Superpotência: pela primeira vez, a China ultrapassou os EUA em produção científica

Por , em 23.01.2018

Pela primeira vez na história, a China ultrapassou os Estados Unidos em uma medida importante: no volume de artigos científicos totais publicados, uma estatística reveladora dos avanços rápidos que a nação asiática fez no cenário mundial nas últimas décadas.

O relatório

A descoberta veio do relatório bienal de “Indicadores de Ciência e Engenharia” (Science and Engineering Indicators), um relatório publicado pela Fundação Nacional de Ciência (NSF) dos Estados Unidos, que rastreia inúmeros marcadores de conquista científica em diversos países.

O relatório concluiu que os Estados Unidos ainda são o líder mundial em ciência e tecnologia, exceto por essa categoria vital.

“O relatório deste ano mostra uma tendência na qual os EUA ainda lideram por muitas medidas de C&T [ciência e tecnologia], mas nossa liderança está diminuindo em certas áreas que são importantes para o nosso país”, disse a presidente do conselho da Fundação Nacional de Ciência americana, Maria Zuber.

Volume e citação de artigos

Em 2016, a China publicou mais de 426 mil estudos científicos indexados pela SciVerse Scopus, um banco de dados de artigos de revistas acadêmicas, da Editora Elsevier.

Isso representa cerca de 18,6% do total internacional. De forma inédita, os Estados Unidos ficaram em segundo lugar, alcançando 409 mil artigos publicados.

Apesar disso, a produção dos Estados Unidos ainda ultrapassa a da China quando se trata de citações de artigos científicos, embora nenhuma das duas nações seja líder mundial nesse quesito.

A Suécia e a Suíça produzem as publicações mais citadas, seguidas pelos Estados Unidos, a União Europeia e depois a China.

Os líderes em C&T

O relatório americano também mostra os pontos fortes de diferentes nações no campo científico.

Por exemplo, pesquisadores dos Estados Unidos e da União Europeia produzem mais artigos (e patentes) sobre ciência biomédica, enquanto a China demonstra liderança na pesquisa de engenharia, assim como a Coreia do Sul.

Quanta grana está rolando?

No quesito financeiro, os Estados Unidos ainda demonstram uma liderança impressionante, gastando mais que todos os outros países em pesquisa e desenvolvimento (P&D): US$ 496 bilhões, ou 26% do total global. Além disso, trazem o maior investimento, de quase US$ 70 bilhões.

Mas a China não está muito atrás, com suas despesas de P&D crescendo rapidamente, em uma média de 18% ao ano desde 2000, enquanto a média de crescimento dos Estados Unidos tem sido de apenas 4%. Hoje, os chineses já gastam US$ 408 bilhões (21% do total global) com pesquisa, obtendo US$ 34 bilhões em investimento em 2016.

Essa é provavelmente a estatística mais impressionante do relatório. De acordo com o economista Robert J. Samuelson, escrevendo em uma coluna do jornal The Washington Post, os números chineses são de tirar o fôlego. “A China se tornou – ou está à beira de tornar-se – uma superpotência científica e técnica. Não devemos esperar nada menos”, argumentou.

Atrás do prejuízo

De maneira geral, o que os indicadores mostram é que os Estados Unidos estão perdendo território científico rapidamente, especialmente para a China.

“Os EUA continuam a ser o líder mundial em ciência e tecnologia, mas o mundo está mudando. Não podemos dormir no volante”, falou Zuber à Nature.

Se o país for o reflexo de sua liderança, os Estados Unidos provavelmente continuarão ladeira abaixo, uma vez que seu atual presidente, Donald Trump, não é um grande fã da ciência. Talvez consequências financeiras e políticas mais imediatas, como assistir de camarote o levante chinês, o levem a mudar de ideia.

O relatório está disponível para consulta, em inglês, no site da Fundação Nacional de Ciência dos Estados Unidos. [ScienceAlert]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (17 votos, média: 4,53 de 5)

2 comentários

  • Willian Lima:

    Enquanto isso , o Brasil age de forma vergonhosa nessa área.

  • Roberto Monteiro:

    Aqui no Brasil. mal engatinhávamos para algo perto de pesquisa científica e formação de cérebros com alguns programas do governo federal e veio o golpe. Agora, além de não incentivarem pesquisa científica, ainda querem entregar o pouco que temos de base tecnológica. Vide Petrobras e Embraer.
    Será que muita gente boa que batia panela, vestia verde e amarelo, gritava e sapateava, está contente agora?

Deixe seu comentário!