Fotos de animais: 10 espécies com corpos desproporcionais

Por , em 18.04.2014

Fotos de animais estão aí para nos mostrar alguns dos segredos que a natureza ainda esconde de nós!

Fotos de animais desproporcionais

A simetria e a proporção são comuns na natureza, pelo menos para quem olha por cima. Bicos, caudas, pernas, forma do corpo e outros elementos geralmente são colocados juntos em animais de uma maneira que nos parece “natural”.

Entretanto, as forças da seleção natural de vez em quando criam corpos que são totalmente bizarros e até mesmo quebram recordes nos corpos dos animais. Para provar isso, aqui estão alguns bicos e caudas que são maiores que o corpo, além de vermes com proporções absurdas, e caranguejos grotescamente desenhados pela natureza:

10 A probóscide de uma mariposa de Madagascar

fotos de animais desproporcionais

 

Bicos compridos de beija-flores e probóscides delicadas de borboletas e mariposas não causam espanto; já estamos acostumados com eles. São as ferramentas usadas por estes animais para encontrar néctar e pólen em flores, com grande eficiência.

Mas a probóscide da mariposa gavião de Madagáscar é diferente. Com 28 cm, ela tem cerca de três vezes o comprimento do corpo da mariposa. Mas também tem sua razão de ser: este inseto é especializado em uma certa orquídea, que tem um tubo excepcionalmente grande.

A probóscide é totalmente retratável, enrolando-se em uma espiral apertada logo abaixo da boca. Assim, a mariposa evita de ficar com uma alça de quase 30 cm de comprimento para os predadores agarrarem com facilidade.

Agora, a cereja do bolo: a existência desta mariposa foi prevista por Charles Darwin décadas antes de sua descoberta, em 1903. Em mais uma prova espetacular da Teoria da Evolução, Charles Darwin encontrou a orquídea e previu que devia haver uma mariposa com o probóscide comprido a ponto de poder se alimentar do néctar da mesma.

9 A incrível ave-do-paraíso de cauda de fita

9

Esta ave-do-paraíso, do genus Astrapia, com certeza leva o prêmio da maior relação de tamanho cauda-corpo de todas as aves. Nativa das florestas da Nova Guiné, ela tem uma cauda que mede mais de três vezes o comprimento do seu corpo, chegando a 1 metro de comprimento, enquanto o resto do passarinho não passa de 32 cm.

Esta ave também detém outro recorde: é a espécie de ave-do-paraíso descoberta mais recentemente, em 1938. As caudas compridas são um problema para a ave, que às vezes fica presa na vegetação. O voo também não é aquelas coisas, com o peso e o arrasto aerodinâmico daquelas enormes penas. E, como se não bastasse todos estes problemas, a ave é bastante caçada por causa de sua pluma. Junte a tudo isto a perda do habitat, e está explicado por que esta bela ave está na lista de espécies ameaçadas de extinção.

8 Beija-flor de bico-de-espada

8

Os bicos das aves são ferramentas finamente adaptadas ao formato, tamanho e estilo de vida das aves que os possuem. Geralmente, são de aparência normal, menos quando o bico permite à ave se aproveitar de uma fonte de alimentos especializada, como é o caso do beija-flor bico-de-espada.

A dieta de fúcsias e outras flores compridas deixou-o com a honra de ser a única ave do planeta com um bico maior que o próprio corpo. Com 10 cm, o bico se estenderia além da sua cauda se fosse colocado ao lado de seu corpo.

Devido à diversidade dos tipos de bicos de beija-flores, uma gama incrível de espécies pode coexistir na América do Sul sem que haja competição significativa.

7 Pernilongo de costas negras

7

A maioria das aves tem as pernas proporcionais ao corpo. Em alguns casos, as pressões da adaptação levam algumas a ter pernas enormes – como garças, cegonhas e flamingos -, permitindo que tenham acesso ao alimento que existe dentro da água sem precisar nadar, por exemplo.

O pernilongo, como é chamado em Portugal, ou pernilongo de costas negras, como é chamado no Brasil, é nativo de muitos países no mundo inteiro, e detém o recorde de pernas mais compridas em relação ao corpo. Com um comprimento de 35 a 40 cm do bico à cauda, o pernilongo tem pernas de 17 a 24 cm, ou 60% do comprimento de seu corpo. Nem mesmo os avestruzes têm pernas mais proporcionalmente longas. A cor vermelho brilhante dos membros não ajuda a ave a ficar menos esquisita.

6. O verme “cadarço de botas”

6

Vermes são animais finos e longos, mas até que comprimento podem chegar? A resposta é de espantar, pelo menos para algumas espécies, como o Lineus longissimus, um nome latino bastante apropriado, um verme comum nas praias da Inglaterra. A espécie com corpo não segmentado parece ter um potencial de crescimento ilimitado. Não é raro encontrar vermes desta espécie com 9 metros, e o mais comprido já encontrado media 55 metros!

Quando chega à superfície, o “verme cadarço-de-botas” parece um pouco com um intestino humano, já que é comprido e fica dobrado sobre si mesmo. Além disso, ele solta uma secreção irritante e fedorenta que serve para afastar predadores, o que permite ao verme viver no fundo do mar sem se incomodar com nada a não ser crescer e crescer.

5 Cracas bem dotadas

As cracas são animais que parecem a última opção para um recorde em tamanho de pênis. As baleias-azuis têm o maior pênis entre os animais, mas a craca tem o maior pênis em proporção ao corpo.

O “problema” é causado pelo estilo de vida do animal, que vive preso a uma superfície, o que dificulta bastante os rituais de acasalamento. A resposta da natureza foi dar à craca um pênis comprido o suficiente para que consiga fertilizar seus vizinhos. Neste caso, comprido o suficiente significa até oito vezes o tamanho do corpo da craca.

Estudos recentes feitos por estudantes do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade de Alberta mostraram que o tamanho do pênis da craca varia de acordo com as condições do ambiente, ficando mais compridos e finos em locais em que as ondas são mais suaves, e mais curtos e grossos em locais com condições mais severas.

4 A enorme língua do morcego Anoura fistulata

Se você achou que algum mirmecófago (comedor de formiga, em grego) levaria o troféu de maior língua, enganou-se. Este prêmio vai para um minúsculo morcego, que se parece bastante com um beija-flor. O Anoura fistulata foi descoberto nas florestas do Equador em 2005, e ganhou notoriedade imediatamente: seu corpo tinha apenas 5 cm, mas sua língua esticava-se por longos 9 centímetros, quase o dobro do tamanho do corpo.

Como os beija-flores, estes morcegos pairam no ar em frente a flores que tem um tubo de néctar comprido, e usam sua língua para chegar até o fundo. Quando atingem o néctar, papilas na língua se abrem e permitem que o morcego puxe o máximo do alimento que conseguir. Depois de terminar de se alimentar, a língua é recolhida para dentro da caixa torácica do bicho, o que dá mais alguns pontos em esquisitice para ele.

3 A ciência do caranguejo chama-maré e a termorregulação

3

O caranguejo chama-maré é famoso por ter uma garra enorme, a ponto de quase rivalizar com o tamanho de seu corpo. Essas garras não são apenas grandes, como têm vários usos.

Elas não são muito úteis quando é a hora de arranjar comida, mas servem para mostrar “quem manda no pedaço” quando os machos estão disputando a atenção das fêmeas. Servem também como arma de combate, para agarrar outros caranguejos e jogá-los longe.

Outra utilidade surpreendente começou a ser investigada pela ciência. Os caranguejos gostam de lamaçais quentes e ensolarados. Esse hábito de se alimentar e lutar ao sol poderia prejudicar muito o animal, por conta do calor. Caranguejos que tem a garra conseguem regular a temperatura mais rapidamente que os que perdem a sua, indicando que elas têm um papel importante na termorregulação do bicho.

2 A surreal salamandra Siren

2

As salamandras Siren podem ser encontradas em rios e lagos no sudoeste dos Estados Unidos e no México, e chegam a medir 95 centímetros. Além de patas mninúsculas que não passam de meros vestígios, elas têm alguns traços que sugerem neotenia, ou seja, a retenção de características juvenis, larvais.

As salamandras também são predadoras. Camarões de água doce, outros anfíbios e mesmo peixes não estão seguros quando uma Siren está por perto, principalmente se for a maior das três espécies que existem. O grupo das Siren pode ser o mais antigo entre as salamandras, e com traços tão únicos que alguns taxonomistas sentem vontade de considerar estes animais uma ordem de anfíbios separada das salamandras verdadeiras.

1. A lebre saltadora, o mais esquisito dos roedores

1

Com 43 centímetros de comprimento e pesando entre 3 e 4 kg, a lebre saltadora causou um problemão para os cientistas que tentaram classificá-la. Ela tem o tamanho de um coelho, mas se parece com um canguru, e tem uma cauda quase tão grande quanto seu corpo. No meio da árvore da vida, apesar de ser um roedor, esta lebre não tem nenhum parente próximo entre eles.

E se você acha que as proporções do bicho estão erradas, melhor pensar duas vezes: a lebre saltadora tem esse nome não é de graça. Ela consegue saltar distâncias incríveis, de 2 até 9 metros, em um só pulo. Com suas garras afiadas, ela escava rapidamente, e com seus dentes que não param de crescer, ela consegue sobreviver a partir de uma dieta de raízes, folhas e brotos nos locais áridos da África. [ListVerse]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 4,67 de 5)

2 comentários

  • atilamaltes:

    Acho que deveriam ter usado o galo onagadori ao invés da ave do paraíso, já que a cauda é proporcionalmente
    muito maior…

  • Junior Castro:

    Toda espécie de salamandra se regenera?
    Imagina só, você perder um braço e alguns meses ou anos depois crescer outro.

Deixe seu comentário!