Efeito Lucy – Usamos apenas 10% de nossa capacidade cerebral?

Por , em 8.09.2014

Efeito Lucy

Se você não ficou vivendo em uma caverna nos últimos 20 anos você muito provavelmente já sabe que esse argumento utilizado no filme Lucy, que estreou nos cinemas na semana passada, de que usamos apenas 10% da nossa capacidade cerebral é balela.

Lucy – o filme

No entanto Luc Besson, em seu estilo de direção histriônico usa como principal pilar de seu esburacado enredo essa argumentação requentada e extraída de uma antiga lenda urbana.

Apesar do pacto ficcional não ser nada convincente, as interpretações de Scarlett Johansson  e Morgan Freeman o são.

Daí o filme conseguir decolar, mesmo derrapando, por vezes, na difícil conciliação entre a velocidade e a violência dos filmes de ação com a fantasia e a contemplação estética das histórias em quadrinhos.

A protagonista Lucy vivida por Scarlett Johansson transforma-se numa ultra-hiper-super-heroína que é gestada pela violência do mundo do crime e vivencia peripécias de tirar o fôlego.

O que falta em verossimilhança no enredo sobra em cenas de ação no roteiro — numa escalada alucinante, imprevisível e até absurda.

quadrinho - divulgacao

Tudo eficientemente costurado por tecnobaboseiras pseudocientíficas que, por meio de uma direção atenta, não tiram da narrativa sua velocidade ou sua beleza plástica.

O resultado, obviamente, é um mosaico caótico e surpreendente que tangencia o trash e o cult e como de praxe abre possibilidades para continuações — muito a gosto das grandes produções de Hollywood.

Em síntese, o filme é como um bom suflê: pouco nutritivo, quase sem consistência — porém — delicioso para quem, como eu, gosta desse tipo de cardápio.

Lucy – A primeira mulher

Particularmente, entre as coisas que mais gostei no filme, destaco aqui em primeiro lugar a homenagem feita à arqueologia.

O uso do nome Lucy é intencional e se reporta ao fóssil de uma fêmea do Australopithecus afarensis de cerca de 3,2 milhões de anos, descoberto na Etiópia na década 1970  pelo antropólogo americano Donald Johanson e seu colaborador, o estudante Tom Gray.

Na ocasião batizaram o referido hominídeo com o nome “Lucy” em referência à canção “Lucy in the Sky with Diamonds” sucesso da época e de autoria dos Beatles.

Benson usa a brincadeira dos Beatles com a sigla LSD ( Lucy, Sky, Diamonds) um dos inúmeros easter eggs do filme, para contrapor o ácido lisérgico a uma droga sintética usada como argumento principal da trama. Além disso, ele faz uma metáfora entre a protagonista de seu filme e a primeira das mulheres a dar o mais significativo passo evolutivo.

Lucy - esqueleto e reconstituição

Lucy – esqueleto e reconstituição

O destaque se dá pelo fato de que a primata Lucy (presente nas primeiras cenas do filme usando as mãos em concha para beber água), além de ser por muito tempo considerada o hominídeo mais antigo até então descoberto se tornou célebre por apresentar estrutura esquelética adaptada ao andar ereto — deixando as mãos livres para fabricar e usar utensílios – um marco na linha evolutiva humana.

Consequentemente, com a descoberta posterior de outros fósseis mais antigos — como o do Ardipithecus ramidus descoberto em 1982 — Lucy perdeu o título de hominídeo mais antigo e não pode ser considerada a “primeira mulher” como insinuado no filme de Benson (mais um furo em sua peneira narrativa).

Cérebro subutilizado

Outro aspecto do filme que me chamou a atenção foi esse contraponto da mitologia urbana dos 10% da capacidade cerebral com a realidade das pesquisas em neurociência – principalmente a neurofisiologia.

Muitos dos meus alunos assistiram ao filme e tiveram sua curiosidade atiçada para esse aspecto do funcionamento de seu próprio cérebro.

Em minha opinião, é exatamente aí que reside o principalíssimo papel da ficção científica — proporcionar saudáveis discussões sobre o que existe de realidade na ficção e vice-versa.

E esse tema — neurofisiologia — principalmente a fisiologia da cognição é um dos mais palpitantes e desafiadores.

Assim me restrinjo apenas a apresentar, aqui, algumas evidências científicas que refutam a tese principal do filme que afirma que só se utiliza um décimo da capacidade do cérebro, de modo que grande parte dele fica inativa ou subutilizada.

Segundo o apresentado no enredo, se todo o cérebro fosse utilizado, o indivíduo desfrutaria de habilidades sobre-humanas, argumentando que a porção inativa do cérebro abrigaria habilidades cognitivas superiores — além de funções psicocinéticas— e todo um arsenal de percepções extra-sensoriais e outros dotes psíquicos extraordinários.

Insinuando também que algumas pessoas superdotadas intelectualmente usariam mais do que 10% do cérebro — como o atribuído a gênios da envergadura de Albert Einstein e Margaret Mead.

Sabemos que a capacidade intelectual de um indivíduo pode ser aumentada ao longo do tempo, no entanto essa crença de que grande parte do cérebro não é utilizada e, que o ser humano médio só faz uso de até 10% de seu potencial efetivo não tem nenhuma base científica.

De acordo com as pesquisas do neurologista Barry Gordon “o ser humano usa cada parte do cérebro” e o PhD em psicologia Barry Beyerstein estabelece um conjunto de evidências que corroboram essa constatação.

Aqui apresento algumas:

1. As avaliações das sequelas em acidentados atestam que perdas de massa cerebral por menores que sejam afetam significativamente toda a fisiologia do sistema nervoso produzindo na maioria das vezes efeitos devastadores e permanentes.

2. O cérebro consome 20% do oxigênio inalado e corresponde em massa a apenas 2% do corpo de um adulto. Ora se 90% do cérebro fosse desnecessário para as funções de um ser humano normal haveria grande vantagem evolutiva em seres humanos com cérebros menores e mais eficientes. Por exemplo, o parto de uma criança com um crânio 90% menor apresentaria um risco de insucesso significativamente menor, logo prevaleceria como consequência da seleção natural.

3. Exames de ressonância magnética e tomografia por emissão de pósitrons (PET) revelam que, mesmo durante o sono ou o coma mais profundo, todas as partes do cérebro mostram-se em atividade, mesmo àquelas destinadas à motricidade.

4. O cérebro apresenta áreas distintas e especializadas para diferentes tipos de processamento de informação. Décadas de pesquisas têm desvendado esse mapa de funções cerebrais e até agora não foram encontradas nenhuma área, em nenhum momento da história individual, cuja atividade cerebral pudesse ser negligenciada.

5. Pela avaliação de danos cerebrais promovidos pelo uso de drogas recreativas e também por sequelas produzidas por doenças incapacitantes constatou-se que toda a célula nervosa do organismo que não é utilizada se degenera e é descartada naturalmente. Por isso, se 90% do cérebro fosse inativo, ou subutilizado, autópsias de cérebros adultos revelariam degeneração correspondente ou pelo menos equivalente à essa subutilização. Coisa que nunca foi observada.

Que pena!

A ciência parece querer frear a nossa imaginação e também estragar os negócios milionários de muitos “especialistas” que criam manuais e técnicas para ativar os outros 90%.

No entanto eu quero olhar esse assunto com bons olhos.

Talvez essa mitologia queira explicar o porquê do comportamento tão pouco inteligente da humanidade ao longo de sua história: guerras, ambição desenfreada, violência doméstica, drogas, preconceito, poluição, etc. — não é coisa de gente inteligente. Ou é?

Quem sabe com o desmentido, uma outra mitologia mais plausível tenha que surgir rapidamente para preencher essa lacuna e saciar nossa sede de explicação.

Eu serei o primeiro à lança-la.

O ser humano tem usado plenamente o seu cérebro. Isso é fato.

O que está sendo pouco utilizado — em verdade — é o seu coração.

Cada indivíduo tem usado apenas 25% de sua capacidade de amar.

Amando a si mesmo e ao dinheiro acima de todas as coisas.

Quanto a amar a natureza, ao semelhante, ou a Deus por exemplo — bem — isso fica para a próxima etapa evolutiva!

Simples assim.

Artigo de Mustafá Ali Kanso 

-o-

[Leia os outros artigos  de Mustafá Ali Kanso  publicado semanalmente aqui no Hypescience. Comente também no FACEBOOK – Mustafá Ibn Ali Kanso ]

-o-

LEIA A SINOPSE DO LIVRO A COR DA TEMPESTADE DE Mustafá Ali Kanso

[O LIVRO ENCONTRA-SE À VENDA NAS LIVRARIAS CURITIBA E SPACE CASTLE BOOKSTORE].

Ciência, ficção científica, valores morais, história e uma dose generosa de romantismo – eis a receita de sucesso de A Cor da Tempestade.

Trata-se de uma coletânea de contos do escritor e professor paranaense Mustafá Ali Kanso (premiado em 2004 com o primeiro lugar pelo conto “Propriedade Intelectual” e o sexto lugar pelo conto “A Teoria” (Singularis Verita) no II Concurso Nacional de Contos promovido pela revista Scarium).

Publicado em 2011 pela Editora Multifoco, A Cor da Tempestade já está em sua 2ª edição – tendo sido a obra mais vendida no MEGACON 2014 (encontro da comunidade nerd, geek, otaku, de ficção científica, fantasia e terror fantástico) ocorrido em 5 de julho, na cidade de Curitiba.

Entre os contos publicados nessa coletânea destacam-se: “Herdeiro dos Ventos” e “Uma carta para Guinevere” que juntamente com obras de Clarice Lispector foram, em 2010, tópicos de abordagem literária do tema “Love and its Disorders” no “4th International Congress of Fundamental Psychopathology.”

Prefaciada pelo renomado escritor e cineasta brasileiro André Carneiro, esta obra não é apenas fruto da imaginação fértil do autor, trata-se também de uma mostra do ser humano em suas várias faces; uma viagem que permeia dois mundos surreais e desconhecidos – aquele que há dentro e o que há fora de nós.

Em sua obra, Mustafá Ali Kanso contempla o leitor com uma literatura de linguagem simples e acessível a todos os públicos.

É possível sentir-se como um espectador numa sala reservada, testemunha ocular de algo maravilhoso e até mesmo uma personagem parte do enredo.

A ficção mistura-se com a realidade rotineira de modo que o improvável parece perfeitamente possível.

Ao leitor um conselho: ao abrir as páginas deste livro, esteja atento a todo e qualquer detalhe; você irá se surpreender ao descobrir o significado da cor da tempestade.

[Sinospse escrita por Núrya Ramos  em seu blogue Oráculo de Cassandra]

Último vídeo do nosso canal: 4 dias infalíveis da ciência para dar o PRESENTE PER

14 comentários

  • Tulhyo Fernandes:

    Boa parte das funções cerebrais não estão sob o controle da mente consciente, talvez seja essa uma melhor interpretação.

  • Wagner Barbosa:

    Penso que o filme ou a lenda, não está falando de usar 100% do cérebro, mas, 100% da “capacidade” deste.

    • Aline.111:

      E não é babozeira, são hipóteses

  • Sapientiae mentis:

    A neurofisiologia possui ainda campos obscuros sem muitos esclarecimentos em mecanismos básicos , tal como , a liberação de neurotransmissores através da entrada de íons cálcio no terminal pré- sináptico (porém há uma série de explicações plausíveis) . A neurociência hoje ainda é “rústica” e estamos apenas iniciando uma longa trajetória para conseguir realmente elucidar certos pontos com o auxílio da tecnologia , como por exemplo o uso da neuroimagem.

    • Aline.111:

      Assim como partes do corpo que não sentimos, memórias antigas…

  • Wanda Regina Laguna:

    O artigo é bom, bem escrito gostei muito. Alguns post são tão superficiais que me deixam frustrada. Interessei-me pelo livro a Cor da Tempestade mas gostaria de adquiri-lo em EPUB para ler no ereader. Estou evitando comprar livro de papel: não tenho mais espaço. Se alguem puder me ajudar. Encontrei em PDF mas não gosto deste formato para livros mais longos. Obrigada.

  • arturfreddy:

    Excelente artigo! Parabéns! Muito bem estruturado, lê-se de modo fluído e muito agradável.

  • Lucas Cardoso:

    Interessante, realmente essa ideia de que usamos 10% do cérebro não faz sentido algum, porém quando penso nessa ideia penso de forma diferente.
    Vejo o nosso cérebro como um motor de um Bugatti, vc está dirigindo o carro, está a 70km/h e dá uma acelerada e vai até 100km/h, depois diminui, e fica nessa, vc está usando 100% do motor, todos os cilindros etc, mas não toda capacidade, agora se vc pegar e acelerar de 70 para 400km/h em 3 segundos, ai sim você está aproveitando seu motor a 100%.

  • Cesar Grossmann:

    Eu acho que realmente o ser humano usa 10% de sua capacidade mental. Não 10% do cérebro, já está comprovado que todos usamos 100% da capacidade cerebral, mas quando deixamos de percorrer certos caminhos mentais, quando nos deixamos levar por tabus e opiniões baseadas em senso comum, quando andamos distraídos pela vida, sem notar suas mudanças, sem perceber sequer que estamos vivos, estamos deixando de usar 90% da capacidade do nosso cérebro. Temos, mas não usamos.

    • Ronaldo da Silva:

      Concordo com a sua opinião Cesar, realmente usamos toda a nossa capacidade cerebral e muito pouco de nossa capacidade mental.

      Pensando na Mente como o resultado emergente do todo processamento de informação no cérebro, a maior parte da carga sensorial que percebemos fica inconsciente, dos Terabytes de informação sensorial gerados, muito pouco se torna informação consciente.

      Por isso concordo que talvez usemos apenas 10% de nossa capacidade mental.

    • Marcelo Bellissimo:

      Mustafá, vou ter que te contradizer… quer uma prova de que só usamos 10%? Confundir o “potencial” do cérebro com “área ativa” do cérebro é uma delas… não é porque nosso cérebro é utilizado “por completo”, que nós conseguimos extrair dele todo o potencial… não existe essa comparação, são duas grandezas distintas.

      Mas o resto do texto, especialmente o final, onde você cita a necessidade de usarmos mais o coração, acho totalmente válido! Essa é a chave dos “100%”, creio eu…

    • Lizzard Medeiros:

      Exatamente isso que eu ia comentar! Mas acredito que o ser humano comum usa bem menos de 10% de sua capacidade mental, uma vez que uma pessoa dedicada poderia aprender várias línguas, artes, ofícios por exemplo. Imaginem um ser humano que desde cedo é estimulado por seus pais a ouvir boas músicas, praticar esportes, ler bons livros, respeitar as diferenças e etc! Pra mim este seria considerado sim um super herói sobre-humano, dependendo do ponto de vista, até melhor que a Lucy do filme!

    • Cesar Grossmann:

      Só quero ressaltar que não acredito que usar 100% do potencial do cérebro vá “liberar talentos ocultos”. Você pode treinar a memória, pode afiar a capacidade de raciocínio, pode liberar a imaginação, pode se desprender e realmente amar, mas você nunca vai levitar, comunicar-se telepaticamente, atravessar paredes, ou coisa do tipo.

      Não se trata de liberar “novos talentos”, mas utilizar os que temos ao seu potencial completo, ou próximo disso.

    • Mustafá Ali Kanso:

      Caríssimos leitores,

      Por mais que eu fique tentado a entrar nessa discussão, gostaria que relessem o artigo e percebessem:

      1) que estou contrapondo os argumentos apresentados no filme de Benson;

      2) que estou utilizando o que a ciência tem a dizer sobre sobre tais argumentos;

      3) opiniões ou crenças pessoais, ideias fundamentadas no senso comum, etc. são bem vindas desde que o leitor as entenda como apenas isso e não as queira apresentar como verdades inquestionáveis.

      [ ]s

Deixe seu comentário!