Pode ser que tenhamos descoberto uma vacina contra Alzheimer

Por , em 22.01.2019

A empresa de biotecnologia United Neuroscience criou uma promissora vacina contra o Alzheimer, chamada de UB-311.

Em um pequeno estudo clínico, 96% dos pacientes demonstraram melhoras nos sintomas da doença, sem efeitos colaterais graves.

O sonho da vacina

Ao longo das últimas décadas, diversas vacinas se mostraram esperançosas para certos pacientes, mas tiveram efeitos colaterais devastadores para outros, como inchaço no cérebro, por exemplo.

Agora, uma startup de Dublin, na Irlanda, pode estar no caminho certo. A United Neuroscience certamente ainda não curou o Alzheimer. No entanto, os pacientes que receberam sua vacina demonstraram melhora na função cerebral e uma redução na placa proteica que atrapalha seus neurônios.

O estudo clínico concluído ano passado testou a vacina em 42 pacientes com comprometimento cognitivo leve que pareciam estar nos estágios iniciais do Alzheimer. O grupo de controle recebeu um placebo, enquanto outros dois grupos receberam três injeções da vacina e depois novas doses a cada três ou seis meses ao longo de um ano e meio.

“Estamos nos saindo melhor do que o placebo em todas essas coisas”, disse a presidente-executiva Mei Mei Hu. “Não podemos afirmar nada ainda, mas estamos apontando em todas as direções corretas”.

Como funciona

Os cientistas não têm certeza do que causa ou agrava a doença de Alzheimer, mas há vários suspeitos principais: amiloide, um grupo de proteínas que se acumula ao longo do tempo e se agrupa de maneiras que causa estragos no cérebro; tau, outra família de proteínas com problemas semelhantes; e inflamação em geral.

A vacina da United estimula o sistema imunológico do paciente a atacar a amiloide, que alguns pesquisadores acreditam ser a principal causa da condição. O trabalho da vacina é retardar o acúmulo de proteínas e, se possível, reverter alguns danos e restaurar a função cerebral.

Embora o pequeno número de pacientes impeça os pesquisadores de tirar conclusões estatísticas importantes, a empresa se sente encorajada para avançar no desenvolvimento da vacina, possivelmente com um parceiro maior. Até agora, eles já gastaram US$ 100 milhões em pesquisa e elaboração de vacinas.

Ressalvas

De acordo com Frank Longo, membro do departamento de neurologia da Universidade de Stanford (EUA) e cofundador da Pharmatrophix, outra empresa que está tentando curar a doença de Alzheimer, agir apenas no amiloide, sem tentar controlar a tau ou a inflamação, não é ideal.

“Qualquer terapia centrada na amiloide depende da precisão da hipótese da amiloide, e essa hipótese continua a ser questionada”, explica.

Além disso, o tratamento com UB-311 é melhor aproveitado se iniciado antes do aparecimento de sintomas, com doses administradas a cada seis meses, e os médicos ainda não podem prever com segurança quem terá Alzheimer e demência.

Por enquanto, a United está focada em levantar capital para financiar um estudo mais conclusivo sobre a UB-311 e para continuar refinando seu amplo leque de vacinas. A companhia está se preparando para iniciar os testes com a UB-312, voltada para a doença de Parkinson, bem como com uma segunda vacina contra o Alzheimer, centrada em combater a tau.

“Eles tomaram medidas iniciais muito promissoras com essa tecnologia”, disse Eric Reiman, um dos principais pesquisadores da doença do Alzheimer e conselheiro da United Neuroscience. “Mas isso ainda é o começo do começo”. [Bloomberg]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (19 votos, média: 5,00 de 5)

Deixe seu comentário!