Álcool funciona como antidepressivo de ação rápida, diz estudo

Por , em 3.10.2016

Beber faz pessoas com depressão clínica se sentirem melhor? Segundo estudo publicado na revista Nature Communications, a resposta é sim, pelo menos do ponto de vista da bioquímica. Pesquisadores descobriram que o álcool produz as mesmas mudanças neuronais e moleculares que medicamentos eficazes para depressão.

“Por causa da grande ligação entre problemas depressivos e alcoolismo, existe a hipótese da automedicação, sugerindo que indivíduos depressivos podem começar a beber como forma de tratar a depressão”, diz o pesquisadora principal, Kimberly Raab-Graham, da Wake Forest School of Medicine (EUA). “Agora temos dados bioquímicos e comportamentais para dar suporte à essa hipótese”, complementa ela.

Claro isso não significa que o álcool pode ser encarado como um tratamento eficaz para a depressão. “Definitivamente há perigo em automedicação com álcool. Há limite entre o consumo que ajuda e o consumo que causa danos, e em algum momento no uso repetido a automedicação se transforma em vício”, diz Raab-Graham.

O estudo analisou animais para observar que uma simples dose de álcool bloqueia receptores NMDA (proteínas associadas com o aprendizado e memória) e atua com a proteína FMRP para transformar um ácido chamado GABA de inibidor para estimulador da atividade neural. Além disso, os pesquisadores descobriram que essa mudança bioquímica causa comportamento não-depressivo que dura pelo menos 24 horas.

“Mais pesquisas são necessárias nesta área, mas nossas descobertas dão base biológica para o instinto humano natural de automedicação. Elas também definem um mecanismo molecular que pode contribuir para que pessoas depressivas também tenham problemas com álcool”, diz ela. [Science Daily]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

5 comentários

  • Marci Jones:

    Precisa de estudo pra saber disso? Quando eu bebo eu fico legal… hahaha

    • Cesar Grossmann:

      Marci, uma coisa é achar que tem este ou aquele efeito. Outra coisa bem diferente é fazer um teste controlado e verifica a extensão do efeito, se ele existe mesmo.

  • marli miyoshi:

    Mentira isso, beber causa dependência, males no fígado, obesidade, prejudica o convívio familiar, diminuiu os reflexos.

    • marli miyoshi:

      Enfim, são milhões em prejuízo, tanto por o próprio bolso como para o bolso do governo.

    • Cesar Grossmann:

      Marli, por razões que a medicina ainda não descobriu, tem gente que bebe ocasionalmente, e não se torna dependente, não se tona alcoólatra.

Deixe seu comentário!