Combustível a partir do ar: empresa afirma fazer o que parece ser impossível

Por , em 22.10.2012

Se você considera milho um material “estranho” para ser usado na produção de combustível, o que acha de… “ar”? Isso mesmo: representantes da companhia inglesa Air Fuel Synthesis afirmam que serem capazes de produzir combustível a partir de ar – usando um processo que pode reduzir os níveis de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera.

E como é o “processo milagroso”? Primeiramente, eles misturam hidróxido de sódio (NaOH, conhecido como soda cáustica) com dióxido de carbono, produzindo carbonato de sódio (Na2CO3). Por meio de eletrólise, os cientistas obtêm então uma forma mais pura de dióxido de carbono, que é misturado com hidrogênio para produzir metanol (um tipo de álcool). Finalmente, o material vai para um reator e se transforma em gasolina.

Contudo, ainda é um pouco cedo para se falar em “enfrentar a crise energética” com esse processo: em três meses, uma “pequena refinaria” mantida pela companhia produziu apenas cinco litros de combustível. A empresa afirma que tem planos de construir uma estrutura maior nos próximos dez anos, que seria capaz de produzir (teoricamente) uma tonelada de gasolina por dia.

“Parece bom demais para ser verdade, mas é real”, aponta Tim Fox, da Instituição de Engenheiros Mecânicos em Londres. “É uma pequena planta piloto capturando ar e extraindo CO2 com base em princípios conhecidos. Ela usa componentes bem conhecidos e estabelecidos, mas o que é excitante é que foram capazes de juntar tudo e mostrar que o processo funciona”.

O custo para se produzir “gasolina aérea” ainda é elevado, e a Air Fuel Synthesis não revelou os possíveis preços do material.[Gizmodo]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

10 comentários

  • Jorge Franco:

    Certo! Qual o grau de comprometimento ambiental da extração de CO2 da atmosfera? Curto prazo, médio e longo prazo.

  • Lucas Barbieri:

    Primeiramente é plausível sim estimar o preço pelo numero de rações, uma vez que quanto maior o numero de reações menor o rendimento final. Por outro lado, podemos relacionar o preço com o tipo de reação e nesse caso “eletrólise não é barata”. O problema para a utilização de hidrogênio é o armazenamento, e a instabilidade desse combustivel.

  • Lucas Moraes:

    Assim como naquele projeto do cientista alemão que, com o apoio do governo do Rio Grande do Sul, teve sucesso na década de 70/80 em criar um motor que rodasse com 50% água e 50% etanol (e conforme seus estudos progrediam o motor passava a funcionar com cada vez mais água ao invés de etanol). Porém quando este motor estava pronto para ser comercializado que começaram os impasses, quem sabe por parte dos grandes petroleiros..

  • Guilherme Euripedes:

    Com certeza um dia eles conseguirão. Mas não antes dos senhores do petróleo mudarem de ramo e apoiarem/deixarem de sabotar estas pesquisas.

  • Richard Fontana:

    Evidenciar no texto acima que não indicam os valores e custos deste tipo de atividade.
    Utilizar hidróxido de sódio para obter-se posteriormente um dióxido de carbono puro e transformá-lo em metanol para depois sua transformação em gasolina … caramba !!! O custo disto tudo será extratosférico.

    • Victor B. Iturriet:

      ou não, analizar o preço apenas pelo numero de reações necessárias é incorreto. digo isso pois faço curso técnico em química, e muitas operações necessitam vários passos simples e baratos

  • Nexus Dinki:

    Excelente notícia. Vamos ver até quando vai durar quando uma gigante do petróleo pensar que isso é uma ameaça. Vao comprar as patentes, fechar tudo e engavetar o projeto hehee.

  • Paulo Bradock Mattos:

    MATÉRIAS FANTÁSTICAS E DE MUITO BOM GOSTO,FICAMOS SEMPRE A ESPERA DE ALGO NOVO E VOCES NOS DEIXAM A VONTADE COM SEUS ARTIGOS QUE NOS FAZ PENSAR O VALOR QUE TEM PESSOAS QUE TRABALHAM EM PRÓL DA CIÊNCIA DE DAS PESSOAS,SINTO-ME AGRACIADO EM PODER LER TUDO QUE VOCES NOS OFERECEM E COM CREDIBILIDADE QUE SEI QUE ESSE JORNALISTA TEM. GUILHERME MUITO OBRIGADO.
    Paulo T. Mattos é graduando em gestão ambiental e assiduo do Hyperciência.

  • Elizeu Moreschi:

    Usam hidrogênio para produzir gasolina.
    Não seria menos trabalhoso usar o próprio hidrogênio como combustível?

    • Victor B. Iturriet:

      o gás hidrogênio (H2) não é abundante na terra, necessita-se de reações para consegui-lo.

Deixe seu comentário!