Supercluster recém descoberto pode modificar a perspectiva científica sobre o cosmos

Astrônomos descobriram um enorme supercluster de galáxias localizado a aproximadamente 4 bilhões de anos-luz da Terra – e não é apenas uma das maiores estruturas conhecidas no cosmos, como também é o supercluster mais distante jamais observado.

No espaço, tudo é uma questão de perspectiva. De onde você está, o planeta em que você lê isto pode parecer uma grande ideia, mas é apenas uma pequena parte geral do nosso Sistema Solar, que por sua vez é basicamente uma mancha quase insignificante que compõe nossa galáxia, a Via Láctea.

Mas ainda podemos ir mais longe nessa reflexão. As próprias galáxias são sub-adicionadas em pilhas maiores chamadas grupos de galáxias e clusters – e, em seguida, existem superaglomerados: agregações cósmicas vastas e inimagináveis que coletam grupos de galáxias como um punhado de modificações na reposição.

É um desses punhados que uma equipe de astrônomos da Índia acaba de identificar, localizando um supercluster denso anteriormente desconhecido que eles nomearam depois do antigo rio Sarasvati.

O supercluster de Saraswati, descoberto por pesquisadores do Centro Inter-Universitário de Astronomia e Astrofísica (IUCAA), abrange uma faixa épica de espaço medindo cerca de 600 milhões de anos-luz – no qual, estima a equipe, a massa combinada equivale a mais de 20 milhões de bilhões de sóis.

Além de seu tamanho e massa, o que torna a descoberta tão significativo é que, até agora, os astrônomos não identificaram realmente muitos superaglomerados, o que significa que a Saraswati está juntando as filas da da bele elite de uma empresa.

“Anteriormente, apenas alguns superclusters comparativamente grandes foram relatados”, explicam dois integrantes da equipe, os astrônomos Joydeep Bagchi e Shishir Sankhyayan, ” por exemplo, a ‘Concentração Shapley’ ou a ‘Grande Muralha Sloan’ no Universo próximo”.

Mas o que também distingue a Saraswati é a sua posição, situada a aproximadamente 4 bilhões de anos-luz de distância de você e de mim.

“É a primeira vez que vimos um supercluster que está tão longe”, disse um dos pesquisadores, Somak Raychaudhury, que também ajudou originalmente a identificar a Concentração Shapley.

“Mesmo a Shapley está cerca de 8 a 10 vezes mais próxima.”

Localização inédita

Os pesquisadores localizaram Saraswati examinando os dados do Sloan Digital Sky Survey e dizem que o supercluster contém pelo menos 43 grupos de galáxias e clusters, que compõem cerca de 400 galáxias.

O que é mais emocionante é que a extrema distância de Saraswati da Terra significa que a luz que estamos vendo já percorreu um longo caminho para chegar até aqui – e assim nos mostra como era o supercluster quando o Universo tinha apenas 10 bilhões de anos.

Olhar para trás no tempo poderia nos ajudar a entender o que essas superestruturas maciças se tornaram, e nos permite examinar as condições para o seu desenvolvimento no Universo mais antigo.

“Uma vez que uma estrutura dessa vastidão só crescerá de forma muito devagar, levando muitos bilhões de anos, a descoberta traz consigo uma espécie de registro de toda a história de sua formação”, explicou Bagchi ao New Scientist.

Dito isto, a presença iminente de Saraswati há 4 bilhões de anos veio como uma surpresa para os pesquisadores, já que nosso conhecimento atual da evolução galáctica sugere que os superclusters não teriam tempo suficiente para se formar quando o Universo tinha apenas 10 bilhões de anos.

Significações da descoberta

O que isso pode significar é que novos conceitos teóricos – como a energia escura e a matéria escura, que os cientistas ainda lutam para compreender inteiramente – podem ter desempenhado um papel decisivo nessa questão.

“A teoria sempre foi confundida pela natureza”, disse Raychaudhury ao Hindu.

“É verdade que o equilíbrio entre matéria escura e energia escura pode produzir grandes estruturas, mas um supercluster desse tamanho traz um enigma”.

Então, enquanto o supercluster de Saraswati pode finalmente ter sido revelado, parece que uma verdade ainda maior e mais profunda ainda está em cheque – apenas esperando para ser descoberta.

Os resultados serão publicados no The Astrophysical Journal. [ScienceAlert]

Por: Carolina GoettenEm: 17.07.2017 | Em Espaço  | Tags: , ,  
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (10 votos, média: 5,00 de 5)
Curta no Facebook:

Deixe uma resposta