford, juntamente com o Dr. Singh Mandeep, cirurgião oftalmologista da Universidade Hospital Nacional de Cingapura, atualmente fazendo doutorado em Oxford.

Os pesquisadores trabalharam com ratos cegos devido à completa perda das células fotorreceptoras sensíveis à luz em suas retinas. Este é o modelo mais relevante para o estudo do tratamento de pacientes humanos cegos por conta da retinite pigmentosa.

Os cientistas transplantaram células estaminais “precursoras” nos olhos dos ratos, que estão em um “caminho inicial” para se desenvolver em células da retina. Após duas semanas, as células transplantadas reformaram uma camada de detecção de luz sobre a retina, fazendo com que os ratos pudessem enxergar.

Um teste de constrição da pupila mostrou que, dos 12 ratos que receberam o transplante de células, 10 apresentaram melhora da constrição da pupila em resposta à luz. Isto mostra que as retinas dos ratos estavam novamente sensíveis à luz, e isso estava sendo transmitido pelo nervo óptico até ao cérebro.

Vídeos mostraram que os ratos, criaturas noturnas que antes não percebiam a diferença entre a luz e a escuridão, agora corriam da luz e preferiam ficar no escuro, assim como os ratos com visão normal.

“Nós descobrimos que se as células suficientes são transplantadas juntas, elas não só se tornam sensíveis à luz, mas também regeneram as conexões necessárias para a visão significativa”, disse o Dr. Singh.

De ratos a humanos

Segundo o professor MacLaren, células-tronco ou estaminais já foram testadas em pacientes para substituir o revestimento pigmentado da retina, mas esta nova pesquisa mostra que a camada de detecção de luz também pode ser substituída de um modo similar.

As células de detecção de luz possuem uma estrutura altamente complexa e observou-se que elas podem continuar a funcionar como uma camada de ligação e se restaurar após o transplante.

MacLaren, em futuros tratamentos potenciais com células para cegueira em humanos, gostaria de usar células-tronco pluripotentes induzidas, ou células iPS, que são células estaminais que foram geradas a partir de células do próprio paciente, da pele ou do sangue, e podem então ser “manipuladas” para formar precursores das células da retina.

O passo seguinte é encontrar uma fonte confiável em pacientes que podem fornecer células estaminais para uso em tais transplantes. [MedicalXpress]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

2 comentários

  • neutrino:

    vc tem toda a razão, a tendência da medicina regenerativa é crescer progressivamente até alcançar estágios de evolução que não imaginamos. É claro que tem desafios, mas também concordo que é uma forma bastante natural de regenerar o corpo.

  • D. R.:

    Realmente, as células-tronco são uma verdadeira revolução da medicina e prometem fazer verdadeiros milagres!

    Dado os incríveis avanços científicos da medicina regenerativa através das pesquisas com células-tronco, penso até que seja um certo desperdício de tempo e dinheiro as pesquisas com biônica para implantes artificiais, como órgãos, olhos ou membros biônicos, etc.

    Sinceramente, sou muito mais a favor da medicina regenerativa e do uso de células tronco (desde que não sejam as embrionárias) do que da cibernética. Se um dia precisar, prefiro muito mais ser regenerado com células tronco do que me tornar um futuro ciborgue, meio homem e meio máquina.

Deixe seu comentário!