Chefe é chefe – uma reflexão fabulosa!

Por , em 22.04.2013

 

Um dos fundadores da sociologia, o economista alemão Max Weber, conceitua o poder como sendo toda a probabilidade de impor a própria vontade numa relação social, obstante qualquer resistência e independentemente do fundamento dessa probabilidade.

 

Um dos exemplos mais simplórios e também um dos mais anacrônicos do exercício do poder está manifestado no membro administrativo de algumas corporações, com grau hierárquico executivo identificado simplesmente como “o chefe”.

 

“O chefe” é o personagem muitas vezes caricato que, encarnando o detentor de alguma forma de poder, tem muitas vezes seu grau de hierarquia oficializado por títulos sugestivos, tais como coordenador, gerente, diretor, supervisor, etc.

 

Independentemente do título, ser chefe é ter acesso privilegiado às informações e às decisões, e também a outros instrumentos administrativos que viabilizam o exercício desse poder, tais como a promoção e a demissão de seus subordinados, por exemplo.

 

No Brasil das corporações anacrônicas é comum se ouvir nos bastidores:

 

– O chefe tem sempre razão!

– Manda quem pode – e obedece quem tem juízo!

 

E por aí vai.

 

A infelicidade de tal prática, onde chefe é chefe e subordinado é subordinado (sendo a diferença muito nítida também no montante dos salários) geralmente está acompanhada pelo autoritarismo de uma parte e a subserviência da outra.

 

Talvez uma herança atávica do feudalismo, o exercício do micro poder diário das chefias nos convida a um questionamento filosófico também sobre o exercício diário da ética, que se traduz, na interpretação de muitos filósofos modernos, como sendo simplesmente o exercício da moral.

 

Muitos chefes possuem um poder circunstancial. Mandam mas não lideram.

 

E talvez por falta dessa mesma liderança ameacem, intimidem e se transmigrem amiúde na versão tragicômica de pequenos tiranos.

 

Em síntese: um rato que ruge.

 

E o que é pior, é que muitos desses chefes tiranos brotaram do plano comum de seus subordinados.

Quando então promovidos simplesmente “mudam de lado”.

 

Talvez porque na maioria das corporações onde exista um chefe tirano, também existam subordinados que trabalhem direito apenas quando contam com uma “severa” supervisão.

 

Flagra-se, portanto, a carência de moral, tanto de uma parte como de outra.

 

Qual é a solução?

 

Melhorando-se o subordinado, transformando-o em colaborador se melhoraria também a chefia?

 

Ou trocando-se um chefe por um verdadeiro líder, a coisa toda mudaria de figura?

 

Será?

Ou é do indivíduo que temos de falar – antes de mais nada?

 

Para concluir este artigo e suscitar essa fabulosa reflexão – quero apresentar aqui minha releitura recorrente de uma das “Fábulas Fabulosas” de Millôr Fernandes:

 

“O rato que tem medo”

 

A história é bem simples. Um rato que depois de muito sofrer pede para um grande mágico transformá-lo em um gato. Não suportava mais ser perseguido e intimidado.

 

Nem bem foi transformado, ironicamente, passou a perseguir todos os ratos que encontrou. Porém, com inédita crueldade e efetiva precisão. Afinal conhecia com propriedade o modus operandi destrutivo dos ratos.

 

Viveu satisfeito até encontrar um cão – que então o persegue.

 

Implora mais uma vez para que mágico o transforme, dessa vez em um cão, e assim, por efeito da magia vai subindo sucessivamente a escala zoológica até chegar na iminência de ser transformado em ser humano.

 

Nessa passagem, o mágico, numa peripécia o transforma novamente num rato.

 

– Mas por que voltei a ser rato?  – pergunta o animal, transbordando frustração.

 

É com a sabedoria típica das fábulas que o Grande Mágico responde:

 

– De que adiantaria para o mundo mais um Homem com “coração de rato”!

-o-

[Leia os outros artigos de Mustafá Ali Kanso]

 

LEIA SOBRE O LIVRO A COR DA TEMPESTADE do autor deste artigo

À VENDA NAS LIVRARIAS CURITIBA E ARTE & LETRA

Navegando entre a literatura fantástica e a ficção especulativa Mustafá Ali Kanso, nesse seu novo livro “A Cor da Tempestade” premia o leitor com contos vigorosos onde o elemento de suspense e os finais surpreendentes concorrem com a linguagem poética repleta de lirismo que, ao mesmo tempo que encanta, comove.

Seus contos “Herdeiros dos Ventos” e “Uma carta para Guinevere” foram, em 2010, tópicos de abordagem literária do tema “Love and its Disorders” no “4th International Congress of Fundamental Psychopathology.”

Foi premiado com o primeiro lugar no Concurso Nacional de Contos da Scarium Megazine (Rio de Janeiro, 2004) pelo conto Propriedade Intelectual e com o sexto lugar pelo conto Singularis Verita.

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 4,50 de 5)

10 comentários

  • meshlan:

    O texto acima de “O rato que tem medo” é 100% de sua autoria ? Estou a procura da publicação original de “O rato que tem medo” do Millôr …

  • Edson Leal:

    nao sei pq, mas minha foto que aparece na barra preta do hypescience é a foto da Marisa Rocha

  • Genioso Irreligioso:

    “Nem bem foi transformado, ironicamente, passou a perseguir todos os ratos que encontrou. Porém, com inédita crueldade e efetiva precisão. Afinal conhecia com propriedade o modus operandi destrutivo dos ratos. ”

    Concordo plenamente com a passagem acima! meu atual patrão é o f.d.p. que é hoje porque antes foi peão… conhecia com propriedade o modus operandi! =P

  • grasisuperstar:

    Sr. Mustafá um novo questionamento filosófico sobre ética e moral é importante, mas nada muda o ditado que diz: Dê um cargo de chefia pra uma pessoa e você conhecerá a verdadeira personalidade dela.

    PERGUNTA: O LIVRO “A COR DA TEMPESTADE SÓ É VENDIDO EM CURITIBA?
    NAS LIVRARIAS DA MINHA CIDADE EU NÃO ENCONTRO. Abraço

  • Carlos Ferreira:

    Ponto de vista interessante, onde o cerne da questão não se localiza na hierarquia em si, mas nos indivíduos.

  • James Dean Silva Oliveira:

    Gostei dessa do rato, o mundo está realmente cheio, KKKKKK!

  • Thiago Alexandre Dos Santos:

    Perfeito o texto !!!!

  • Marcilene Almeida:

    E o que tem de chefes ratos por ai! Muito bom o artigo Mustafa!

  • Marisa Rocha:

    Exatamente!
    Que raciocínio fantástico…

Deixe seu comentário!