O que aconteceria se um objeto imparável colidisse com algo inamovível?

Por , em 28.01.2013

Você já pensou no que aconteceria se uma força imparável encontrasse um objeto inamovível? A força não pode ser parada, o objeto não pode ser movido… Seria o fim do mundo? Uma catástrofe universal?

Felizmente, não. Aliás, nada aconteceria. Não é um resultado muito empolgante.

O vídeo acima, feito pelo pessoal da Minute Physics, explica como este tipo de interação se desdobraria.

Objeto inamovível

Antes de falarmos do evento, vale lembrar que a lei da relatividade dita que não existe tal coisa como um “objeto inamovível”. Isso porque, mesmo que sua casa esteja parada e não se mova, podemos “movê-la” ao nos movermos “em relação a ela”. Como não há “preferência de referência” na lei, podemos dizer que é a casa que está se movendo, não nós.

Mas, para o bem da brincadeira, vamos considerar que um objeto inamovível seja algo que esteja parado e que nós não podemos mover empurrando-o, por exemplo. Ou seja, não é exatamente um objeto inamovível, mas um objeto “não acelerável”.

De acordo com a Segunda Lei de Newton, sabemos que a aceleração de um objeto é igual a força total dividida pela sua massa (essa equação geralmente é conhecida na forma: “F = ma”, sendo “F” força total, igual a “m” massa versus “a” aceleração).

Um objeto não acelerável, portanto, seria um objeto de massa infinita. Ou seja, um objeto tão massivo que não importa quão grande seja a força total aplicada, quando dividida pela sua massa, sempre resultará em zero aceleração – o objeto não mudará de lugar (não importa se esteja parado ou se movendo relativamente).

inamo

Força imparável

E quanto a força não parável?

Todas as forças fundamentais da natureza são causadas por partículas (como fótons ou glúons, por exemplo), que interagem com o objeto e mudam o seu momento físico (ou momentum, uma grandeza que representa a magnitude da força aplicada a um sistema rotacional a uma determinada distância de um eixo de rotação).

A única maneira de não ser afetado por uma força, então, é não interagir com ela de forma alguma. Por exemplo, os elétrons não interagem com glúons, de forma que não estão sujeitos à força nuclear forte, uma das forças fundamentais da natureza.

Neste sentido, a luz é uma força imparável: cada fóton que atinge seu corpo muda um pouco seu momento físico e não há nada que você possa fazer para evitar isso, a não ser fugir da luz e viver totalmente no escuro ou ficar transparente.

Novamente, não é bem na luz ou na gravidade que pensamos quando imaginamos uma força imparável. Vamos considerar, então, imparável uma força que não podemos impedir de andar empurrando-o – ou seja, um objeto cuja velocidade não pode ser mudada pela nossa tentativa de pará-lo.

impara

Objeto inamovível encontra objeto imparável

Se por força imparável queremos dizer um objeto cuja velocidade não pode ser mudada, ou seja, é constante, significa que esse objeto também não pode acelerar. Ops! Mas um objeto inamovível não é um objeto não acelerável?

Isso significa que uma força imparável é a mesma coisa que um objeto inamovível, vista de uma referência diferente.
Há ainda um último problema a ser resolvido: massa infinita exige energia infinita, e não há nada no universo que se comporta dessa maneira (mesmo porque, se existisse, seria um buraco negro tão grande que tudo do universo estaria dentro dele).

Se levássemos em conta que energia infinita fosse possível, e dois objetos de massa infinita e não aceleráveis colidissem (novamente: impossível, porque nenhum dos dois pode se mover), a única possibilidade é que eles simplesmente atravessariam um ou outro, ou seja, passariam através um do outro, sem qualquer efeito em ambos.

encontrio

Então, o que aconteceria se um objeto imparável colidisse com algo inamovível?

A resposta curta é: eles passariam um pelo outro. As leis da física exigiriam que os dois objetos tivessem uma quantidade infinita de massa e energia, mas não permitiriam que suas velocidades mudassem, por isso, em teoria, eles simplesmente passariam através um do outro. Ah, a ciência.[Gizmodo]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

20 comentários

  • Marcelo Henrique Moraes:

    Quando duas coisas que não existem se encontram, eles eliminam o universo existente, que por sua vez se torna algo mais estranho.

  • Jaime Junior:

    Massa infinita exige energia infinita. A energia é infinita, senão podemos esperar o fim do Universo. Mas então, o que seria o fim? Assim, a massa é infinita, ou seja, o Universo, é infinito.

  • Joao Guimarães:

    tenho uma teoria diferente acho que os átomos dos dois objetos se desentegrarião e depois iriam se reestruturar pois 2 corpos não ocupam o mesmo espaço.

  • César Augusto:

    A pergunta é: O que aconteceria se um objeto imparavel colidisse com algo inamovivel?
    Se um objeto atravessa o outro, não existe colisão, assim sendo apenas fugiram da pergunta sem apresentar uma solução, o paradoxo prossegue…

    • Walisson Lucas:

      Tendo em teoria o objeto imparável podemos supor que ele esteja em uma velocidade constante e se aproximando da velocidade máxima ou velocidade da luz então a essa velocidade os átomos de tal objeto estariam também em algo próximo da hiper velocidade onde o tornaria intangível podendo assim atravessar o objeto inamovível.

    • Henrique Sadao Kajino:

      segundo a fisica quantica, qualquer objeto pode atravessar outro, o probabilidade disso acontecer é que varia. A chance de vc correr e atravessar uma parede é praticamente impossivel, todos os seus atomos precisariam não se chocar com todos os atomos da parede só isso. o que acontece na resposta a este paradoxo é que um objeto imapravel atravessaria o inamovivel pq o objeto imparavel possui energia infinita então todos os atomos estão em multiplas regiões ao mesmo tempo (conceito quantico) enquanto o objeto inamovivel está com todos os seus atomos no mesmo lugar, sem se mover (uma quase improbabilidade quantica) o que acontece é que um atravessa outro, mais que literalmente

  • Fernando Lucchesi:

    Nada ia acontecer, afinal, os dois objetos não podem existir dentro do mesmo contexto, afinal, como pode existir um objeto imutável se existe uma força incontrolável ou vice-e-versa? É mais ou menos como pensar assim: Deus existe e é ONIPOTENTE, portanto ele tem a capacidade de criar uma pedra tão pesada que nem ele mesmo possa levantar, então ele deixaria de ser onipotente, ou talvez ele seja tão forte que não há nada que ele não possa levantar, logo ele não pode criar a pedra, de uma maneira ou de outra, as duas coisas não podem existir simultaneamente.

  • Luiz Fernando:

    Abriria um buraco negro. Então os corpos seriam sugados para outra dimensão, obedecendo assim a novas regras da física e tornando-se em outra história. 😉

  • Melina Vasconcelos:

    igual a pergunta da menininha no filme “imagine eu e você” *__*…

  • Marcelo F Andrade:

    Considerando os objetos com massa muito grande, mas limitada num intervalo finito e apenas com natureza corpuscular, ocorreria que o objeto dito imparável se tornaria inamovível no mesmo instante em que o inamovível passasse a ser imparável. Algo semelhante à bola de bilhar que passa a se mexer no instante do choque, dando lugar à branca que fica parada em seu lugar.

    Extrapolando a situação para o contexto idealizado (massas infinitas e sem interação mútua) é que se terá a “impressão” de os objetos estariam atravessando um ao outro.

  • Emílio Zanatta:

    Interessante o texto, mas cuidado ao pegar informações diretamente da Wikipédia, como fez com o Momento. O Momento descrito da wikipedia em português é o que comumemente se chama Momento Angular, quando o que o vídeo e o artigo queriam dizer seria o Momento Linear. O artigo da Wikipedia em inglês, por exemplo, que é bem mais confiável na grande maioria das vezes, faz bem essa distinção.

    E inclusive ficou pouco claro o porquê dos dois corpos não influenciarem um ao outro ao colidirem, e a resposta é realmente simples, como a velocidade de ambos os corpos não pode mudar, eles só podem continuar seguindo seus movimentos inalterados mesmo depois de passarem um pelo outro. Sobre não poderem ocupar o mesmo espaço, aí entra o fato que, pra início de conversa, corpos imparáves e inamovíves não existem. Então, se essa colisão nunca vai acontecer, dois corpos classicamente continuarão a não ocupar o mesmo espaço.

  • Juarez Alencar:

    Então o Superman estava errado?

  • neutrino:

    Um artigo bem didático.
    uma verdadeira aula de física.

  • Italo LA:

    bom, falaram sobre a sua capacidade de aceleração etc…mas não falaram da ductibilidade dos objetos… então, o objeto imparável perfuraria o objeto inamovível…

    • Gabriel Salomão:

      impossível.infinita massa=infinita densidade.

  • Gargwlas:

    negativo… o superman ja respondeu essa faz tempo…

    a resposta é: ambos desistiriam

  • Luciano Garcia:

    Sim, mas nesse caso dois corpos precisariam ocupar o mesmo espaço (ao se atravessarem) o que segundo a física não é possível, certo?

    • Fernando Lucchesi:

      A princípio sim, mas ele precisou utilizar vários recursos não científicos e suposições que sabemos estarem incorretas para que ele pudesse criar os supostos objetos. Esse é o problema em usar dados incorretos ou dentro de um sistema fechado para conduzir um experimento. Ele só reage positivamente de acordo com as regras de controle e não com as do mundo real… Por exemplo, se eu te dissesse que eu tenho uma galinha que bota ovos com buracos negros dentro, o que você imagina que aconteceria se eu cozinhasse estes ovos? Não é possível saber, afinal, as leis da física real não tem a menor importância dentro da minha história absurda…

  • Cristiano A.P:

    Ia acontecer que nem no Batman 2 (será que alguém vai sacar a referência?)

    • Juarez Alencar:

      Realmente no Batman TDK o Coringa faz a indagação. Mas a primeira história de Super-herói é fazê-lo foi Superman Grandes-Astros, do Grant Morisson. E a resposta nao foi essa, rs.

Deixe seu comentário!