Japão manda robôs para monitorar a situação em Fukushima

Por , em 22.03.2011

O time que está controlando a situação na usina nuclear de Fukushima, no Japão, agora inclui um robô. Conhecido como Monirobot, é usado para situações em que os níveis de radiação são muito altos para humanos.

O robô tem 1,5 metro de altura, possui um braço articulado para coletar amostras, uma câmera 3D, detector de radiação e pode ser operado remotamente por uma distância de um quilômetro.

Ele pesa cerca de 600 quilos e tem uma velocidade limitada a 2,4 km por hora – foi desenvolvido pelo centro de Tecnologia de Segurança Nuclear depois do acidente nuclear em Tokaimura, em 1999, quando dois trabalhadores morreram. [NewScientist]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

11 comentários

  • carlos:

    tem cara que não sabe nada ou pensa que sabe e comenta apenas besteiras, são chamados de babacas da sociedades.

  • João Carlos Fernandes:

    Os japas simplesmente esqueceram que as bombas de um sistema de resfriamento do núcleo de um reator nuclear, é de igual ou maior importância aos dispositivos anti terremoto dos prédios de Tokio.La os prédios suportam as oscilações provocadas por abalos sísmico muito bem.
    Se as bases das bombas de refrigeração tivessem alguma das proteção das conhecidas por eles dificilmente estaríamos nessa situação
    Não foi o tsunami o responsável pelo problema

  • danii:

    Esse fag é um retardado.
    O Problema lá são os terremotos, que obviamente eles ja resolveram, a unica coisa da qual eles não esperavam era o tsunami que por consequencia gerou essa situação apocaliptica nuclear.
    é claro que como pessoas civilizadas e extremamente inteligentes eles vão tomar isso como uma lição.
    Diferente dessa merda de brasil que mesmo sem desastres naturais é uma porcaria, oh sorry o problema não é o país, o problema são os brasileiros

    • Dinarte Junior:

      Exemplo tipico de complexo de cachorro vira latas. Para esses caras que estao ficando no passado, o Brasil nao vai. Nao conseguem ver a realidade debaixo de seu nariz. Se o Japao falhou por falta de previsao, e errou mesmo, ao nao prever a possibilidade de inuncaçao de seus motores de refrigeracao da usina, tudo bem. Engenharia tambem falha. Agora, manter essa cabeça de colonizado, aonde tudo no nosso pais nao presta, so pode ser fruto de imensa desinformacao ou ma fé.

  • Arhaan de chapeco:

    essa foi a resposta ao comentario O Homem e o Ecossistema

  • Arhaan de chapeco:

    A palavra jeito é com (J) obrigado Juliana.

  • Arhaan de chapeco:

    Seu animal,este evento foi uma catastrofe natural,havendo intervenção do homen ou não iria acontecer do mesmo geito,qualquer duvida pesquisa no google o significado de placas tectonicas,rotas do fogo e tsunamis.

  • baby:

    agora que aquele lugar quase saiu do mapa eles vão fazer algo fala sério deviam ter feito alguma coisa antes para essa situação não ter chegado a este ponto.

  • big bang:

    Achei q eles tivessem alguma coisa mais evoluida, mas o q importa e preservar as pessoas, controlar a situação e evitar mais sofrimento.

  • Fag:

    Depois que tá tudo uma zona eles mandam esses brinquedos inúteis.

  • O Homem e o Ecossistema:

    Desde os tempos primitivos o homem sempre interferiu no meio hambiente com o aumento populacional exigindo aumento da area de caça e com isso provocando,devastações, guerras,escravidão e exterminio de outros grupos.Pesquisadores constataram que alguns terremotos podem ser causados pelas represas. Os (primitivos)mayas foram os proprios responsaveis pela devastação da vegetação na area que habitavam ao construirem as piramides que necessitavam queimar milhares de arvores para produzirem o “caucario”usados nas suas construções!O mesmo teria acontecido no territorio brasileiro com interferencia no meio ambiente e com construções dos primitivos que migraram para o territorio brasileiro, se não fosse a inteferencia dos colonizadores europeus.O seres humanos interferem e devastam os locais por onde vagueiam,desde os tempos primitivos.

Deixe seu comentário!