Humanos estão causando a oscilação da Terra enquanto gira sobre seu eixo, segundo a NASA

Por , em 10.10.2018

Um estudo detalhado conduzido pela NASA descobriu que os seres humanos são responsáveis pela crescente oscilação detectada quando a Terra gira em torno de seu eixo.

Os cientistas combinaram dados sobre a rotação do nosso planeta com uma série de modelos sofisticados para identificar três fatores principais envolvidos no fenômeno: rebote glacial, derretimento de gelo e convecção do manto.

A NASA agora acredita que cada um desses fatores é responsável por cerca de um terço da oscilação da Terra.

Fora do eixo

Quando você pensa no planeta, provavelmente pensa em uma esfera exata. No entanto, a Terra é na verdade um esferoide oblato, pontuado por montanhas e trincheiras oceânicas profundas.

Tudo isso se combina para distribuir de forma desigual o peso na superfície da Terra. Essa distribuição desigual de peso é uma das razões pelas quais a Terra balança em seu eixo enquanto gira.

No último século, essa oscilação “migrou” para oeste a um ritmo de 10,5 centímetros por ano, mudando sua localização em cerca de 10 metros.

A pesquisa recente da NASA descobriu que essa mudança foi causada por uma série de fatores, os quais comentaremos a seguir.

Rebote glacial

Anteriormente, os cientistas acreditavam que o rebote glacial era o principal fator que causava a oscilação da Terra.

Durante a última idade do gelo, cerca de 26,5 mil anos atrás, grandes extensões de terra eram cobertas por geleiras pesadas.

A terra sob essas geleiras era “afundada”, mas, conforme elas derreteram, foi recuperando sua forma original.

Este processo é bastante lento, o que significa que a Terra ainda está se restaurando da última era glacial.

Derretimento do gelo

Existem dois outros fatores que influenciam a oscilação da Terra, sendo um deles o derretimento do gelo, particularmente na Groenlândia.

Esse fenômeno é responsável por um terço da oscilação do planeta, e liga diretamente as ações humanas à alteração da oscilação no globo.

Sim, nosso amor por combustíveis fósseis está literalmente balançando o planeta. Conforme continuamos a aquecer artificialmente a Terra através da liberação de gases de efeito estufa, o gelo continua a derreter a taxas sem precedentes.

A NASA estima que 7.500 gigatoneladas de gelo da Groenlândia tenham derretido no século XX. Isso equivale ao peso de 20 milhões prédios do Empire State. A redistribuição desse peso está fazendo a Terra balançar mais do que faria normalmente.

Convecção do manto

O último fator, responsável pelo último terço da oscilação da Terra, é a convecção do manto.

Este é um processo contínuo no interior da Terra onde a rocha derretida é aquecida, sobe, esfria e desce mais perto do núcleo do planeta mais uma vez.

A convecção do manto é o mecanismo de condução das placas tectônicas, terremotos, vulcões, cordilheiras e trincheiras do fundo do mar.

Não sabemos o suficiente sobre o núcleo da Terra para ter uma imagem clara desse processo, mas essa movimentação “preenche” os espaços em branco para explicar o balanço do planeta.

Nosso papel

Conforme o gelo continua a derreter das massas continentais como a Groenlândia, a oscilação à medida que a Terra gira pode aumentar.

Felizmente, o balanço não é grande o suficiente para afetar os ecossistemas ou a nossa vida diária. Embora possa afetar a navegação, a tecnologia moderna tem capacidade de corrigir o “desvio”.

O que é surpreendente sobre este estudo é o quanto os humanos estão mudando a natureza fundamental da Terra. Continuar monitorando a oscilação do planeta e suas mudanças pode agir como um barômetro de quanto gelo derrete no planeta, colocando nosso papel na Terra em uma perspectiva astronômica.

Os achados foram publicados na revista científica Earth and Planetary Science Letters. [ScienceAlert, Forbes]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (32 votos, média: 4,44 de 5)

Deixe seu comentário!