Chega de testar terapias de medicina alternativa

Por , em 24.08.2014

De acordo com certos pesquisadores, alguns tipos de medicina alternativa, como a homeopatia e o Reiki, não devem mais ser testadas em ensaios clínicos porque não são fundamentadas em um conhecimento científico, e estudá-las é como testar se a magia funciona. Simples assim.

Em um novo estudo, o Dr. David Gorski, da Escola de Medicina da Wayne State University, e o Dr. Steven Novella, da Universidade de Yale, ambas dos Estados Unidos, dizem que não é ético estudar terapias de medicina alternativa em pessoas se elas violarem leis e teorias da ciência que já são bem estabelecidas, confirmadas e comprovadas.

Convenhamos que o argumento deles é muito bom. Afinal, as chances de que tais terapias atrapalharem mais do que fazerem a função de um placebo são muito maiores. De acordo com eles, aliás, “é quase impossível” que uma terapia de medicina alternativa funcione.

“Existem alguns tratamentos que são incrivelmente implausíveis” e por isso não há a menor necessidade de testá-los, disse o Dr. Gorski. “A probabilidade de qualquer resultado positivo é tão infinitamente pequena, que não vale o esforço”.

Esses tratamentos são exemplos de medicina alternativa e, em geral, se referem a tratamentos que estão fora das práticas de medicina tradicional.

Medicina alternativa: as provas

Por exemplo, a homeopatia é uma abordagem de medicina alternativa que se baseia na ideia de que a diluição de uma substância a torna mais forte, e que a água pode manter uma “memória” de uma substância, o que vai incrivelmente contra várias leis da física. Sendo assim, para que alguma prática de homeopatia dê certo, muito do que entendemos sobre física e química teria de estar não apenas errado, mas espetacularmente errado.

No entanto, tem havido muitos estudos de homeopatia em pessoas ao longo das últimas décadas, disseram os pesquisadores. Por exemplo, eles apontam um realizado em Honduras em 2006 que analisou se diluições de arsênio ou de camomila podiam tratar diarreia infantil. O estudo, por fim, descobriu que os comprimidos não ajudavam as crianças em nada.

Outra abordagem de medicina alternativa que se baseia na ciência duvidosa é a Reiki. Reiki envolve a manipulação de uma “energia de cura” do paciente, mas não há nenhuma evidência científica de que essa energia de fato exista, apontaram os médicos.

O que os defensores da medicina alternativa acham de tudo isso?

Alguns defensores das terapias da medicina alternativa afirmam que os testes em humanos podem determinar de uma vez por todas se estas terapias funcionam ou não.

Mas esta, segundo Gorski e Novella, é uma visão equivocada porque as pessoas que acreditam em tais terapias não são susceptíveis a interromper esses “tratamentos”, mesmo quando os estudos mostram que não há benefício algum em fazê-los. “Esse tipo de pesquisa serve apenas para dar legitimidade a práticas duvidosas de outra forma”, argumenta Novella.

Gorski e Novella também disseram que, ao invés disso, mais atenção deve ser dada para se um tratamento é biologicamente plausível antes que ele seja testado em pessoas. Eles enfatizaram esse ponto porque alguns tratamentos de medicina complementar e alternativa têm sido testados simplesmente porque são populares, e não porque há evidência científica que justifique o seu estudo em pessoas.

“O que eu defendo é que tudo seja realizado com o mesmo padrão científico”, disse Gorski.

A menos que os pesquisadores possam mostrar que exista uma maneira biologicamente plausível para que essas terapias funcionem para tratar uma doença, ou apresentem provas de que esses tratamentos alternativos são tão convincentes a ponto de fazer os pesquisadores repensarem leis básicas da ciência, essas terapias não devem ser testadas em ensaios clínicos, defendeu Gorski.

“Todos os ensaios clínicos devem ser baseados em observações pré-clínicas e cientificamente bem suportados em estudos de laboratório que lhes justifiquem”, concluem os médicos.

E parece justo.

E você, o que você acha?[LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 4,50 de 5)

Deixe seu comentário!