Se você ainda não levou sua filha para tomar esta vacina, descubra porque deve fazê-lo

Por , em 23.02.2016

A prevalência de infecções do papilomavírus humano (HPV) entre adolescentes nos Estados Unidos caiu mais de 60% desde que a vacina contra o vírus foi introduzida no país, há uma década.

Os dados são do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos EUA. No Brasil, a vacina também é oferecida, por isso esses resultados são empolgantes.

Segundo informações do Ministério de Saúde brasileiro, a cada ano, no país, surgem 15 mil novos casos de infecções por HPV e 5 mil mulheres morrem. A vacina é a melhor forma de prevenção, por isso é distribuída de graça nos postos de vacinação.

Os resultados

Os pesquisadores descobriram que, no prazo de seis anos da introdução da vacina em 2006, a prevalência do HPV entre as meninas com idades entre 14 a 19 anos diminuiu 64%.

Entre mulheres de 20 a 24 anos, a prevalência diminuiu em 34% durante o mesmo período de tempo.

Os resultados sugerem que a vacina “é muito eficaz”, disse a autora do estudo Dra. Lauri E. Markowitz.

Na maioria dos casos, o vírus vai embora por conta própria, mas em pessoas com infecções persistentes, o HPV pode causar verrugas genitais e alguns tipos de câncer, incluindo câncer de colo do útero, pênis, ânus e cavidade oral.

As vacinas oferecidas

No estudo, os pesquisadores utilizaram registros do CDC e de uma pesquisa anual de nutrição e saúde que envolve entrevistas e exames físicos. Eles analisaram dados sobre a percentagem de adolescentes e mulheres jovens infectadas com HPV entre 2003 e 2006, pouco antes de a vacina ser introduzida, e entre 2009 e 2012, anos depois.

11,5% das meninas com idades entre 14 a 19 foram infectadas com HPV antes de a vacina ser introduzida em 2006. Esse percentual caiu para 4,3% entre 2009 e 2012. Entre mulheres com idades entre 20 a 24, a prevalência caiu de 18,5% para 12,1% nos anos depois da vacina.

Três tipos de vacina contra o HPV estão disponíveis nos EUA, e pesquisas têm demonstrado que todas funcionam bem para prevenir infecções. Uma é a bivalente, que tem como alvo duas estirpes do vírus, outra é a quadrivalente, que tem como alvo quatro estirpes e a mais nova, a 9-valente, licenciada em 2014, tem como alvo os mesmos quatro estirpes do vírus que a quadrivalente, além de cinco estirpes adicionais.

Durante os anos abrangidos no estudo e até 2014, quase todos no estudo receberam a vacina quadrivalente.

Vacine seus filhos

Embora os novos resultados sejam encorajadores, o número de jovens que receberam a vacina aumentou mais lentamente do que os pesquisadores esperavam nos EUA.

De acordo com dados recolhidos pelo CDC nos últimos anos, apenas 42% das meninas e 22% dos meninos de 13 a 17 anos receberam as três doses recomendadas da vacina.

O CDC atualmente recomenda a vacina contra o HPV para meninas e meninos de 11 ou 12 anos de idade, administrada em três doses ao longo de seis meses.

No Brasil, a recomendação é de que toda menina de 9 a 13 anos receba as três doses da vacina, que podem ser adquiridas gratuitamente e estão incluídas no Calendário Nacional de Vacinação. É só procurar uma Unidade de Saúde do SUS para recebê-las. [LiveScience, SaudeGov]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

2 comentários

  • Teddy Presley:

    Só não entendi uma coisa, se afeta os dois sexos, pq só estão alertando as meninas? Se causa problemas nos dois, pq só ELAS? ¬¬

    • EvandroJGC:

      Sempre pensei nisso.
      Se os dois podem e devem, por quê tanta ênfase no sexo feminino?

Deixe seu comentário!