Pit Bulls são realmente perigosos? Descubra aqui

Por , em 18.02.2013

Embora muitos donos fiquem indignados com a acusação de que seus cachorros são “violentos por natureza”, estudos mostram que, de fato, cães da raça Pit Bull tendem a ser mais agressivos que outros cães.

Um deles, publicado em 2009 no periódico Plastic and Reconstructive Surgery, revelou que, entre os casos de ataques de cães que foram tratados no Hospital Infantil de Filadélfia (EUA) no período de 5 anos analisado pelos pesquisadores, quase 51% foram provocados por Pit Bulls, cerca de 9% por Rottweilers e 6% por mestiços das duas raças.

Outro, publicado no mesmo ano no American Journal of Forensic Medicine and Pathology, mostrou que Pit Bulls, Rotweillers e Pastores Alemães eram responsáveis pela maior parte dos ataques fatais de cães no estado americano de Kentucky.

Em 2011, autores de uma pesquisa publicada no Annals of Surgery relataram que “ataques realizados por Pit Bulls estão associados com maiores índices de morbidade, maiores custos hospitalares e maior risco de morte do que ataques de outras raças”. Para eles, “regulamentação rígida sobre [a criação de] Pit Bulls pode substancialmente reduzir os índices de mortalidade nos Estados Unidos relacionados com mordidas de cães”.

Pit Bulls são má influência

Por mais que o Pit Bull tenha a tendência de desenvolver um comportamento mais agressivo, muitas vezes o problema está no dono. De acordo com um estudo publicado em 2006 no Journal of Interpersonal Violence, donos de cães de raças “violentas” têm maior propensão a serem condenados por crimes agressivos, uso de drogas, abuso de álcool, violência doméstica e crimes envolvendo crianças e armas de fogo.

Em 2009, um relatório publicado no Journal of Forensic Sciences divulgou que “donos de cães violentos demonstraram significativamente mais comportamentos criminosos do que donos de outros cães”, além de demonstrar mais “busca por sensações e psicopatia primária”.

Dois anos mais tarde, nesse mesmo periódico, outro estudo mostrou que “donos de cães violentos mostraram significativamente mais pensamento criminoso, alegação de direitos, sentimentalismo e superotimismo. Foram presos, se envolveram em brigas e usaram maconha com mais frequência do que donos de outros cães”.

Uma possibilidade então é a de que, por serem mais violentos, esses donos escolham cães considerados violentos e acabem os tornando, de fato, mais violentos.

Raça (não tão) definida

O nome “Pit Bull” se refere, na verdade, a três raças diferentes (mas relacionadas): a American Pit Bull Terrier, a American Staffordshire Terrier e a Staffordshire Bull Terrier. As três foram criadas a partir de cruzamentos com raças para caçar animais grandes e proteger rebanhos.

Embora os Pit Bulls tenham uma mordida extremamente forte, não há evidências de que suas mandíbulas possuam algum tipo de “trava”, ao contrário do que sugere um mito muito comum a respeito desses animais.

Seja como for, é importante que os donos tenham muito cuidado para não incentivar um comportamento agressivo em seus cães. “Eu digo às pessoas logo de cara: se você quer um cachorro do tipo que vai ao parque, um cachorro que você pode simplesmente deixar solto, por favor não pegue um Pit Bull”, conta Ami Ciontos, fundadora e presidente do grupo Atlanta Underdog Initiative, que resgata Pit Bulls abandonados. “Quero ter certeza de que quem quer que adote saiba sobre a raça. Nós queremos que entendam o estigma dela e que cuidem muito bem do animal”.[LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

31 comentários

  • Gsc Gsc:

    no dia 23 de outubro (sexta-feira) de 2015, resgatei um cachorro da raça pitbull. animal calmo, muito dócil. meus filhos o amaram.

  • Arthur Paiva:

    Esse texto não é bem informado, sobre o comportamento da raça, os pit bulls são agressivos com animais pois foram selecionados para brigas, mas com pessoas eles são mansos pois foram selecionados para não serem agressivos com as pessoas que separam as brigas de cães.

  • Felipe Gustavo:

    Eu acredito que todo animal, inclusive os humanos, possuem seus mecanismos de defesa. Em relação aos pit bulls são cães com características mais agressivas que os demais, até mesmo pelos cruzamentos que deram origem a raça. Mas os donos é quem podem determinar o comportamento do cão, se receber maus tratos, viver em precárias condições, certamente o animal terá muito mais tendencia para ser violento.

  • Genioso Irreligioso:

    Perigosos são alguns donos de pitbulls; isso sim! =[

  • Giulia Nigro:

    Possuo uma Pit Bull de 7 anos e é a melhor “coisa” que já aconteceu comigo. Extremamente dócil, companheira, carinhosa, carente e obediente. Nunca atacou uma pessoa, criança ou cachorro.
    Pelo contrário, fica super animada querendo brincar quando vê cachorros e crianças na rua. E super animada é mesmo como o amigo disse aqui em cima, ela treme, baba, fica louca. E já soltei perto de vários cachorros, ela não ataca, ela brinca.

    Já tive muitos cachorros e minha yorkshire de 10 anos e meu dashound que já faleceu morderam muito mais pessoas e outros cachorros.
    É claro que pit bull faz mais estrago, ela é bruta, não tem noção do tamanho que tem. Me arranha sempre que me vê pois acha que pesa 2kg e pula em mim.

    Decidi castrar minha cachorra exatamente para não colocar filhotes nas mãos erradas.
    Infelizmente pessoas não sabem criar animais.
    Vemos milhares abandonados e doentes nas ruas.
    Milhares sendo usados como armas.
    Pit bull é cachorro forte. Se não consegue aguentar, não tenha. Digo isso sobre outras raças que também são banidas da sociedade como rottweiler ou doberman..
    Não é à toa que programas que recolhem pit bulls abandonados escolhem a dedo seus futuros donos.

    Quantos cachorros de “madame” como pinscher, poodle, lulu da pomerânia etc não são violentos dentro de suas casas, nos colos de seus donos?

    Pit bull é cachorro de companhia. Ando com a minha sem focinheira, ela nunca teve um comportamento que chegasse a parecer violento na rua, e, odeia focinheira, incomoda, machuca e a deixa super agitada e estressada.
    Consegui quebrar preconceitos de vários amigos meus que visitam minha casa com medo de minha cachorra.
    E assim como um colega comentou, faço carinho enquanto ela come, pego em sua ração dentro do pote e ela só abana mais o rabo. Diferente da yorkshire que se eu pensar em chegar perto me morde.

    Cada cachorro tem sim seu temperamento e personalidade. Mas tudo é uma questão de criação.
    Muitos desses pit bulls que atacam, são criados presos por muito tempo, mal alimentados e estressados. Eles têm muita energia, necessita gastar.

    Muitos também não são originais da raça, não possuem pedigree, são misturados, o que prejudica seu comportamento.

    O dono do pet shop esses dias me disse “os mais mansos são os pits”.

    Tenho orgulho em dizer que tenho uma pit bull, entre todas as raças que já tive, é a melhor.

    Desculpe-me o texto enorme. Desabafo de alguém que explica tantas vezes que não tem um animal assasino em casa.

    • Bia:

      Nossa fiquei super surpressa e feliz com seu depoimento, pois sempre que me dizem que Pitt bulls são cães agressivos e violentos eu não quero acreditar, porque quando eu era pequena eu tinha uma vizinha q tinha 2 e eu sempre brincava com eles… mas todos diziam q eu era louca que eu ia morrer e que eles eram cães “descontrolados” q são bipolares e eu não queria acreditar nisso, acho essa raça muito linda adoro cães grandes, e fiquei feliz com o seu texto só me provou oq eu já sabia 😀

      Queria poder ver sua Pitt ela deve ser linda *–*

    • Silvia Vieira:

      Fiquei até mais tranquila com seu comentário, pois acabo de adotar uma fêmea, hoje com 45 dias. Temo pela segurança de meus filhos e com tantos mitos sobre a raça, estava muito assustada. Na verdade meu marido e minha filha fizeram a escolha. Agora, muito amor e muito cuidado ela terá e espero que seja dócil e carinhosa qdo adulta.

    • Marcelo Ribeiro:

      Uma coisa o bom-senso sempre manda: nunca deixe animais fortes perto de crianças pequenas desacompanhadas. Não importa a raça, não importa sequer se é um cão, uma cobra, etc. Muitas tragédias já ocorreram por causa de falta de bom senso de pais e mães e pelo excesso de confiança em animais que facilmente subjugam crianças pequenas.

  • Tiago França:

    O quê o uso de maconha tem haver com o cão violento? Imagino então, que na Europa, deve haver mais casos de violência canina do que em qualquer outro lugar.

  • jodeja:

    Tudo isso que foi dito pode até ser verdade, mas é sabido que os cães têm um senso de telepatia, e, nesse caso, o que seus donos pensam eles assimilam muita coisa , e daí, ficarem violento se o dono é assim. Agora, se o dono é carinhoso e nunca o trata com violência, ele jamais se tornará violento, seja de que raça for.
    Com respeito à raça humana, não podemos dizer o mesmo, a coisa é bem mais complicada.

    • danilo7:

      Cães possuem senso de telepatia??? Minha nossa Senhora. De fato, a raça humana é bem complicada, como vc mesmo diz…

  • Regis Olivetti:

    Em muitos países esses cães foram proibidos, pois, existem estudos comprovando que são violentos e mudam de personalidade de um hora para outra. Sou a favor da proibição dessas feras.

    • Bia:

      Sou a favor da proibição de humanos ignorantes e chucros como vc na face da terra!

    • Regis Olivetti:

      Ignorante sou eu! Olha o seu comentário e olha o meu. Quem é mais ignorante? Provavelmente é você que não sabe “dialogar” em alto nível como é de se esperar, numa página deste belo portal, onde só gente estudada e inteligente se expressam.

    • Robson Silva:

      E verdade nosso amigo tem razão ..ele tabem deve acreditar em papi Noel pois ja passou na tv q ele entrega prensentes para as criancinha .
      Para falar de algo tem q ter conhecimento de causa., tão logo donos , criadores e veterinarios são as melhores pessoas para tal, vemos todos os dias pessoas arrancando cabeças estuprando ematando nem por isso dizemos q temos q tomar cuidado poq o ser umano e pre disposto a tal coisa , bom nao preciso nem falar muito ne .o sujeito s a se acha o intelecto em pessoa , pois o portal e so para ” pessoas estudadas ” vamos testa o amigo ai .diz pra mim oq vc acha dos gls hum?

    • Regis Olivetti:

      Interessante Arthur Paiva, pelo menos você tem argumentos, mas não mudo a minha opinião, pois existem outras que contestam no mesmo youtube. Mas agradeço a atenção e educação.

    • Regis Olivetti:

      Robson Silva. Educação e seriedade, mostram caráter. E aliás, umas aulinhas de português não lhe fariam nenhum prejuízo. Não seja deseducado como a linda Bia.

  • Luan Bezerra:

    Tive um pit bull por 5 anos (morreu de câncer infelizmente),e posso disser que foi o animal de estimação que eu mais gostei ,sempre amigável dócil e companheiro . a maioria das pessoas costumam tirar conclusões apenas pelo que se passa nas mídia e provavelmente nunca tiveram um contado direto .

  • luciambf:

    Quando meu filho trouxe a Kiss pra minha casa, eu fui contra… A idéia de ter um pitbull no terreiro e assustava…. Com o tempo, me rendi à amizade desses animais. Tsu, Yoko e Beto, filhos da Kiss, são dóceis e carinhosos… Brutalmente carinhosos é verdade. Mas o que se pode esperar de animais tão fortes? Não consigo imaginar minha vida sem as “crianças”. Respeito, cuidado e carinho são condições indispensáveis para cuidar de qualquer animal…

  • Felipe Guerra:

    Bem, essa é uma questão complicada. Esses estudos (relacionados a internações etc) não indicam necessariamente que pitbulls (terrier e as outras raças) são mais agressivos, e sim que eles têm mais poder de destruição. As raças citadas no texto estão entre as que têm a mordida mais forte – talvez SEJAM as três com mordidas mais fortes, aliás.

    É muito mais fácil, portanto, animais dessas raças virarem notícia, causas de internação, e resultarem em pontos e traumas…(quando veremos notícias frequentes de bassets ou pinchers assassinos?)

    Pelo seu porte, essas raças também devem ter mais facilidade em sentir independência e capacidade de autodefesa, enquanto outros cachorros menores e mais fracos latem, fogem ou dão outro jeito de resolver a situação. (ou seja: devem ser, natural e instintivamente, mais combativos do que animais que não tem características que garantam sua sobrevivência numa luta)

    Minha ex-cunhada tem um pitbull e, mesmo tendo pais veterinários, senti medo ao agradá-lo pela primeira vez (porque nunca tinha tido contato com essa raça nas clínicas deles quando era criança). Mas ele era um amorzinho.

    Quando minha mãe tinha clínica, criava uma rottweiler gigante que, certa vez, foi ao fundo do terreno, abocanhou um filhotinho de gato e o adotou (num primeiro instante, minha mãe achou até que fosse um rato morto, porque a cadela soltou o bichinho babado e imóvel no pé dela). Ela só ficava agressiva se sentisse que maltratariam seu novo filho.

    O que resta é saber se eles têm, por alguma razão, tipo a genética, tendências à agressividade (chutando como leigo que dá para descobrir isso).

    Como não há uma resposta definitiva sobre o comportamento deles, o ideal mesmo é seguir precauções básicas, entre as quais sair com focinheira. Por mais que eles sejam dóceis, e por mais que o dono seja muito bacana, uma pequena escapada pode resultar num problema fatal, já que seus corpos também são muito fortes e eles podem escapar facilmente de uma pessoas desavisada. É como andar com um revólver travado: você sabe que tem algo muito poderoso em mãos e que, se não tomar cuidado, pode ter algum problema com ele…

    No mais, mesmo que seja confirmado que não existe uma tendência excepcional à violência, eles continuarão sofrendo preconceito. O mundo é cheio disso, afinal… se há tanto ódio entre os próprios humanos por diferenças em cor, religião e time de futebol, deve ser mais fácil ainda, para essas pessoas, repudiar cachorros.

    Enquanto isso, vejam lutas sangrentas (fofas, na verdade) envolvendo pitbull e chow chow (vale destacar que chow chows, apesar de fofinhos, também podem causar um bom estrago), entre outros:
    http://www.youtube.com/watch?v=xTL_WEO2tsA
    http://www.youtube.com/watch?v=HhQxr07qlE8

    • Will Singer:

      Caro Felipe, valeu o extenso texto! Muito “lúcido” e imparcial! Concordo com vc em tudo! Obrigado!

    • vagner cerentini:

      olá, também possuo um Pit Bull, ele tem seis anos, ele é muito obediente e inteligente, quando ele faz arte, olhamos para ele e só damos uma chamada no nome dele, ele se arrasta até o nosso pé, como se tivesse pedindo desculpas! minha casa é toda murada com a altura de 2,00 metros! ele poderia sair tranquilamente, ele já provou isso por que já chamamos ele do outro lado e ele tranquilamente pulou o muro! mas ele só pula se a gente chama!!!! ele é muito dócil!!!! com as pessoas e os outros animais do pátio! enquanto ele come nós podemos chegar tranquilamente e tirar a comida da boca dele! ele é muito tranquilo, ele não fica bravo quando tiramos a comida dele, ele só não gosta quando os outros animais do pátio chega no prato dele!!! e ele é agressivo quando outro animal entra no pátio! quando saímos com ele na rua ele ignora os outros bichos que ficam latindo para ele! se pegar a corrente de passear, ele já vai indo até o portão e te espera, fica louco para sair!!! resumindo, fiquei com muito medo quando meu irmão trouxe ele para nós, ele já tinha um ano e meio de idade, e se adaptou aos outros animais do pátio! então minha gente, não acreditem nas bobagens que muitas vezes dizem por ai dessa raça!!! eles são fortes e muito inteligentes!!! tem pessoas que criam eles para brigar, pois qualquer animal criado em determinadas circunstâncias são capazes de liberar seu instinto assassino, inclusive os humanos!!!

    • Rogerio C:

      Foi o comentário mais sensato e inteligente que vi até agora na net a respeito disso. Já vi acidentes com animais criados “de berço”, desde o seu nascimento, isentos de qualquer tipo de violência, que do nada se viraram contra o dono e ou sua família, – instinto, não tem o que se fazer quanto a isso, foi uma raça comprovadamente “criada” ou desenvolvida se preferirem, não sei se para a violência, mas foi criada sim!, – ser humano interferindo na natureza, sem comentários né?. Aos que “defendem com suas vidas”, dizendo que podem controlar os seus animais, meus parabéns mas devem ser muito, mas muito inocentes mesmo!. O ser humano não tem controle sobre si, por exemplo quando não se isenta da “paixão” pelo seu ponto de vista diante de fatos, imparcialmente, quanto mais controlar um animal com instintos preservados naturalmente, que desconhecemos!. Não tenho nada contra esta raça, repito!, não tenho nada contra esta ou qualquer outra raça, mas se querem insistir com esta baboseira de que nunca farão mal, me desculpem, mas já presenciei muita coisas que desabona isso, com o perdão do trocadilho, se querem sair “armados” de casa, pelo menos mantenham a arma no coldre!. Se eu senssatamente, perceber que meu filho ou filha estiver esposto a um eminente perigo destes, não importa a raça, não vou “entrevistar” o animal sobre sua criação ou como ele está se sentindo naquele momento, vou preservar minha espécie primeiro!. Defendam o que quiserem mas não sejam tolos e cegos.

  • Matianelus:

    Não importa raça, o que devemos sempre ter em mente é que animais serão sempre irracionais e imprevisíveis. Simplesmente não podemos confiar, afinal o instinto primitivo de um animal pode vir à tona a qualquer momento, apesar de eles serem domesticados ou ensinados (a recíproca também vale para humanos).

    • Regis Henrique Olivetti:

      Matianelus. Perfeito e eu penso que a melhor situação. Vejo sempre notícias de animais que de uma hora para outra se enfurecem do nada.

  • Julio Oliveira:

    É uma raça do capeta!

    • Robson Silva:

      Tambem acho (humano)

  • Louren Azuvich:

    Tudo depende de paciência ser calmo e receptivo,por parte do dono

  • Cesar Crash:

    Foi uma raça criada para caça? Sempre ouvi dizer que tinha sido criada para a rinha, que tinha sido criada para respeitar o homem e atacar outros cães. Pitbulls de um modo geral têm sim a tendência de atacar outros cães, mais tendência também a atacar crianças humanas do que adultos. Muitos mostram o comportamento dócil de animais “treinados”, estes têm treinamento para canalizar sua raiva, na ausência disso é normal que ataquem tudo o que se mexe, faz parte de seus instintos.

    • Malforea Shin:

      Não, meu caro. As raças QUE DERAM ORIGEM AO PIT BULL sim, foram criadas para caçar animais grandes e proteger rebanhos. É isso que o texto diz.

      Sou amante dos animais e tenho uma relação muito forte com os cães. Ter sido vítima de ataque de um pitbull que estava solto na rua não diminuiu esse sentimento. Infelizmente a imagem que predomina no senso comum sobre a raça é essa do topo da matéria: cara de mau, rabo e orelhas cortados e corpo cheio de anabolizantes. Realmente, o cão é um reflexo de seu “dono”. Diz ali que os pastores alemães estão entre os que mais matam no Kentucky. Há 20 anos crio pastores e tenho a liberdade de colocar a mão na tigela de ração enquanto ele está comendo, sem ao menos receber uma rosnada. Ele continua comendo na ração que está em minha mão. Saber criar um animal que precisa de atenção e carinho, e não deve ser transformado numa arma viva.

    • Cesar Crash:

      “As três foram criadas a partir de cruzamentos com raças para caçar animais grandes e proteger rebanhos.”
      A partir do seu comentário agora, passo a ver um texto ambíguo. O para caçar se refere às raças ou ao cruzamento? O texto original parece concordar comigo: “They were originally bred as “catch dogs” for hunting and attacking large animals like wild boar, for herding livestock and for pit fighting.” O pit fighting foi omitido da versão em português e diz respeito às rinhas, como eu disse.
      No mais, conheço um pitbull que pode-se dar tapas na cabeça dele que ele não faz nada, o dono abre a porta do carro e precisa mandar pra ele sair, se sai, ele pode ter ido longe, se o dono mandá-lo entrar, ele entra. Mas, de dentro do carro, se ele vir outro cão, ele começa a tremer com os olhos fixos no outro animal.

Deixe seu comentário!