Planeta com dois sóis: novo mundo está se formando em torno de estrelas binárias

Por , em 15.02.2016

Os astrônomos observaram uma “abertura” no gás em torno de um par de estrelas. Esse buraco pode ser um planeta em formação, o que proporciona aos cientistas uma excelente oportunidade de compreender esse fenômeno.

Um planeta com dois sóis

Se for o caso, esse planeta é ainda mais interessante de observar porque, quando formado, vai possuir dois sóis.

A ficção científica adora a ideia de planetas com dois sóis, de Tatooine a Magrathea. Até recentemente, porém, os astrônomos achavam que tais mundos eram raros, existindo apenas onde estrelas estivessem tão próximas que poderiam ser orbitadas como um único objeto, ou tão distantes que um dos sóis seria apenas uma estrela brilhante no céu.

Agora, os cientistas sabem que existem planetas em uma ampla gama de sistemas binários. O novo estudo pode ajudar a elucidar melhor a formação desses mundos.

ALMA

A observação foi feita com o ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array), o conjunto de telescópios de rádio que fica no deserto do Chile.

“Este sistema binário tem sido conhecido por abrigar uma coroa de formação planetária de poeira e gás”, disse um dos pesquisadores do estudo, Dr. Andrea Isella, da Universidade Rice, em um comunicado. “As novas imagens do ALMA revelam detalhes inéditos sobre os processos físicos que regulam a formação de planetas em torno deste e talvez muitos outros sistemas binários”.

O sistema, chamado de HD 142527, está a 450 anos-luz de distância de nós e é parte da Associação Scorpius-Centaurus de jovens estrelas que se formaram juntas, e que agora estão se separando. Elas são um bom corpo de pesquisa para astrônomos que querem estudar a criação de planetas.

Duas estrelas

A maioria dos discos protoplanetários são simétricos, mas HD 142527 tem uma nuvem de poeira em forma crescente, o que os astrônomos pensam ser um resultado do campo gravitacional complexo de duas estrelas em órbita em torno de si.

A estrela primária tem mais de duas vezes a massa do sol. A secundária, que orbita a uma distância maior do que a de Saturno em relação ao sol, tem um terço da massa do nosso astro-rei, o que faz dela centenas de vezes mais fraca.

Processo complexo

planeta em formacao sistema binario 2
A falta de gases dentro do arco avermelhado é provavelmente o resultado de monóxido de carbono – o gás dominante no resto do sistema – congelando em grãos de poeira.

“A temperatura é tão baixa que o gás se transforma em gelo e gruda nos grãos”, disse Isella em outro comunicado. “Isso é importante para a formação do planeta. A poeira sólida precisa ficar junta para formar um corpo maior que acabará por atrair mais rocha e gás gravitacionalmente”.

Rochas não costumam grudar umas nas outras. Outros materiais, como neve, costumam. Então, quando forma um manto de gelo em torno dos grãos, isso aumenta a sua capacidade de ficar juntos.

“No caso, onde o vermelho na imagem é mais brilhante, a densidade da poeira é maior”, explica Isella. “E onde encontramos um aglomerado de poeira densa, as moléculas de monóxido de carbono desaparecem”. [IFLS]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

Deixe seu comentário!