10 descobertas que mudam nossa compreensão da Europa antiga

Por , em 29.05.2016

Não muito tempo atrás, o senso comum era que a “civilização” desenvolveu-se lentamente na Europa. Além dos povos do Mediterrâneo da Grécia e da Itália, pensava-se que a Europa antiga era cheia de tribos bárbaras que na sua maioria viviam em habitações do tipo cabana.

Em comparação com a Suméria, Babilônia, China, Egito e o Vale do Rio Indus, a Europa parecia estar muito atrás da curva. Esta atitude está passando por uma transformação. Graças a recentes descobertas arqueológicas, está se tornando cada vez mais claro que o continente era muito mais desenvolvido do que se pensávamos. Veja:

10. A origem dos celtas

europa antiga 10
Em 2006, Bertie Currie, dono do Bar McCuaig’s no Condado de Antrim, na Irlanda do Norte, fez uma descoberta curiosa enquanto trabalhava na terra de sua propriedade para fazer uma garagem. Debaixo de uma grande pedra, Currie encontrou vários ossos. Uma vez que a polícia concluiu que aquela não era a cena de um crime, os arqueólogos passaram a estudar os ossos.

O que eles descobriram foi três esqueletos que antecedem a chegada dos celtas na Irlanda por 1.000 anos ou mais. Embora a datação por radiocarbono coloque as origens dos esqueletos em cerca de 2000 aC, os cientistas da Universidade Oxford, University of Wales, Queen’s University Belfast e Trinity College Dublin descobriram que o DNA recuperado dos ossos antigos se assemelhava a dos indivíduos modernos da Irlanda, Escócia e País de Gales.

Tal achado põe em causa a crença de que os celtas do continente europeu migraram para as Ilhas Britânicas em algum momento entre 1000 e 500 aC. Como resultado, muitas teorias foram apresentadas para reescrever o senso comum sobre o local.

Alguns concluíram que os esqueletos revelam que irlandeses, escoceses e galeses se originaram do Oriente Médio e da Europa Oriental, e foram para a Grã-Bretanha em várias migrações que antecederam o movimento celta de suas casas na Alemanha, Áustria e Espanha. Outros, como Barry Cunliffe, argumentam que os esqueletos mostram que a civilização celta começou nas Ilhas Britânicas e depois se espalhou para o continente europeu. Seja qual for a verdade, o que sabemos sobre a Irlanda pré-histórica está prestes a mudar.

9. A origem basca

europa antiga 9
O povo basco do norte da Espanha e sul da França sempre foi um mistério. Ao contrário de seus vizinhos, eles não falam uma língua românica com base na língua latina da Roma antiga (essas línguas incluem português, espanhol, francês e italiano). Além disso, a língua basca é uma língua isolada, o que significa que não tem quaisquer ligações reconhecíveis com as línguas indo-europeias.

Em 2015, Mattias Jakobsson, da Universidade de Uppsala, na Suécia, sugeriu que os nativos do País Basco são descendentes de agricultores ibéricos que migraram para o norte e se misturaram com uma população de caçadores-coletores indígenas. Baseando seu argumento em esqueletos da Idade da Pedra encontrados no norte da Espanha, Jakobsson acredita que ibéricos do sudoeste da Espanha foram para o norte entre 3.500 e 5.500 anos atrás e se relacionaram com a população local. Isolamento geográfico e cultural ajudou a preservar o DNA basco único.

Embora a pesquisa de Jakobsson fortaleça a crença de longa data que o povo basco é um povo separado dos europeus modernos, ele refuta a ideia de que o País Basco seja uma continuação de uma civilização neolítica pura. Outros pesquisadores vão ainda mais longe e refutam toda a noção de que os bascos sejam únicos. Baseados em uma pesquisa de genomas europeus, alguns cientistas concluíram que os bascos na realidade compartilham muito do seu material genético com outros europeus.

8. Guerra na Idade do Bronze

europa antiga 8
Durante anos, a maioria dos historiadores pensou que as batalhas da Idade da Pedra na Europa eram predominantemente realizadas por clãs. Ou seja, eram de pequena escala e incluíam poucos combatentes.

Uma série de escavações realizadas entre 2009 e 2015 no Vale do Tollense, na Alemanha, provou o contrário. Dois enormes exércitos lutaram entre si nas margens do rio Tollense 3.200 anos atrás. Os lutadores estavam armados com lanças, espadas, porretes e flechas com pontas de bronze e pedra. No final da batalha, centenas de combatentes foram mortos. Muitos eram guerreiros profissionais, e alguns eram nativos do Sul e Leste da Europa.

Os arqueólogos acreditam que a batalha, que ocorreu por volta de 1250 aC, foi travada entre os membros de uma classe guerreira europeia. Muitos dos homens usavam anéis de ouro, enquanto outros levaram anéis de ouro e outras peças de joias dos cadáveres mortos.

7. As raízes europeias

europa antiga 7
Em abril de 2016, uma equipe de cientistas genéticos publicou na revista Nature um estudo afirmando que a Europa da Idade do Gelo experimentou várias migrações perto do final do período neandertal. Em particular, as populações ibéricas se moveram para o norte e para o oeste, enquanto os povos da Grécia e da Turquia atuais se moveram para o norte para os Bálcãs e para as planícies do sudeste da Europa.

O estudo também concluiu que todos os europeus foram em uma época relacionados com os habitantes da antiga Bélgica. Especificamente, a pesquisa argumenta que todos os europeus vêm de uma única população fundadora que existiu durante a Idade do Gelo. Esta se espalhou por toda a Europa cerca de 33.000 anos atrás.

De acordo com o professor David Reich da Universidade Harvard e do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária, as populações dominantes da Europa do Idade do Gelo podem ser separadas em quatro grupos: as do período aurignaciano (sociedade fundadora na Bélgica que teve nobres e reis), as do período gravetiano (descendentes do período aurignaciano), as da cultura magdaleniana (uma cultura da Espanha) e o povo de Villabruna (um povo italiano que carregava traços de DNA do leste da Europa e do Oriente Médio).

6. Mega Stonehenge

europa antiga 6
Stonehenge é fascinante. Um círculo pré-histórico de pedras localizado próximo a Amesbury, na Inglaterra, o local pode ter sido qualquer coisa no passado, desde um templo solar a um cemitério, ou ambos.

Usando radares, os cientistas descobriram em 2014 que a área de Stonehenge era muito maior do que as suas ruínas atuais. Especificamente, uma estrutura de 3,2 km que incluiu vários túmulos, capelas, santuários, trincheiras e um monumento ainda maior composto por 50 pedras e um gabinete de 330 metros de comprimento.

Chamado de “superhenge” ou “mega Stonehenge”, o local perto de Durrington Walls tem sido ligado a rituais neolíticos. As pedras enterradas podem ser blocos de arenito locais, enquanto todo o complexo pode ter sido rodeado por fontes de água associadas com o rio Avon.

O “superhenge” pode ser o maior sítio neolítico já descoberto na Europa, mas sua conexão com Stonehenge ainda precisa ser estabelecida.

5. Complexo pré-histórico da Bulgária

europa antiga 5
Arqueólogos associados com a New Bulgarian University em Sofia, na Bulgária, descobriram uma estrutura maciça da Idade da Pedra no nordeste do país. Localizada na Ilha Grande, em Durankulak Lake, a cidade de pedra, que pode ser a primeira na história da Europa, existiu em algum momento entre 5.500 e 5.400 aC.

Seus habitantes provavelmente pertenciam à Cultura Hamangia do Neolítico Médio da Europa, uma cultura pré-histórica situada nos Balcãs e em torno do Mar Negro.

No coração da cidade, o complexo incluía cerca de 1.400 sepulturas e artefatos religiosos. Com dois andares de altura, cobria mais de 200 metros quadrados. Provavelmente entrou em colapso devido a um terremoto. As escavações no local, que começaram na década de 1970, descobriram pedras preciosas, cobre e ouro.

Acredita-se que os habitantes da cidade de pedra apelidada de “Dobrudzha Troy” eram especialistas em forjar metal, e é provável que eles comerciaram esses itens em todo o Mediterrâneo. Se for verdade, a maior estrutura pré-histórica na Europa também pode ter sido o local de nascimento da fundição.

4. “Pompeia” da Grã-Bretanha

europa antiga 4
Enquanto os antigos britânicos não inventaram o transporte sobre rodas, eles podem ter construído as maiores rodas do mundo antigo durante a Idade do Bronze. No início de 2016, uma equipe de arqueólogos revelou, nos pântanos de Cambridgeshire, uma grande roda que pode ter sido usada em um carrinho de duas rodas puxado por um boi ou cavalo. Com 3,5 centímetros de espessura e 1 metro de diâmetro, ela foi datada de cerca de 1.000 aC.

Escavadeiras no local também encontraram o crânio parcialmente enterrado de uma mulher, casas redondas, ossos de animais, tetos e vigas, poços de cozinha, ferramentas, armas e outros objetos.

Infelizmente, há 3.000 anos, todo o povoado foi destruído por um incêndio. Apesar disso, a maior parte do assentamento foi preservada. Graças aos dentes e ossos encontrados no local, os cientistas puderam inferir que os moradores comiam cordeiro, carne de porco, carne bovina, carne de veado e variedades de grãos. Eles também viajavam predominantemente de barco. Por causa de todas essas informações, o sítio tem sido apelidado de “Pompeia de Fenland” porque oferece aos arqueólogos modernos a oportunidade de investigar o dia-a-dia da Idade do Bronze na Grã-Bretanha.

3. O poder duradouro de Knossos

europa antiga 3
Desde que foi escavada pelo britânico Sir Arthur Evans no início do século 20, a cidade antiga de Knossos foi examinada por gerações de arqueólogos e historiadores. Localizada na ilha grega de Creta, Knossos foi a principal cidade dos Minoicos, uma civilização pré-micênica que interagiu fortemente com o mundo mediterrâneo.

No seu auge, Knossos era o poder preeminente na Grécia continental. Reza a lenda que o mito do Minotauro e do labirinto é uma parábola sobre a luta grego-micênica para libertar-se de ter que pagar tributos anuais a poderosa Knossos.

Até recentemente, acreditava-se que Knossos e toda a civilização minoica haviam desmoronado por volta de 1200 aC, tanto pela erupção do vulcão de Santorini quanto pelo chamado Colapso da Idade do Bronze, que viu piratas indo-europeus invadirem o Mediterrâneo e o Egeu e ocuparem grande parte do Oriente Médio. No entanto, no início de 2016, pesquisadores revelaram que Knossos reconstruiu-se em uma potência comercial no século XI aC. A cidade se expandiu em tamanho e manteve uma economia forte fazendo negócios com o Mediterrâneo Ocidental, Egito e Oriente Próximo.

2. Possível terrorismo antigo

europa antiga 2
Como a descoberta do Vale do Tollense, um achado de 2006 em Schoneck-Kilianstadten, na Alemanha, pode mudar o que sabemos sobre guerra antiga no norte da Europa.

Em 2015, os arqueólogos identificaram restos de agricultores pertencentes à cultura da cerâmica linear. Os esqueletos de 7.000 anos de idade, que incluem 26 adultos e crianças, mostram sinais de combate, e muitos crânios estão quebrados ou perfurados. Quanto às armas, os arqueólogos encontraram principalmente pontas de flechas feitas de ossos de animais. Assustadoramente, os pesquisadores também descobriram provas de tortura, com os esqueletos exibindo ossos quebrados intencionalmente e outros sinais de mutilação póstuma.

Às vezes chamados de “primeiros agricultores europeus”, a cultura da cerâmica linear controlava grande parte da Europa Central entre 5.600 e 4.900 aC. Inicialmente, pensávamos que ela era maioritariamente pacífica, com a agricultura sendo sua ocupação central.

No entanto, no final de 1980, os arqueólogos descobriram uma vala comum em Talheim, na Alemanha, com sinais de assassinato brutal. Em seguida, uma outra vala comum perto de Asparn/Schletz, na Áustria, destacou ainda o fato de que a cultura da cerâmica linear se envolvida na conquista e massacre de populações civis. Uma sepultura perto de Herxheim, na Alemanha, também indicou que esse povo realizava atos de canibalismo durante certos rituais. Por fim, em Schoneck-Kilianstadten, os arqueólogos sugerem que os agricultores foram mortos a fim de aterrorizar outros moradores da área. Se foi simples terrorismo ou parte de uma guerra maior no norte da Europa, ainda não se pode determinar.

1. Ness of Brodgar

europa antiga 1
Em 2012, arqueólogos descobriram em áreas remotas das Ilhas Orkney da Escócia restos de um assentamento ocupado pela primeira vez em torno de 3.200 aC. O sítio, conhecido como Ness of Brodgar, contém algumas das mais antigas (se não a mais antiga) paredes pintadas da Europa. Além disso, a terra e a pedra do local antecedem Stonehenge por milhares de anos.

O Ness of Brodgar contém uma riqueza de artefatos relacionados com a religião neolítica das Ilhas Britânicas, que pode ser a chave para a compreensão de Stonehenge e dos vários círculos de pedra espalhados por toda a Grã-Bretanha. De acordo com um artigo escrito por Smith Roff para a National Geographic, o Ness of Brodgar estava em uso há mais de 1.000 anos. O local serviu como centro de práticas religiosas da região, dando-lhe, assim, uma função cerimonial. Embora importante, não era inteiramente original. Na verdade, na Idade da Pedra, a área já era pontilhada com megalíticos, túmulos de pedra e aldeias.

Um fato interessante, no entanto, é que Ness of Brodgar antecede a construção das pirâmides egípcias, e pode conter pistas sobre redes comerciais extensas entre as Ilhas Orkneys, o continente da Escócia e outras partes do norte da Europa. [Listverse]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 3,33 de 5)

4 comentários

  • Jean Carvalho:

    guerra entre clãs, e p/ refutar isso cita uma guerra ocorrida em 1250 aC, uma data Muito distante da Idade da Pedra!!

  • Jean Carvalho:

    Artigo interessante, mas comete alguns pecados: no item 8, fala da crença dos historiadores de q as “guerras da idade da pedra” seriam

    • Jean Carvalho:

      guerras entre clãs, e, p/ refutar isso, cita uma guerra ocorrida em 1250aC… só que essa data está muito Longe de ser uma data relativa…

  • Tibulace:

    A cidade de pedra, da Bulgária, com 1 400 sepulturas, cobria mais de 200 metros quadrados.Do tamanho de um lote de 10 x 20.Assim, é Flórida!

Deixe seu comentário!