O gosto do sal não é sentido na mesma intensidade por todos

Publicado em 21.06.2010

O sal pode ser sentido mais fortemente por algumas pessoas e menos por outras. É o que aponta uma pesquisa da Universidade Penn State (na Pensilvânia, EUA), sugerindo que essa “receptividade” ao sal pode levar a alguns problemas de saúde. Quem sente o gosto de sal muito forte tende a consumir menos. Quem quase não o sente, tende a consumir mais – e aí mora o grande perigo.

Nos últimos anos, o excesso de sal na alimentação tem se tornado um vilão, condenado por médicos e nutricionistas. Ele é apontado como um perigo para elevar a pressão sanguínea a níveis alarmantes. Com isso, restaurantes e donas-de-casa estão sendo aconselhados a reduzir tanto quanto possível a quantidade de sal na comida.

Nos Estados Unidos, onde foi feita a pesquisa, a média de consumo de sal é de duas a três vezes mais do que o recomendado para a boa saúde. Os cientistas chamaram 87 participantes (45 homens e 42 mulheres), e fizeram experimentos com degustação de alimentos.

Com base nas descrições, de entrevistas com nutricionistas e da coleta de substâncias químicas, foi medido o nível de cada pessoa de sentir um composto chamado propiltiouracil, que em excesso pode causar problemas no fígado. A partir dessa receptividade, as pessoas foram divididas em três grupos: “super-provadores” (que sentiam o gosto do sal excessivamente), “provadores médios” e “não provadores” (para quem a comida salgada é quase amarga).

E essa receptividade ao sal é geralmente genética. Por isso, os cientistas dão a recomendação: diminuir o consumo de sal pela leitura do rótulo dos alimentos e procurar produtos que contenham menos de 480 miligramas de sódio por porção. Se você é um “não-provador”, ou seja, precisa por muito sal na comida para sentir alguma coisa, cuidado. Mais vale uma comida não tão gostosa do que um ataque cardíaco, devido à elevação da pressão. [Live Science]

Autor: Rafael Alves

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

1 comentário

  1. Isso já é de conhecimento a anos, além de fatores genéticos, hábitos alimentares, e até treinamento (sim pessoas são treinadas, para pesquisa de novos produtos), afetam a sensibilidade ao sal!
    Além disso algo que não foi citado, mas é de grande importância, é que a sensibilidade do sal é variável ao habito, mudanças bruscas são mais perspetiveis que mudanças continuas, por isso na Europa estão reduzindo gradativamente para que o consumidor não perceba que está comendo menos sal.

    Thumb up 0

Envie um comentário

Leia o post anterior:
suicidio2
Encontrados os “genes do suicídio”

Será que a disposiçã...

Fechar