Agora é tudo ou nada para encontrar o Bóson de Higgs

Por , em 4.04.2012

O Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês) está de volta à ativa. E este é momento decisivo para os físicos caçadores do bóson de Higgs: agora ou vai ou racha.

Embaixo dos alpes da fronteira entre França e Suíça, perto de Genebra, a maior máquina construída até hoje está se preparando para sua investida final sobre a partícula de Deus, como também é conhecido o bóson.

Ano passado, o Cern, o maior laboratório do mundo, fez um anúncio de que havia achado pistas do tão falado bóson de Higgs, o que, mais tarde, se mostrou precipitado. Nos próximos seis meses, os cientistas do laboratório irão explicar a existência da partícula ou forçar os físicos a rever alguns de seus conceitos. O LHC foi consertado e está fazendo uma série de testes antes de começar as colisões de alta energia na semana que vem.

Por quase 50 anos, a partícula – cuja existência foi inicialmente postulada em 1964 pelo físico britânico Peter Higgs – passou despercebida, já que as ferramentas científicas não eram poderosas o suficiente para detectá-la. Mas, agora, entre o labirinto de paredes do Cern, engenheiros estão preparando a ofensiva.

Os físicos, em geral, não só acreditam que o bóson está lá, como também que suas propriedades estão dentro de um certo parâmetro. Se for provado que a partícula não existe, ou que suas propriedades são diferentes do previsto, as equações precisarão ser revistas – fato que enche os físicos de nervosismo e ansiedade.

E por esse motivo, aliado à revisão do LHC nos últimos 18 meses, a atmosfera no Cern é intensa. Não é à toa que o diretor-geral do laboratório, Rolf-Dieter Heuer, já instruiu seus cientistas a acharem uma resposta sobre o bóson antes do outono (no hemisfério norte).

A pressão é tanta que os engenheiros aumentaram a potência do LHC de sete tetraeletronvolts (TeV) para oito, dando a cada partícula microscópica a potência equivalente a de um trem Eurostar viajando em velocidade máxima.

Segundo as teorias da física, Higgs é uma partícula subatômica considerada uma das matérias-primas da criação do universo e, diferente dos átomos, as partículas de Deus não teriam nenhum elemento em sua composição. Mas sua importância reside no fato de dar chancela a uma das mais aceitas teorias acerca do universo: o Modelo Padrão.

Esse modelo explica basicamente como outras partículas obtiveram massa e, de acordo com ele, o universo foi resfriado após o Big Bang, quando uma força – conhecida como Campo de Higgs – formou-se junto dos bósons de Higgs, fazendo a transferência de massa para outras partículas fundamentais.

O Cern custa 690 milhões de libras (mais de 2 bilhões de reais) todos os anos aos cofres europeus, por isso a pressão por resultados é cada vez maior, ainda mais em tempos de crise, quando cortes orçamentários são tão corriqueiros.

Assim, começa mais um episódio da reconciliação da física quântica – o mundo subatômico – e a relatividade de Einstein – o mundo de estrelas, galáxias e buracos negros –, que pode, e deve, atravessar o nosso século.[Telegraph]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

35 comentários

  • Alberto Carvalhal Campos:

    Este artigo foi escrito em 2012. Agora no final de 2017, chegaram a conclusão que o boson dito como correto era um falso boson . Estão a procura de outro. Será que vão encontrá-lo. Veja o artigo: “A quark like no other”.

    • Cesar Grossmann:

      Não, Alberto, você é que entendeu mal o artigo “A Quark Like no Other”.

  • Alberto Carvalhal Campos:

    O LHC não é indicado para detectar o boson de higgs. Ele é um esmagador de prótons. Para que serve esmagar prótons? Antes de surgir o universo, não existiam os prótons. Não existia nada e foi deste nada (energia) que surgiu o tudo (matéria). Chocar prótons não significa nada

    • Cesar Grossmann:

      Alberto, se você ler a teoria por trás do uso do LHC para encontrar o Bóson de Higgs, vai ver que faz sentido perfeitamente. Chocar prótons a altas velocidades (implicando altas energias) gera uma infinidade de partículas subatômicas, entre elas o Bóson de Higgs.

  • Alberto Carvalhal Campos:

    O LHC não é indicado para detectar o boson de higgs. Ele é um esmagador de prótons. Para que serve esmagar prótons? Antes de surgir o universo, não existiam os prótons. Não existia nada e foi deste nada (energia) que surgiu o tudo (matéria). Chocar prótons não significa nada.

    • Cesar Grossmann:

      Alberto, se você ler a teoria por trás do uso do LHC para encontrar o Bóson de Higgs, vai ver que faz sentido perfeitamente. Chocar prótons a altas velocidades (implicando altas energias) gera uma infinidade de partículas subatômicas, entre elas o Bóson de Higgs.

  • Alberto Campos:

    O melhor é procurar por: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=42133

  • Alberto Campos:

    Com relação a procura na internet, o certo é:“Com a corda no pescoço – Jornal da Ciência”.

  • Alberto Campos:

    Com relação a minha explicação abaixo, quero incluir a reportagem feita no jornal da ciência: “Com a corda no pescoço – Jornal da Ciência físico teórico Lee Smolin”, Procure com este título na internet.

  • JHR:

    Provavelmente não sera descoberto. Se existise ja o teriam feito.
    Talves a materia e o universo sejam apenas uma ilusão ou ainda, uma parte muito pequena de algo que nossos sentidos, ainda pouco desenvolvidos, não conseguem perceber…

  • Gabriel:

    se não der certo, muita coisa da física vai mudar, e muitos religiosos vão encher o saco

    • Danilo O:

      Exatamente… Se o bóson não existir, vai ser mais afetiva e radical a mudança nos princípios físicos.

  • Campos:

    Luiz / 4.04.2012
    Acredito que você está certo. A física cosmológica está tão complicada que nós nos perdemos com cálculos complexos, com teorias absurdas, etc. Já se fala numa nova física. A física de newton era a física correta. Veio Einstein e mudou tudo. Agora começa a complicar a vida dos astronomos. Só vejo lógica na relatividade de Einsten, com relação ao gps, mas acredito que deve ter outra explicação, como no caso da orbita de mercúrio,por Petr Horava e por Alexandre Correia,”Português ajuda a explicar rotação de Mercúrio”.

  • Marcelo:

    A comunidade científica deve ficar atenta, tem muita grana e egos envolidos nesta pesquisa.
    É preciso cuidado com as provas que se obtiver, afinal pode-se forjar muita coisa quando há esse tipo de pressão (financeira).

    • Cesar:

      Não acredito em fraudes envolvendo o LHC. O investimento é alto, é verdade, mas todos estão conscientes que o Bóson de Higgs pode não existir. Inventar que existe só para preservar o investimento não faz sentido, por que se for demonstrado que ele não existe, o equipamento vai ganhar um novo uso, ajudar a reformular a física.

    • EDER:

      BOA MEU CARO !!!não sou cientista , sou apenas um curioso , e minha curiosidade é a respeito da pressão exercida sobre esses pesquisadores … será pelo alto investimento , já que eles não tem concorrentes , quem sabe até se essas descobertas não possam ser usadas para fins militares , afinal isso já foi feito uma vez ( pra não citar várias ) , com a bomba atômica , que com certeza fez EINSTEIN repensar suas descobertas … ficam aí minhas curiosidades … abraço galera

    • aguiarubra:

      Por causa dos dividendos em novas tecnologias (que estão diretamente ligados aos lucros!), não há propósito no forjar fraudes: enganar a quem e por quê?

      Se acharem o bóson, Peter Higgs vai ganhar seu merecido prêmio Nobel: como ele iria colaborar com fraudes, seja para ganhar, seja para perder?

      De qualquer modo, uma nova revolução na Física (e na Ciência em geral) se avizinha. Mesmo que as fórmulações físico-matemáticas estejam “erradas” (ou incompletas) e não se acha esse bóson, só o fato de terem que re-formular com novos modelos já justificará os “poucos” bilhões de dólares investidos.

      Digo ‘poucos’ pq. na campanha americana contra os paises muçulmanos se desperdiçaram vários e vários LHC’s, o que é uma grande vergonha p´ra humanidade.

  • Roberto:

    Espero que a física seja honesta o suficiente para aceitar seus erros.

  • BossGrave:

    Na pior das hipoteses, eles saberão que tem coisa errada, e isso já é saber mais. Melhor que persistir no erro.

  • Cesar:

    Algumas correções: a potência do LHC passa a ser de 8 TERAeletronvolts, e não “tetraeletronvolts”. Quem vai ganhar a energia de um eurostar não são as partículas, mas o feixe de partículas (que contém milhões, senão bilhões de partículas cada um). A energia por partícula continua sendo minúscula, equivalente à de um mosquito em vôo.

    Eu penso que o Bóson de Higgs existe, mas é só uma opinião minha, o que vai determinar mesmo isto é o resultado do experimento. Se não encontrarem o Bóson, eu espero estar vivo quando conseguirem juntar os cacos da física moderna e criar um novo paradigma.

    • Jonatas:

      Realmente, por isso tanto investimento, o futuro do modelo atual depende disso. Também acredito na existência do Bóson dado o encaixe perfeito para fechar o quebra-cabeças do modelo, é um aposta tão forte que muitos se arriscam a considerar sua descoberta uma quase certeza, seja dessa vez ou mais adiante, mas depende-se ainda de acha-lo, e só assim se poderá entende-lo, para além daquelas propriedades que foram calculadas.

    • EDSON:

      Encaixe perfeito?

      Nesta linha de investigação, talvez, mas busquem outras e acharão outros modelos, e assim precisarão de outros novos encaixes… Não dá para se concluir algo nesse mundo de mistérios… Sou desenvolvedor de sistemas e posso criar 5 botões rosas e outros 5 botões verdes em uma tela. Se clicar nos rosas, aparecerá a mensagem “rosa” e se clicar nos verdes aparecerá a mensagem “verde”. Logo o encaixe perfeito é que botões verdes mostram “verde” e rosa mostram “rosa”. Mas eu como desenvolvedor coloquei a mensagem “surpresa!!!” em um botão rosa e a mensagem “Macaco prego!!!” em outro botão verde… Logo a conclusão inicial é falsa porque o usuário não conhece o que está por detrás… Se for no mínimo inteligente realmente me entenderá…

    • Jonatas:

      Também sou programador de computadores, seu exemplo é muito simplista em comparação ao ponto em que o modelo padrão de partículas chegou. O bóson, partícula teórica , não é uma peça de quebra cabeças “inventada” para se encaixar no jogo, ele é uma resultante de cálculos baseados nas propriedades das partículas já descobertas para completar essas equações simétricas. Seu modelo de computador devia se basear mais na lógica do que na propriedade, porque a lógica não é consequência da propriedade, a propriedade é que é consequência da lógica, acho que é isso.

    • EDSON:

      Meu modelo é simplista justamente para mostrar isso! Atingi o objetivo! Definimos que a propriedade é consequência da lógica porque no nosso escopo deveras rico e cheio de propriedades e lógica nos arremete a isso, pois tratamos tudo como uma lógica baseado em evidências, mas o que eu quis dizer que podem (eu particularmente acredito que haja) propriedades (mas usar o teu jargão) oriundas de lógicas que fogem do contexto que conhecemos pois o Universo é vasto e nem sequer ainda sabemos o que é realmente a energia escura. Sabíamos que neutrinos não tinham massa, agora mostram que podem ter, há cientistas rebatendo sobre a constância da luz… Então meu amigo, acho que o quebra cabeças ainda não será fechado com o Bóson. Eu duvidoooooo que depois de acharem o tal Bóson, se é que vão achar, estarão contentes e darão a coisa por terminada… Com certeza irão querer saber como é o Bóson, e chegará o momento que nossas máquinas não serão capazes de detectar ou medir o ínfimo da energia e continuaremos com uma grande interrogação na cabeça. Daí continuarão a criar novos multiversos, novas teorias, novas constantes e novos cálculos, etc… E a tal lógica novamente tomará novos sabores e o mistério, acredite, sempre persistirá, sempre reinará…

    • EDSON:

      Outra coisa: Se o Bóson é a tal resultante de cálculos necessária para completar o modelo, não precisariam nem procurar, pois sua existência estaria matematicamente comprovada… Sua inexistência produzirá inúmeras revisões…
      Se também encontrarem, pode ser que daqui umas décadas, quando eu e você não mais estivermos aqui, algum cientista diga que foi um erro… Pelo histórico da ciência isto é absolutamente plausível…

      É como eu digo, nada é conclusivo…

    • Jonatas:

      A primeira resposta não tenho como responder porque concordo com a maior parte dela, e à segunda, a resposta é que sim, o Bóson é uma veracidade matemática tão forte que muitos estudos e teses no mundo da astrofísica já estão feitas baseadas nela. Essa procura é por encontra-la na certeza física, e se não encontrarem, todos os estudos e teses cairão, ou, o mais provável, consideraram que o poderoso equipamento não foi efetivo o bastante e dirão que a descoberta será para mais adiante. Qualquer partícula que encontrem e não se comporte como o Bóson de Higgs, não será o bóson de Higgs…
      Foi bom conversar com um colega de profissão, espero vê-lo mais vezes aqui nesse site.
      Um abraço.

  • Theo:

    O Certo é censerto com S para quando algo esta quebrado, quando se trata de uma orquestra o certo é concerto com c

  • Jonatas:

    Esses obscuros objetos da dúvida… 😎

  • BigBraing:

    Boa sorte,LHC.

    • Luiz:

      Eu aposto que o bóson não existe!
      Desde Albert Einstein os cientistas só tem complicado e burocratizado a física. Como a matemática não suporta suas teorias criam-se cada vez mais complicações para que a matemática possa explicar. A física é simples, e quando os físicos teóricos se convencerem que a explicação mais simples é a melhor e se esforçarem para provar matematicamente isso, como fez Einstein, estaremos mais perto da verdade do que realmente a física é.

    • CLEME:

      Isso mesmo: A física é “simples” e seu determinante maior são as convergências vetoriais, o que dá a falsa ilusão da existência de alguma partícula.
      Tô contigo Luiz, tem muito físico querendo lucrar, ou manipular com reducionismos a realidade maior que é energético-quântico-vibro-escalar.

    • Cesar:

      Será que o Universo é simples o suficiente para o nosso cérebro compreender ele totalmente? Ou será que ele parece simples por que somos limitados na nossa percepção e compreensão? Até onde o que vemos é o que existe e não é o que é determinado pela capacidade do nosso olho?

    • Bruno Marques:

      Comentário muito lúcido!

  • grock:

    Sabe-se lá o que eles realmente procuram,seria realmente esse o motivo de tanta pressão aos cientistas do projeto¿ ou hà algo mais¿

  • Khajiit:

    Tenho certeza de que se, o Boson nao for encontrado, vou comecar a cortar a verba para as pesquisas do cern, seria muuuuuuuuito do mal, isso e o fato de que a galera vai ter que comecar desde o zero, de teoria em teoria.

Deixe seu comentário!