O que os pediatras pensam sobre bater nos filhos

Por , em 5.11.2018

A Academia Americana de Pediatria reforçou recentemente sua postura contra o ato de bater em crianças como uma forma de disciplina parental.

Em uma nova declaração, publicada na revista científica Pediatrics, a associação recomenda que os adultos que cuidam de crianças usem “formas saudáveis de disciplina” – como reforço positivo de comportamentos apropriados, estabelecimento de limites e estabelecimento de expectativas.

As atitudes não recomendadas incluem palmada, surra, ameaça, insulto, humilhação ou envergonhar a criança.

Atualização de conselho antigo

A declaração atualiza a orientação publicada em 1998, que recomenda que “os pais sejam encorajados e auxiliados no desenvolvimento de métodos além da surra em resposta ao comportamento indesejado”.

“Nos 20 anos desde que a política foi publicada pela primeira vez, houve uma grande quantidade de pesquisas adicionais, e agora estamos muito mais seguros em dizer que os pais nunca devem bater em seus filhos e nunca devem usar insultos verbais que humilhem ou envergonhem a criança”, disse o Dr. Robert Sege, principal autor da declaração e pediatra no hospital Tufts Medical Center, em Boston (EUA).

A declaração descreve o castigo corporal como “golpe não agressivo com a intenção de modificar o comportamento da criança” e indica que a surra é considerada uma forma de punição física.

Proibições no mundo todo

Em todo o mundo, cerca de 300 milhões de crianças de 2 a 4 anos recebem algum tipo de disciplina física de seus pais ou cuidadores regularmente, de acordo com um relatório da UNICEF publicado em novembro de 2017.

Globalmente, cerca de 1,1 bilhão de cuidadores veem a punição física como necessária para educar ou educar uma criança adequadamente.

No entanto, 60 países, estados e territórios adotaram legislação que proíbe totalmente o uso de castigos corporais contra crianças, de acordo com a UNICEF e a Iniciativa Global para Acabar com a Punição Corporal de Crianças. O Brasil é um deles.

Alguns dos outros países que têm proibições são Albânia, Argentina, Áustria, Bolívia, Bulgária, Congo, Costa Rica, Croácia, Dinamarca, Finlândia, Alemanha, Grécia, Groenlândia, Honduras, Hungria, Islândia, Irlanda, Israel, Quênia, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Mongólia, Holanda, Nova Zelândia, Nicarágua, Noruega, Paraguai, Peru, Polônia, Portugal, Espanha, Suécia, Ucrânia, Uruguai e Venezuela.

Surra não leva a resultados positivos

A declaração é consistente com o que a pesquisa descobriu sobre a relação entre castigos corporais e resultados adversos entre as crianças. A política da Academia de Pediatria cita vários estudos que encontraram associações negativas ao espancamento, como comportamento agressivo da criança, sintomas depressivos na adolescência e menos matéria cinzenta no cérebro das crianças, entre outros resultados.

Claro, apenas uma relação correlacional foi encontrada, e não causal. Isso significa que ninguém atribuiu aleatoriamente crianças a receber tipos diferentes de castigo ou estratégias disciplinares para observar os resultados. Por isso, é difícil dizer que espancar uma criança faz com que ela seja mais agressiva, apesar de existirem teorias que sugerem isso.

Apesar de todas as evidências serem correlacionais, há pouca indicação de que a surra é uma estratégia eficaz. Se fosse, não veríamos nenhuma correlação entre palmada e comportamento infantil, ou veríamos uma correlação positiva. O que vemos é o oposto.

Como a pesquisa mostra apenas um relacionamento correlacional negativo, alguns questionam se crianças que são mais agressivas ou se comportam pior são posteriormente mais espancadas. Poderia ser por esse motivo que a punição corporal tem sido associada a níveis mais altos de problemas comportamentais entre as crianças?

“Provavelmente há causalidade reversa, mas uma das coisas que algumas das pesquisas longitudinais sugerem é que quando você olha para as crianças ao longo do tempo – controlando as taxas básicas de mau comportamento – as crianças que são punidas com castigos corporais versus aquelas que não são mostram aumentos nos problemas de comportamento”, explica Rebecca Ryan, a psicóloga do desenvolvimento e professora na Universidade Georgetown (EUA), que não fez parte da declaração.

Provavelmente há alguma verdade na ideia de que crianças que estão predispostas ao mau comportamento por qualquer razão são mais propensas a ser espancadas por pais que usam essa forma de disciplina. “Mas também é verdade que a surra está correlacionada com um aumento nos problemas de comportamento ao longo do tempo entre crianças com níveis semelhantes de mau comportamento em relação às formas não físicas de disciplina”, conclui.

Alternativas

Sege afirma que existem outras formas de disciplina que os pais podem empregar, independentemente da idade de seus filhos.

Por exemplo, para crianças menores de 1 ano, quando se comportam mal, “a melhor coisa a fazer é movê-las para outro lugar, distraí-las, mudar de assunto – isso geralmente é tudo o que elas precisam”. Crianças nessa idade não tem a capacidade de aprender regras.

Já para crianças pequenas e pré-escolares, Sege recomenda o uso do método de “tempo limite”, que envolve deixar uma criança sentada calmamente sozinha.
“O que conversamos com os pais é prestar atenção ao bom comportamento do seu filho e prestar menos atenção quando eles estão se comportando mal”, disse Sege. “As crianças gostam de atenção, elas anseiam por isso, e se elas se comportarem mal, recomendamos algo chamado de tempo limite. Se eles têm 2 anos, você tem que ignorá-los por dois minutos inteiros”.

Para crianças mais velhas, normalmente permitir a consequência natural do mau comportamento pode ser eficaz. “Se eles correm na rua, você não quer que a consequência natural seja que eles sejam atropelados por um carro. Mas uma consequência natural pode ser que eles tenham que segurar sua mão”, explica. Em outras palavras, segurar a mão da mãe ou do pai se torna a consequência.

Amor em primeiro lugar

Tudo somado, Sege defende que o relacionamento amoroso entre uma criança e seus pais é o mais importante que existe.

“Os pais podem usar esse relacionamento para ensinar a seus filhos o que é certo e errado, sem inserir violência, vergonha e humilhação nesse relacionamento”, disse. “Como resultado, as crianças são mais propensas a crescerem se sentindo seguras e positivas, sabendo como regular seu próprio comportamento”. [CNN]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (18 votos, média: 4,06 de 5)

Deixe seu comentário!