Os grandes mistérios de Júpiter

O planeta Júpiter tem um nome justo, em homenagem ao rei dos deuses na mitologia romana: sendo o maior planeta do sistema solar, se todos os outros objetos (com exceção do sol) fossem esmagados juntos, iriam caber dentro de sua esfera.

Adequar o tamanho do gigantesco Júpiter é apenas um dos muitos desafios científicos que cercam o planeta.

No início de agosto, a NASA vai lançar uma missão até Júpiter, chamada “Juno”, uma nave espacial que vai chegar ao planeta em 2016 e ajudar a desvendar seus maiores mistérios, que incluem:

Faixas de nuvens e tempestades

Júpiter parece um ovo de Páscoa (e não estamos falando daquele de chocolate, mas os tradicionais ovinhos pintados) cuidadosamente tingido.

Tons mais leves, chamadas zonas, e tons mais escuros, chamados cintos, alternam-se no mundo maciço. Quão profundas essas características são, no entanto, é totalmente incerto.

“Não sabemos se as zonas e cintos são apenas uma característica de superfície, e por dentro, Júpiter está rotando como um corpo sólido”, disse Scott Bolton, principal pesquisador da missão Juno. Alternativamente, Júpiter poderia ser uma série de cilindros concêntricos, e o que vemos são seu começo, como zonas e cintos.

As listras são conhecidas por desaparecer sem deixar nenhum rasto. Uma delas, com o dobro do tamanho da Terra, desapareceu em maio de 2010. Por que as listras permanecem separadas e somem e reaparecem não está bem explicado, nem mesmo como as zonas e cintos obtêm suas cores distintas.

Grandes vórtices agem como redemoinhos na atmosfera de Júpiter, mas estes também não são bem compreendidos. A “Grande Mancha Vermelha” é a mais reconhecida destas tempestades, tendo sido observada há mais de 300 anos. “Nós não sabemos o que está alimentando essa coisa”, disse Bolton.

Juno vai fazer medições de temperatura de todo o planeta para fazer um modelo atmosférico mais regular de Júpiter.

Onde está a água?

Juntamente com Saturno, e a grande maioria dos exoplanetas detectados até agora, Júpiter é classificado como um gigante gasoso – ou seja, uma grande bola de hidrogênio e gás hélio, os dois elementos mais comuns em estrelas e no universo. A maioria dos restos do sol e da formação do sistema solar acabou em Júpiter.

No entanto, as quantidades de elementos mais pesados, como carbono, nitrogênio e enxofre flutuando entre nuvens de Júpiter são estranhamente superiores às encontradas no sol. Os cientistas pensam que a água na atmosfera de Júpiter poderia ter ajudado a enriquecer o planeta com esses elementos. Conforme a água congela, ela capta materiais dispersos, e Júpiter poderia ter engolido muitos desses pedaços.

Mas o problema é que a água não foi encontrada nas concentrações esperadas no planeta. Juno vai procurar sinais de água para ajudar a explicar por que Júpiter tem sua composição distinta.

Descobrir isso, por sua vez, vai ajudar a entender como os pedaços menores do sistema solar apareceram. “O objetivo principal de Juno é entender os fundamentos de como o sistema solar se formou e como os planetas foram criados”, disse Bolton. “Estamos tentando descobrir a receita para fazer planetas, e estamos ainda na lista de ingredientes”, explica.

O núcleo

Pesquisadores ainda não sabem direito como é o núcleo de Júpiter, mas acreditam que talvez seja feito de rocha superaquecida sob alta pressão.

“Os modelos dizem que a massa do núcleo de Júpiter tanto pode ser zero quanto pode ser vinte massas da Terra, e isso é devido à falta de dados”, conta Bolton.

Juno vai ajudar a preencher os espaços em branco fazendo medições de gravidade, o que deve indicar a distribuição de massa no interior profundo de Júpiter.

Show de luzes

Júpiter possui o mais forte campo magnético do sistema solar, com exceção do sol. Pesquisadores acreditam que esse campo é gerado por uma camada de hidrogênio altamente comprimida, que desenvolve propriedades líquidas metálicas no fundo de Júpiter.

A estrutura que o campo magnético forma – chamada de magnetosfera – conforme o “vento solar” de partículas carregadas passa é verdadeiramente titânica.

“A magnetosfera de Júpiter é sem dúvida a maior estrutura em todo o sistema solar”, diz Bolton (tirando a “heliosfera”, o vento solar em torno do sol). A magnetosfera é arrastada até a órbita de Saturno.

Auroras, como as nossas, embora imensamente mais poderosas e com características notadamente diferentes, brilham nos polos de Júpiter. Juno, que irá circundar o planeta em uma órbita polar, terá uma excelente vista delas, ajudando a desvendar os mecanismos dos redemoinhos magnéticos de Júpiter.[Life’sLittleMysteries]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)
Curta no Facebook:

9 respostas para “Os grandes mistérios de Júpiter”

  1. “uma estrela que não deu certo” uma autêntica estupidez. é, os centistas assim chamados aqui na terra têm estas merdas. não sabem nada de nada, mas inventam. entao houve um palerma que se lembrou-se de dizer isto. autênticos dementes e idiotas… que pensam que o sitema solar é obra do acaso: uma estrela que nao deu certo… coitado ele nem sabe porquê, mas sabe que nao deu certo…
    quando descobrirem que todos os planetas do nosso próprio sitema solar sao habitados, tirando aqueles que já estão mortos como no caso da nossa lua, que irão dizer estes idiotas.

  2. A algum tempo atrás eu tive o prazer de ler uma matéria na qual um cientista afirmava que o planeta Júpiter na verdade não era um planêta, mas sim uma estrêla que não deu certo, ou seja, o nosso sistema solar deveria ter uma segunda estrêla, Júpiter, mas ele simplesmente não acendeu…

  3. “Grandes vórtices agem como redemoinhos na atmosfera de Júpiter”, são furacões que ocorrem assim como na Terra e em Marte: à partir de conexões elétricas existentes ao redor do planeta que, na verdade, é uma estrelinha que não entrou em combustão. Como Júpiter tem um tamanho elétrico muito maior, seus furacões são muito maiores.

    “quantidades de elementos mais pesados, como carbono, nitrogênio e enxofre flutuando entre nuvens de Júpiter”, é explicado pelo fato de que cada personagem do nosso Sistema SOlar foi adotado em momentos diferentes à partir de corpos com estruturas químicas diferentes. Júpiter é quimicamente semelhante ao Sol pois é sua estrela companheira, e saíram do núcleo galáctico ao mesmo tempo. Se a quantidade desses elementos é maior, chuto que é devido ao fato de Júpiter não estar em atividade estelar hoje em dia.

    O núcleo é maciço sem sombra de dúvidas.

    “Júpiter possui o mais forte campo magnético do sistema solar”, pois age como uma mini-estrela. Não está ativa, mas realiza alguma atividade nuclear em sua atmosfera, assim como o Sol – o hidrogênio é transformado em energia na atmosfera, não no núcleo rochoso das estrelas -, como já foi demonstrado pelas correntes elétricas encontrado pelas Voyager na década de 70.

    Mais detalhes em Principia Metereologia, do Prof. James McCanney M.S., à venda em jmccsci.com.

Deixe uma resposta