A natureza já tinha mísseis antes de nós

Por , em 21.10.2013

A natureza não poupa criatividade na hora de espalhar sementes de plantas: de dentes-de-leão voadores a frutos que atraem animais só para, no fim das contas, ter as sementes expelidas depois da digestão, sempre dá-se um jeito de perpetuar o reino vegetal.

Entre esses mecanismos, chama a atenção o do Ecballium elaterium, conhecido como “squirting cucumber” (algo como “pepino que esguicha”).

Pequenas cápsulas contendo uma média de 20 a 40 sementes ficam na ponta do caule acumulando pressão até o ponto em que, se algum animal ou algo parecido esbarrar nelas, as cápsulas se desprendem jorrando sementes e um líquido viscoso, como se fosse uma “mini-metralhadora”. Essas cápsulas são lançadas a quase 96 km/h e, se não ficassem apontadas para o chão, poderiam atingir uma distância de até 6 metros.

Nativo da Europa, do norte do continente africano e de certas regiões da Ásia, o E. elaterium é normalmente criado como planta ornamental e, embora seja venenoso, é usado na Turquia para tratar sinusite. Antigamente, foi usado como abortivo. [Gizmodo]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 5,00 de 5)

29 comentários

  • Edir Marcelo Zucolli:

    Lamento, mas postei na coluna errada. Como se vê, a perfeição ainda não me alcançou.

    Estou fora dessa Cesar, foi o Lucas L. quem começou… Cabe a ele a resposta.

    “Melhor está o cão vivo do que o leão morto” _ Eclesiastes 5:4

  • Edir Marcelo Zucolli:

    Estou fora dessa Cesar, foi o Lucas L. quem começou… Cabe a ele a resposta.

    “Melhor está o cão vivo do que o leão morto” _ Eclesiastes 5:4

  • Cesar Grossmann:

    “Perfeição” é um mito criado por Platão. Algo que só existe no campo das ideias platônicas, e que infelizmente continua assombrando as pessoas.

    https://www.youtube.com/watch?v=m_LsMe4XWmA

  • Edir Marcelo Zucolli:

    Ainda estou esperando pelo padrão derradeiro da perfeição. Depois poderemos voltar a criticar aquilo que muitos atribuem a um Deus que se autoproclama onipotente e infalível.

  • Cesar Grossmann:

    Edir, todas as pessoas que morreram sufocadas com comida ou se engasgaram com um copo de água são prova de um projeto deficiente, falho, estúpido. Ou de uma evolução cega, que foi aproveitando o que já existia e modificando um pouquinho aqui, um pouquinho ali, através de mutações pontuais e simples, que geram pequena diferença de uma geração para outra, mas uma grande diferença quando olhamos 1.000 gerações ou mais.

  • Edir Marcelo Zucolli:

    Lucas L., você vê mazelas em estruturar biológicas que cumprem plenamente o seu propósito e permitem a manutenção da vida dos seres que as utilizam. Eu não tenho o que reclamar do corpo que possuo, a não ser por causa das doenças, velhice e morte, coisas estas que, suspeito, são decorrentes de falhas nossas, não do projetista. Seja como for, qual o padrão que devemos usar para reformar toda a biosfera e torna-la imune às críticas?

  • Edir Marcelo Zucolli:

    Não sei se é realmente assim, ou se as proporções são estas, mas uma vez eu ouvi dizer que 65% dos biólogos aceitam a evolução contra apenas 20% dos matemáticos. A explicação é que quem entende de estatísticas nunca vai se curvar diante das propostas de Darwin e seus pupilos.

    Ou, modificamos a teoria para que caiba dentro do universo que conhecemos ou a descartamos em prol de um entendimento mais etéreo e menos palpável de todo o processo.

    • Cesar Grossmann:

      Edir, esta é só mais uma mentira dos criacionistas. É a falácia do “é tão improvável que tem que ter fé para acreditar na origem da vida por processos naturais, por isto a evolução é falsa”. É uma mistura horrenda de má matemática, de evolução com abiogênese, e um enorme de um espantalho.

      É preciso desconhecer matemática e biologia para achar que a matemática refuta a biologia.

      E tem uma prova bem simples de que os matemáticos da tua história estão se enganando, sofrendo de delírios criacionistas: a evolução já foi observada acontecendo tanto em laboratórios quanto na natureza. E não só isso, ela também encontrou aplicação em outros campos, como o projeto de treliças mais resistentes, antenas mais eficientes, e outros projetos que usaram o algoritmo genético para aperfeiçoar um projeto.

    • Edir Marcelo Zucolli:

      Eu deixei claro que não tenho fontes abalizadas para tal afirmação. Gostaria muito de tê-las e devo esclarecer que rejeito o criacionismo.

      Pergunta: As treliças e antenas aperfeiçoadas segundo o algoritmo genético possuem patentes registradas? Se tiver patentes, é porque tiveram um criador que se defenderá até as últimas instâncias caso alguém se locuplete da sua obra, sem pagar os devidos royalties ou sem apresentar os merecidos créditos. O DNA não possui patentes, mas será que tem um criador?

    • Cesar Grossmann:

      Edir, as treliças, antenas e estruturas criadas por algoritmo genético podem ter patente, mas não foram PLANEJADAS. O desenho que resultou do processo evolutivo não poderia ser previsto a partir das condições iniciais. E se o programa for executado novamente, pode ser que ele chegue a uma solução diferente. Estar patenteado não quer dizer NADA.

  • Edir Marcelo Zucolli:

    Já que estamos falando de “mísseis”, eu gostaria de perguntar se alguém, aqui no Hypescience, acredita que uma arma balística intercontinental, de enorme envergadura tecnológica, é capaz de surgir e tornar-se operacional pela mera aglutinação dos elementos químicos que a compõe? Eu, pessoalmente, rejeito esta hipótese mesmo em se tratando de um rojão de fim de ano.

    E, aí? É razoável acreditar que uma forma de vida complexa com o Ecballium elaterium não teve um projetista?

    • Cesar Grossmann:

      Edir, a evolução funciona com mutação, caracteres hereditários e seleção natural. No caso que você inventou, não tem nada disso. E pensando bem, a descrição que você fez, de “mera aglutinação dos elementos químicos que a compõe” também não descreve a evolução da “Ecballium elaterium”.

      Você tem certeza que entendeu o que é a evolução? Está parecendo que não…

    • Edir Marcelo Zucolli:

      Eu queria ver a “mutação” e a seleção natural proporcionar os meios e o caminho para o surgimento de alguma máquina à qual qualquer observador minimamente lúcido e mentalmente são prontamente atribuiria à inventividade humana. Será que alguém se dá ao trabalho de cogitar algo assim? Ou será que o cinema vai produzir o Transformers 4?

      O assunto evolução tem implicações filosóficas tão pesadas, e até mais pesadas, que as científicas, principalmente por que lhe falta muita coisa no próprio âmbito da ciência. Não se trata de pequenas brechas de uma teoria em construção, mas de gigantescas lacunas! Foi no dia em que me aprofundei na genética, na antropologia, na paleontologia e na bioquímica que eu desisti de acreditar nela. Seria o caso de eu suscitar milhões de artigos de pesquisadores renomados que trazem ao lume toda esta deficiência? Prefiro apelar à lógica.

    • Cesar Grossmann:

      Acho que você só arranhou a genética, a antropologia e a paleontologia, e já saiu alegando que a evolução é falsa. Sugiro você refutar estas provas aqui, já que se aprofundou em genética, antropologia e paleontologia:

      http://www.talkorigins.org/faqs/comdesc/

      Mas faça de uma forma a merecer um Nobel de biologia, ou seja, refutando de verdade a Evolução, sem cair nas falácias e mentiras que a gente vê aqui:

      http://www.talkorigins.org/indexcc/list.html

    • Edir Marcelo Zucolli:

      Sim, foi um arranhão… Um que atravessou a epiderme, a derme e, por fim, tocou a medula óssea:

      http://www.sciencedaily.com/releases/2011/02/110203113758.htm

      http://www.pensoft.net/journal_home_page.php?journal_id=1&page=article&type=show&article_id=769&abstract=1

      Como pode um ser vivo passar cem milhões de anos sem sofrer pressões evolutivas? Como, se um apenas cinco milhões de anos fomos do Australopitecos ao Homo Sapiens, passando ao menos pelo Homo Habilis e Homo Erectus? Enquanto o cérebro humano triplicou de tamanho em escassos 300 mil anos, o grilo preguiçoso teima em não evoluir!

      Tudo o que sei (será?) é que o registro fóssil é totalmente descontínuo. Desde o Pré-Cambriano há uma sucessão hierárquica das espécies, das mais simples às mais complexas, mas surgindo e desaparecendo subitamente nas respectivas camadas geológicas. A estratigrafia e a paleontologia não mentem. De vez em quando aparece uma descoberta que parece ser um elo de transição, mas que é depois refutada com o avanço das escavações, ao se descobri o mesmo fóssil em outro período geológico.

      Tudo isso deixa os evolucionistas perplexos e depõe contra o modelo neodarwiniano. Este só não é abandonado pela intransigência dos seus patrocinadores os quais detém um enorme poder e influência nos meios científico e acadêmico. Ai dos que propõe “ideias heréticas” e que são prontamente tachados de ”criacionistas” e “inimigos da ciência”. É verdade que a única proposta alternativa, o DI, tem sérias implicações no campo da metafísica, mas não as suas premissas. E, é verdade também que a orientação espiritual da maioria dos evolucionistas, voltada para o materialismo e ateísmo, não permite que se abra espaço para cogitar o DI. Contudo, se tudo evolui, por que não a ciência e seus métodos? Acho que sei a resposta…

      Quanto ao Prêmio Nobel, lamento, mas vou declinar dele, assim como o fizeram alguns poucos que o receberam como um insulto, não como uma homenagem. O Nobel é um erro em si mesmo. Trata-se de um prêmio político que já laureou indivíduos de menor quilate, entre os quais o meu desafeto Al Gore.

    • Cesar Grossmann:

      Quem disse que o ser vivo passou milhões de anos “sem pressão evolutiva”? Se ele está em um ambiente ESTÁVEL, ou se ele está bem adaptado às pressões do ambiente, isto significa que as pressões evolutivas favorecem o animal COMO ELE ESTÁ, e qualquer mutação é podada pela seleção natural. A seleção natural não favorece a mudança ou a estase, ela favorece o que está adaptado, o que responde bem às pressões ambientais.

      Não há nenhuma regra que diga que a evolução tenha que forçar os seres vivos a mudar, ela pode forçar a que eles permaneçam como estão, como no caso destes grilo, ou do celacanto no fundo do mar. E pode forçar as mudanças como no caso do homo e outros animais que existem a menos tempo.

      A “pressão evolutiva” existe o tempo todo, mas a consequência dela será diferente para diferentes animais em diferentes ambientes: a maioria é extinta depois de alguns milênios, alguns se mantém em estase, outros acabam gerando novas espécies.

      Nada disso “depõe contra o neodarwinismo”, mas é um golpe fatal no espantalho da evolução criado pelos criacionistas, por que é isto que os criacionistas fazem, eles inventam um espantalho e dizem que é a evolução, e depois tratam de destroçar o espantalho e dizem que “refutaram a evolução”.

    • Edir Marcelo Zucolli:

      De qual planeta estamos falando, Cesar? Penso que nem o Lago Vostok consegue poupar suas formas de vida ao ponto de se esperar tanto quanto 100 milhões de anos, ainda mais agora que o “aquecimento global” vai derreter tudo dentro de poucos séculos. Nem as estruturas geológicas, nem a biosfera tem toda essa paciência. Vejo as coisas deste modo e prefiro passar por bitolado até que haja algo maior do que propostas especulativas, ainda mais quando observo vez após vez o FATO de que o registro fóssil é totalmente descontínuo.

      Mais uma coisa: Quem são os criacionistas que você tanto cita? Pensei que tais indivíduos, com suas ideias absurdas, já não fossem mais um problema para o Hypescience devido ao uso da moderação…

  • Aco de Damasco:

    Caro Cesar,

    Primeiramente não descontextualizei a frase de Darwin, leia o livro e você entenderá.

    Em segundo lugar, meu ponto é fundamental, uma única célula, a primeira como sugere você da qual todos descendemos, não tem vantagem imediata nenhuma em uma mutação que possibilite a reprodução. É um gasto de energia desnecessário que por fim a levará a morte. Pouco interessa ao caos manter as espécies longevas para se aperfeiçoarem. E como ambos sabemos, mutações genéticas não ocorrem por vontade do ser, dependem de outros fatores externos, imagine os números que a probabilidade nos sugere nesse caso de causar uma reprodução exata do ser, sempre acrescido de uma otimização apropriada.

    Em terceiro lugar, classifico a teoria de niilista ou nihilista(como preferir) pelo seu pessimismo em propagar ideias muito bem fundamentadas em uma base absurda. Sabe você quantas proteínas são necessárias para formar uma célula? Em média 2.000. Sabe qual a probabilidade delas se formarem juntas no caldo pré biótico e darem origem a uma única célula? 10 elevado a 40.000, 10 a 50 a matemática já classifica como impossível.

    Caro Cesar
    Meu argumento pode não ter cabeça pra você, mas sua teoria não tem pé pra mim, dizer que um caldo pré biótico deu origem a organismos tão complexos em um espaço tão curto de tempo, é ter mais fé do que qualquer religioso.

    • Cesar Grossmann:

      Aco, você parte de premissas absurdas. Ora, “uma única célula não tem vantagem imediata nenhuma em uma mutação que possibilite a reprodução” já supõe uma célula com código genético e metabolismo antes de poder se reproduzir. E se for o contrário, se a reprodução veio antes do código genético e do metabolismo? Lembrando que se uma vesícula de ácidos graxos for dividida mecanicamente ela se “reproduz” em várias outras, e o conteúdo de seu interior é dividido também.

      Outra coisa, quem disse que a célula pode escolher não reproduzir? Se ela for absorvendo alimentos, vai crescer de volume, e a película que a delimita do meio ambiente também terá de crescer. Existe um limite para isso, antes que a célula se rompa?

      A sua classificação de “niilista” é no mínimo bizarra. Esta história de proteínas necessárias para formar uma célula vale para hoje, 3,8 bilhões de anos depois que a vida surgiu no planeta, mas as células de 3,8 bilhões de anos atrás precisavam de 2.000 proteínas em média? Se você disser que é impossível se formar por acaso uma célula MODERNA eu concordo, só é preciso apontar a ligeira mentira que estão espalhando aqui: a teoria da abiogênese moderna não propõe uma célula moderna surgindo de processos químicos simples. Esta é a falácia, a mentira dos criacionistas.

      Esta mentira já foi apontada faz muito tempo, e os criacionistas continuam como se ninguém tivesse refutado seus argumentos patéticos e fraudulentos.
      http://talkorigins.org/faqs/abioprob/abioprob.html

  • Lucas L.:

    Projeto inteligente, porém burro?
    Não consigo intender como um ser onisciente como “deus”, criaria serem com tamanhas imperfeições.

    A começar pelo universo, o universo tende ao caos, e não à organização, vide a segunda teoria da termodinâmica, a entropia!
    Na nossa natureza existem imperfeições grotescas!
    Os seres humanos possuem imperfeições, o homem possui mamilos inúteis, barba inútil, pelos pubianos inúteis, dentes do siso inúteis, unhas inúteis, caninos inúteis, cabelos inúteis, mais músculos para mover os olhos do que realmente é necessário para tal finalidade, músculos para movimentação da orelha que são inúteis também, o cóxis!

    Nos animais, membros vestigiais inúteis, como nas grandes constritoras que possuem vestígios de fêmures e até mesmo de uma bacia, animais que vivem em profundidades abissais onde não existe luz, mas ainda assim possuem olhos vestigiais, que pra nada servem, a cor esbranquiçada de boa parte destes mesmos seres, que em um ambiente de pouca luz, seria a cor que mais traria vulnerabilidade por refletir mais luz, só ainda permanecendo justamente porque a visão não é o ponto forte destes animais!
    Estrutura nervosa, onde o nervo vago passa desprotegido, fora da coluna vertebral!
    E até mesmo os “aclamados” olhos dos vertebrados, que são anatomicamente imperfeitos, graças a nossa retina que está apontada para trás!

  • Israel Filósofo:

    Acredito que estou ficando cego, eu não vi Deus em parte alguma do vídeo. Pode ser algum problema com a minha percepção ou com o que denomino Deus.
    No entanto, é sempre bom lembrar que a ciência trabalha com coisas palpáveis e que podem ser provadas a todos que se dedicam a compreender e fazem uso dos paradigmas científicos. É por isso que quando falamos de ciências, evitamos assuntos que estão ligados à fé. E é por isso também quando falamos da nossa fé, evitamos prová-la cientificamente porque se fé precisasse de provas, não seria fé, e o mesmo acontece com a ciência, se dependesse de fé, não seria ciência.

    Portanto, acho muito estranho que pessoas de fé frequentem páginas científicas e comentem tanto sobre suas convicções pessoais. Acho estranho porque deve haver alguma motivação para isso, e eu não quero acreditar que alguém que tem fé lute tanto para comprovar que o que sente em seu íntimo é real. Fica parecendo que eles desconfiam do seus próprios sentimentos… Estranho, não acham?

    Os céticos jamais aceitarão o depoimento de alguém como prova de alguma coisa, e a ciência necessita de ceticismo para ir até as últimas consequência, logo, esses debates que os fiéis propõe e essas afirmações que expressam em suas postagem, são simplesmente inúteis. Desistam! Deus tem um plano pra vocês, e acredito que não é fazer coisas que são inúteis por natureza.

    Abraços!

  • Cesar Grossmann:

    Uma vez eu vi este argumento do projeto em relação ao intestino humano, que recebe alimento ácido, mas em seguida torna ele alcalino, e tem o meio correto para a cultura de bactérias, e as papilas aumentam a superfície de absorção, etc. etc. etc.

    O problema desta visão é achar que o intestino surgiu com o primeiro humano. Não surgiu. O intestino deve ter centenas de milhões de anos, desde o primeiro metazoário na forma de esponja, que filtrava água do oceano. Ali começou uma estrutura longa, interna, que recebia alimento e tratava de absorver os nutrientes que conseguia. E nas centenas de milhões de anos que se seguiram, mudanças foram acontecendo, e o intestino passou a ter dois segmentos, e passou a ter mais segmentos ainda e se tornar um sistema digestório, e a abertura foi se alterando para incluir a boca, e órgãos trituradores, e por aí vai.

    O intestino humano com certeza é complexo e realiza sua tarefa muito bem, mas argumentar que ele foi projetado para isto é ignorar toda a evolução do sistema digestivo, desde o primeiro metazoário que apresentava uma concavidade para absorção de alimentos.

  • Aco de Damasco:

    Evolução é uma teoria niilista que desconsidera o óbvio: nenhuma infinidade de combinações pode gerar um objetivo, uma intenção, que é exatamente o que todos os organismos vivos do planeta demonstram, o objetivo de manter-se vivo e perpetuar a espécie. Não há motivo nenhum de combinações aleatórias de elementos químicos e suas mutações sempre engenhosas e oportunas em saltos evolutivos ter implantado em TODOS os seres vivos o objetivo de perpetuar a espécie.

    Aos doutores auto intitulados que afirmam categoricamente a teoria da evolução como uma verdade, eu recomendo a leitura de um livro muito oportuno, chama-se A EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES de CHARLES DARWIN, na página 197 diz:

    “Parece absurdo ou impossível, eu o reconheço, supor que a seleção natural
    pudesse formar a visão…”.

    • Cesar Grossmann:

      Como não? Imagine que uma infinidade de variações produziu organismos que se reproduzem e que não se reproduzem, e todos eles consomem recursos naturais. Depois de um tempo, os recursos escasseiam, e quem tem mais probabilidade de sobreviver na competição? Quem se reproduz, justamente por que existem mais exemplares dos seres que se reproduzem.

      É muito simples, a competição pelos recursos responde por isto. Toda a aparência de objetivo e de projeto é resultado disso: da competição feroz pelos recursos, que são escassos.

      E para os doutores auto-intitulados em grandes sabedores de coisas que não fazem ideia, eu recomendo LER O RESTO DO QUE ESCREVEU CHARLES DARWIN, DA PÁGINA 197 EM DIANTE.

      Citações parciais é um tipo de mentira pregado pelos religiosos. Outro tipo de mentira é a citação fora de contexto. E quando eles não estão satisfeitos com as citações parciais e nem as citações fora de contexto, eles inventam citações.

    • Cesar Grossmann:

      Alessandra, a “verdadeira ciência” não faz citações parciais, e não ignora as evidências.

    • Cesar Grossmann:

      Alessandra, cientistas não “fazem citações parciais ou fora de contextos para apoiar suas evasivas!”

      ELES MOSTRAM AS EVIDÊNCIAS!!!!!!!!!

      Eles mostram as evidências, e de onde tiraram suas conclusões! Se existe uma afirmação de que o DNA prova a teoria da evolução, esta afirmação é comprovada com a análise do DNA. Ele é apresentado, os genes são apresentados, as taxas de mutação são demonstradas, tudo isto é feito em detalhes excruciantes, com método e meticulosidade assombrosos! E por que isto?

      Certamente para não precisar fazer citações (que é a essência da falácia da autoridade) e para tentar estar o mais certo possível, dentro dos limites da técnica e do conhecimento atual, e tentar avançar este conhecimento atual sem precisa inventar fantasias!

      O ridículo, sim, é ignorar estas evidências, ignorar esta discussão, e simplesmente rejeitar as conclusões, rejeitar as evidências, negar a discussão. E é isto que os anti-ciência, os negadores da ciência, fazem. O que o “Aco” fez? Simplesmente veio com uma besteira de “teoria nihilista”. E ele provou que se trata de uma “teoria nihilista”? Não.

      Veio com um argumento fraquinho, uma coisa sem pé nem cabeça, que “não há motivo nenhum de combinações aleatórias de elementos químicos e suas mutações sempre engenhosas e oportunas em saltos evolutivos ter implantado em TODOS os seres vivos o objetivo de perpetuar a espécie”. Este argumento está errado na raiz, é um natimorto: todas as espécies são parentes, derivam umas das outras, a árvore da vida é uma só e une todos os seres vivos, e isto só acontece por que faz parte de estar vivo esforçar-se para continuar vivo e para se reproduzir. Se este impulso não fizesse parte do primeiro ser vivo, não haveria nenhum outro. Se houvessem dois seres vivos, um com este impulso e outro sem, um deles não estaria vivo, por que não teria o impulso de sobreviver e de perpetuar a espécie. E mais, se um animal tiver um filhote que não tenha estes impulsos, acaba ali a linhagem daquele animal. É extinção daquela linhagem na certa!

      E para você isto é “a verdadeira ciência em ação”. Chama a evolução de “teoria nihilista” (o que ela NÃO É), e vem com um argumento sem pé nem cabeça. E isto contra TODAS AS EVIDÊNCIAS DA EVOLUÇÃO.

    • Cesar Grossmann:

      “Parece absurdo ou impossível, eu o reconheço, supor que a seleção natural pudesse formar a visão com todas as inimitáveis disposições que permitam ajustar o foco a diversas distâncias, admitir uma quantidade variável de luz e corrigir as aberrações esféricas e cromáticas. Quando se afirmou pela primeira vez que o Sol é imóvel e que a Terra gira em torno dele, o senso comum da humanidade declarou falsa a doutrina; mas sabe-se que o velho ditado: Vox populi, vox Dei, não se admite em matéria científica. A razão diz-nos que se, como é certamente o caso, se pode demonstrar que existem numerosas gradações entre um olho simples e imperfeito e um colho complexo e perfeito, sendo cada uma destas gradações vantajosa ao ser que a possui; que se, além disso, o olho varia algumas vezes e que estas variações são transmissíveis por hereditariedade, o que é igualmente o caso; que se, enfim, estas variações são úteis a um animal nas condições variáveis da sua existência, a dificuldade de admitir que um olho complexo e prefeito possa ser produzido pela seleção natural, pois que insuperável para a nossa imaginação, em nada contradiz a nossa teoria. Não temos mais que nos ocupar em saber como um nervo pôde tornar-se sensível à ação da luz, como não temos de nos ocupar a procurar a origem da vida dele; todavia, como existem certos organismos inferiores sensíveis à luz, se bem que se não possa descobrir entre eles vestígio algum de nervação, não parece impossível que certos elementos do sarcode, de que são formados em grande parte, possam agregar-se e desenvolver-se em nervos dotados desta sensibilidade especial.

      É só o primeiro parágrafo de um capítulo.

  • Cesar Grossmann:

    A aparência de projeto é apenas superficial. Qualquer um que se aprofunde no tema (e existem muitas pessoas se aprofundando) se convence que a evolução não segue projetos, mas constrói estruturas que parecem ter sido projetadas.

    E não precisa ser ateu para chegar a esta conclusão.

  • Guilherme de Souza:

    Nada impede, na concepção cristã, que a “mãe natureza” tenha sido criada por Deus 😉

Deixe seu comentário!