Especialistas em comportamento felino ensinam como fazer um gato gostar de você

Por , em 24.08.2018

Se você encontrar um cão pela primeira vez e tentar acariciá-lo, provavelmente não terá problemas. O cão típico confia nas pessoas quase instantaneamente. Já o gato típico deve ser conquistado.

Existem estratégias que você pode usar para fazer um gatinho confiar em você, ou gostar de você. Veja o que três especialistas em comportamento felino têm a dizer:

Trate o gato como um animal selvagem

Os cães são domesticados há muito mais tempo que os gatos. Conforme explica Tom McNamee, autor de “The Inner Life of Cats”, humanos criam cães há 100 mil anos, enquanto gatos só convivem conosco há 5 mil anos. Aliás, até pouco tempo, não fazíamos criação seletiva de felinos, do tipo que transformou os lobos em centenas de raças de cães especializadas. Nós só mantemos gatos de estimação em casa nos últimos dois séculos. Então eles não são tão diferentes uns dos outros, ou do seu ancestral selvagem.

“Gatos não são cachorros”, afirma Jackson Galaxy, autor de “Total Cat Mojo” e apresentador do canal Animal Planet. “Eu sei que parece insultuoso, mas sempre olhamos para os gatos como se fossem cachorros”. Mas eles não são, então nada de achar que você pode chegar colocando a mão em um. Isso significa um processo de introdução muito mais lento. Além disso, respeitar o fato de que o animal ainda tem muitos instintos de caçador.

Um gato começa a captar sinais assim que entra em uma casa. Ele pode sentir o cheiro de outros animais em você, até mesmo de cães, esclarece Mieshelle Nagelschneider, autora de “The Cat Whisperer”. Se puder, tente não aparecer perto de um gato cheirando a outros animais. Se estiver a fim de se esforçar, você pode borrifar seus sapatos com um feromônio como Comfort Zone ou Feliway. Estes são geralmente vendidos como sprays ou difusores para desencorajar comportamento territorial, o que significa que tem um efeito de acalmar o gato.

Por fim, evite bloquear qualquer saída percebida. Gatos são territoriais e cautelosos. Posicione-se como um aliado em vez de uma ameaça.

Aja como alguém que “não gosta” de gatos

Pessoas alérgicas e amantes de gatos rejeitados concordam: parece que os gatos sempre se dirigem para a pessoa que não quer sua companhia.

De acordo com McNamee, isso faz sentido, porque todos os movimentos usuais que os amantes de gatos fazem, como caminhar em direção ao gato fazendo ruídos, são contraproducentes.

Agir como alguém que “não gosta” de gatos é simplesmente evitar parecer uma ameaça para eles:

  • Não olhe o gato nos olhos, nem ande direto em direção a ele. Espere o gato vir até você;
  • Não fique em cima do gato. Afunde os ombros, coloque as mãos no colo ou sente-se no chão. Se não for o dono do gato, fique perto do proprietário, para que o animal tenha a ideia de que você é um aliado;
  • Não faça barulho. Fale baixo;
  • Não estenda a mão para ele. Uma vez que um gato se acostumar com a sua presença, ofereça gentilmente um dedo para ele cheirar. O ideal é não apontá-lo, mas realizar um movimento que Galaxy chama de “Michelangelo”, onde você balança a mão com um dedo pendurado. A ponta do dedo parece um nariz de gato, e o próprio animal se aproxima (confira o vídeo abaixo para entender melhor);

  • Não se apresse. Preste atenção ao gato. Não tente acariciar a barriga ou o topo da cabeça. Comece pelas bochechas e atrás da orelha, locais onde os gatinhos são lambidos pela mãe;
  • Mesmo quando um gato está se esfregando em você, “isso não é necessariamente um convite para acariciá-lo”, diz Nagelschneider. Se você avançar cedo demais, poderá quebrar a confiança do gato;
  • Não desista. Galaxy conta que tem muitos primeiros encontros ruins com gatos, mas quase sempre consegue conquistá-los.

Ative o modo caçador

Outra dica para ganhar a confiança de um gato é brincar com ele usando objetos com cordas ou que permitam que o gato mantenha uma certa distância enquanto interage com você. “É uma estratégia preventiva para manter o medo fora da equação”, afirma Nagelschneider. “Isso ajuda os gatos a se sentirem confiantes e relaxados ao seu redor”.

O felino vai curtir mais a brincadeira se você imitar o comportamento de uma “presa”. Você pode fazer o animal perseguir o brinquedo em pontos interessantes, como atrás do sofá. A brincadeira não conquista instantaneamente todos os gatos, mas pode ajudar. O ideal seria tentar o método de jogo depois de já ter estabelecido alguma confiança.

Você também pode optar por suborno direto. Coloque um petisco no chão, a certa distância, novamente evitando contato direto que poderia parecer um confronto. Alimentar o gato com sua refeição normal é outra grande oportunidade. “Coloque a comida em seu lugar habitual e, em seguida, sente-se ao lado dele”, diz McNamee.

Ajude as visitas a conquistarem seu gato

Se você é dono de um gato, há algumas coisas que você pode fazer para ajudá-lo a se relacionar melhor com os visitantes.

Por exemplo, pode reservar uma guloseima para ocasiões especiais. Galaxy explica que não há “nada de errado com suborno”. Talvez separe um petisco que somente convidados podem dar a seu gato. Idealmente, a visita de um convidado deve ser como uma visita do Papai Noel.

Além disso, como proprietário, você pode dizer às pessoas o que fazer ou não fazer perto de seu gato. Pode parecer chato, mas não há problema em proteger seu animal de estimação. Boas dicas vão deixar tanto a visita quanto o felino mais confortáveis.

Crie um gato amigável

O medo está sempre presente em um gato, defende McNamee. “Eles são muito facilmente assustados. Então, se você puder organizar suas vidas para que eles não fiquem com medo, isso tornará tudo mais fácil”.

Ler livros como os desses especialistas pode te ajudar a criar um melhor ambiente para seu animalzinho.

A maior parte do comportamento do gato é definido durante a sua infância. “Há uma certa maneira de criar filhotes que lhe dará um gato domesticado muito mais amigável”, diz McNamee.

Um estudo subestimado, abordado em seu livro, indica que os gatinhos manuseados com uma ou duas semanas de idade (em vez das sete semanas padrão) são melhor socializados quando adultos. Ele também recomenda que os gatos fiquem com a mãe pelas primeiras 12 a 16 semanas, em vez de serem levados depois de apenas sete.

Um filhote bem socializado é a melhor maneira de tornar um adulto amigável. Depois disso, é muito mais trabalho para os amantes de gato. [LifeHacker]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (30 votos, média: 4,80 de 5)

Deixe seu comentário!