Segundo a Nasa não faremos viagens interestelares nos próximos 200 anos

Por , em 9.01.2011

Parece que seus sonhos de Capitão Kirk não vão se realizar tão cedo – pelo menos não nessa encarnação. Segundo cientistas da Nasa, demoraríamos mais de 200 anos para coletar a energia necessária para fazer viagens interestelares.

Marc Mills, cientista especializado em propulsão, analisou dados coletados em 27 anos sobre a energia usada em missões espaciais.

Depois ele estimou o uso de energia para cada pessoa que estaria em uma missão espacial. Para uma viagem longa, apenas de ida, com 500 tripulantes em uma nave, precisaríamos de 10^18 Joules para a propulsão. E cada tripulante da nave precisaria de 50 toneladas de combustível, se mantivessem o uso de energia de um americano padrão.

Então, definitivamente, se considerarmos a tecnologia disponível atualmente, não há como a humanidade investir em uma empreitada dessas tão cedo. [Gizmodo]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (10 votos, média: 3,80 de 5)

66 comentários

  • AW_AMARAL:

    Se lembrarmos que à 200 anos atrás, não compreenderíamos que trens viajariam a 300Km/h, que aviões atravessariam os oceanos em horas…

    • Cesar Grossmann:

      Algumas previsões são certas, outras não. Pode ser que o estudo da NASA tenha algum erro, mas não é citando erros passados que você consegue demonstrar que ele está errado. É apontando o erro.

  • Antônio Carlos da Silva:

    A viagem à outras estrelas só será possível, quando a grande maioria da humanidade, de fato, puder ter acesso e à pesquisa científica.

  • Diogenes Luca:

    Creio que ainda nos proximos 100 anos faremos nossa viagem a Gliese 581g e Alfa Centauri. Com a Tecnologia atual temos possibilidade de Chegar em Alfa Centauri em 5 anos. Usando o VASIMIR. Mas Gliese é muito longe levariamos pelo menos 20 anos com o mesmo Sistema. Porem com o sistema de dobras do Dr. Waith seriam somente 2 semanas.

  • Marco:

    Corrigindo alguns erros de raciocíncio: para uma nave com velocidade próxima a velocidade da luz atravessar uma galáxia com 100 mil anos-luz NÃO são necessários 100 mil anos. Na verdade, muito menos do que isso. Dependendo do quão próxima da velocidade da luz esteja, essa viagem pode levar até mesmo algumas horas! Isso mesmo, velocidades próximas a velocidade da luz produzem efeitos relativísticos como contração dos espaços e dilatação do tempo, e não se pode simplesmente aplicar física newtoniana nesse caso.

    • rafa:

      demoraria horas dependendo da velocidade, apenas para o viajante, para os qu olha duraria 100 mil anos

    • wagner.dtr:

      De qualquer forma, em termos práticos, não há nada que sustente esta possibilidade.

    • Cesar Grossmann:

      Em parte.

      Para um observador externo, você levaria muito tempo. Pelo relógio da nave, levaria menos tempo, por causa do efeito relativístico. Mas não tem mágica, quando você voltasse, todo mundo que você conhece estaria morto há muito tempo.

  • tiago:

    Educação a chave para o futuro e para as estrelas

  • Jusé:

    Para viajar centenas de anos-luz, precisaríamos de uma nave-planeta e procriar e ensinar as crianças a pilotarem até chegar ao destino. mas a pergunta principal e retórica é: viajar para onde? nem tem planetas habitáveis descobertos ainda…

    • fred:

      Existe um planeta habitavel relativamente perto da terra – gliese 581 g, a vinte anos luz. No entanto, mesmo que se consiga a tecnologia da velocidade da luz, qualquer ser humano era logo desintegrado em segundos.

  • Adriano:

    Alguém precisa provar o contrário urgentemente. O pessoal precisa colocar a cabeça pra funcionar. Não podemos esperar 200 anos.Isso não se encerra aí.

  • ricardo santos:

    penso eu que mesmo um dia, o que eu acho muito difícil ainda, o homem consiga inventar uma aeronave que atinja a velocidade da luz, ainda não seria o suficiente para alcançarmos outros planetas que estão a sentenas, milhares de anos luz de distancia, ou seja para que isso aconteça o homem teria que inventar uma nave que consiga atingir a velocidade da luz centenas de vezes, e talvez até milhares…outra duvida que tenho sobre isso, li uma reportagem uma vez, que se nós viajassemos a velocidade da luz, a partir de um ponto, quando chegarmos novamente neste mesmo ponto, ou estariamos no futuro, ou iriamos parar no passado, pois tal velocidade quebraria a barreira do próprio tempo e espaço…

    • Marco:

      Não, não é bem assim. A luz, no referencial dela, chega quase instantaneamente em uma galáxia há 3 milhões de anos luz daqui. Porém, no referencial de quem está de fora, de fato a luz demoraria 3 milhões de anos nessa mesma viagem.

  • Jonathan:

    Lucas me desculpe mas até lá o ser humano, se continuar assim, ja vai ter se auto-destruido.Mas enfim…eu creio que sim, que estaremos fazendo viagens desse porte…evoluimos muito em questão de tecnologia..e quem sabe o que esta para surgir?Quem sabem nem iriamos precisar de naves pra tais viagens…procure na net como estão os estudos de teletransporte…ate uns anos atrás era “impossivel”…há um ano, teletransportaram luz (energia) e agora conseguiram teletransportar materia..em apenas 1 ano fizeram esse “salto”…então..vai saber…(sem dizer da experiencias de Ronald Mallet…)

  • Carlos:

    Eu acredito que estaremos fazendo viagens interestelares em 200 anos sim. Compare os últimos 200 anos até os dias de hoje, o que nós já alcançamos? É o que disse um homem que ficou preso 16 anos pela FARC, o que mais o impressionou foi a evolução tecnológica alcançada no tempo que ficou preso.
    Veremos muita coisa mudar na nossa geração. Veremos mais ainda, se pararem de ser do contra e tentarem ajudar.

  • LucasKl:

    Tenho 100% de certeza que um dia faremos uma viajem pelo universo.

    Quando o sol estiver no fim de sua vida a terra for destruída nossas partículas se espalharam pelo universo e pela composição dos gases que formaram novas estrelas.

  • LucasKl:

    Mesmo se conseguíssemos fazer viajens interestelares, nós teríamos que se preocupar em não ficar perto demais das estrelas (calor), nem lonje demais (frio), Não poderíamos olhar diretamente para as estrelas, pois ficaríamos cegos.

    Teríamos que nos preocupar em desviar de meteoros, partículas destrutivas, radiação.

    Sem falar da quantidade limitada de ar, água e energia.

  • prego mestre:

    nunca haverá uma viagem interestelar porque são anos-luz de distancia, um tempo muito superior a vida humana mesmo se viajasse na velocidade da luz ( a velocidade mais rápida possivel de se viajar ). ponto final.

    • Marco:

      Não, não é bem assim. Você está raciocinando de acordo com a física clássica mesmo perto da velocidade da luz, quando ela não é válida. Na física relativística, o tempo passa em taxas diferentes dependendo do referencial.

  • Marcelo Forest:

    Esse cara é um imbecíl, dúvido muito da jusificativa dada por ele. homem sempre superou essses desafios. Se fosse assim os russos não construiriam uma estação espacial que funciona a 15 anos e agora que veio a apresentar problemas com a orientação, mas continua em órbita, não estando orientada como deveria em relação ao Sol.

    Então imagina a superação humana com relação as dificuldades apresentadas.

  • 優伊貴:

    Caraca! Será que ninguém entende que 1º tem que vir os Vulcanianos para trazer a tecnologia WARP aplicada e as tecnologias para retirar energia do vibranium para que aconteça a 1ª viagem interestelar com os terráqueos?!
    -assista Enterprise [first flight]…

  • Lucas:

    Nenhum homem colocou os pés a lua… Isso é fato! Se a propria nasa diz em 200 anos para termos viagens ao espaço!

  • yuji:

    Eu acredito muito que chegaremos há outros universos , para isso cada um tem que contribuir com seus esforços e conhecimentos para um mundo melhor , há um longo caminho de conhecimentos para serem descobertos , 200 anos na atual tecnologia , mas como a ciência anda rápido chegaremos mais cedo lá , ( Um pequeno passo para um homem , um grande salto para a humanidade ) 20 de julho de 1969 Apollo 11 , tudo é possível é só ter vontade .

  • Lipp:

    Acredito que só poderemos fazer viagens distantes no universo se descobrirmos os tais buracos de minhoca. Agora, atravessar o universo em uma nave espacial será praticamente impossível… as distâncias são imensuráveis… infelizmente.

  • Sérgio:

    Com ‘o uso de energia de um americano padrão.’nosso planeta inteiro vai fazer uma viagem não tripulada. levando uns poucos passageiros felizardos ‘audaciosamente indo onde ninguém jamais esteve’!

  • Paulo:

    Eu acredito que os “ETS” chegaram primeiro aqui em nosso planeta, se é que já não estão entre nós. Do que nós irmos até outros mundos.Em 100 anos o homem foi do 14Bis aos aviões supersônicos. Porque então em 200 anos não iria saltar dos ônibus espacias a uma Entreprise…

  • Rodrigo Paim:

    A única coisa que eu sei é que, 100 anos atrás, se alguém dissesse do que temos e somos capazes hoje, seria chamado de louco …

    A cada ano fazemos mais descobertas científicas do que toda as outras gerações fizeram durante milênios …

    Ninguém aqui tem noção do que os próximos anos podem trazer, quanto mais séculos …

    Pena que a grande maioria da humanidade é fútil e de incapaz compreensão científica

  • Tony Amorim:

    Pois bem, como mencionei antes, um vôo de dilatação (propulsão “bruta” em velocidade “próxima” à da luz) é completamente inviável e caro demais devido às tremendas quantidades de energias necessárias, e ainda por cima seria muito ineficiente já que seria abaixo da velocidade da luz.
    Nossa única esperança de chegar nos exoplanetas ainda dentro de uma geração seria mesmo a capacidede de manipulação gravitacional, em outras palavras, a capacidade de alterar á vontade a própria estrutura espaço/tempo, e isso requer um profundo conhecimento da natureza íntima da Matéria/Energia. Muitas teorias já foram propostas, uma delas inclusive prevê a existência da partícula gráviton (equivalente ao fóton do eletromagnetismo) outra que parece bem promissora é a das cordas que propôe conciliar mecânica quântica e relatividade. Talvez um entendimento mais claro do que seria a chamada “gravidade quântica” possa nos dar a chave das estrelas.
    Mas o que mudou dos útimos 60 anos para cá? Simplesmente acontece que agora a humanidade dispõe do equipamento necessário para testar tais teorias, imagino os milhões de euros gastos na construção e manutenção do grande colisor de hádrons e as equipes altamente qualificadas que estão trabalhando dia e noite lá… No final, parece que vai valer a pena, sou otimista quanto a isso e espero viver o bastante pra ver a primeira esperiência “Warp” da História.

    • Diogenes Luca:

      Tambem espero Tony e creio q será ainda neste primeiro centenario do seculo XXI

  • Tony Amorim:

    Pois é, esse é o maior problema por enquanto

  • ricardo santos:

    concordo com todos os comentários, sob a grandesa da capacidade humana, em romper as fronteiras do universo…

    mais antes, vamos pensar em reverter o estrago que o próprio homem fez e esta fazendo no nosso pequeno planeta azul!

    se continuarem nesse ritmo acelerado, de poluiçao, e desflorestamento, e destruição em massa, não haverá raça humana nenhuma, para evoluir, nem cientificamente, nem nada…!

  • Tony Amorim:

    Mas tem um ditado que diz mais ou menos assim: A ficção científica de hoje é o fato científico de amanhã

  • Tony Amorim:

    Ninguem aqui disse que a ciencia é onipotente. Mas que pode muito isso pode, e um dia vai poder muito mais que hoje. Lógico que nunca vai ter poder absoluto, somente relativo, mas quem somos nós pra definir que limites terá a ciência no futuro? Isso ninguém nunca advinhou.

  • ricardo santos:

    o homem não tem tecnologia para uma viajem pelo espaço, para alcançarmos distancias interplanetarias, precisariamos de uma nave que alcançe a velocidade da luz centenas de vezes…sem essa velocidade, seria o mesmo que atravessar o oceano atlantico, num barquinho a remo…

  • Luiz:

    Cesar, concordo com você.
    O futuro da ciência e da humanidade é incerto. Porém eu vou tentar ajudar no que puder. O que é mais benéfico dizer que nunca conseguiremos ou arregaçar as mangas e fazer algo?

  • Eu:

    …báh….a ciência nos surpreende…pode ser muuiito antes do que pensamos…

  • Gabriel Zambon:

    “E para a Ciência, não existe obstáculo. É só uma questão de tempo.”
    Que loucura é essa? A ciência é Onipotente? Todas as leis físicas um dia serão quebradas? A Ciência é um tipo de deus?

    Caiam na real meus amigos, talvez algum dia nosso conhecimento evolua e possamos fazer isso, mas motores de dobra e saltos no espaço são ficção científica e nada na física mais moderna atual pode sequer teorizar tais eventos.

    Nosso conhecimento ainda é pífio, mas ter fé na ciência Onipotente é ingenuidade.

  • Tony Amorim:

    Todo o conhecimento cientíco atual não só computacional, mas em todas as áreas da ciência e tecnologia vêm evoluindo numa progressão geométrica, os avanços em determinada área acabam sempre ajudando e reforçando os das outras áreas. Se alguém duvida é só analisar a ciencia e tecnologia de 50 anos atrás, comparar então com a dos 50 anos anteriores e assim sucessivamente… Eu me lembro do tempo em que não existia DVD, onde foram parar nossos videos-cassete VHS?
    Só os 100 anos de século XX representam um salto que não foi alcançado nem com os 1000 anos da idade média. Por isso, sem querer ser otimista doente, ainda assim acho 200 anos no futuro um tempo longo demais pra se chegar em tais avanços.
    Os físicos teoricos estão trabalhando duro no sentido de unificar as 4 forças fundamentais e unir mecanica quantica e relatividade, a parte geométrica e matemática do problema já foi abordada pelo físico mexicano Miguel Alcubierre. Grandes passos já foram dados nesse sentido, acredito que quando pudermos manipular campos gravitacionias com a mesma facilidade com que fazemos com os eletromagnéticos, os atuais motores de foguete serão aposentados de uma hora pra outra e um novo tipo de nave será criada, como se mudou rapidamente dos antigos discos de vinil para o CD, ainda dentro de uma mesma geração.

    • Diogenes Luca:

      Concordo. E isso realmente pode acontecer da noite para o dia mesmo

  • Everton Carlos da Costa Cardoso:

    A ficção científica quase sempre se torna realidade. E para a Ciência, não existe obstáculo. É só uma questão de tempo.

  • vinicius:

    Todo o pessoal mostrando a sua solidariedade com o André Luiz e o negativando como ele pediu.

  • flavio ciência:

    concordo com o cesar, os seres humanos precisam de um avanço mental e intelectual para melhor compreenderem a ciência e sua importancia, alcançado esse feito a ciencia vai avançar bastante e em um futuro próximo essas viagens se tornarão possiveis.

  • Roberto:

    Para enviar cinco pessoas para marte dá um trabalhão. E olha que Marte é bem ali. A voyager saiu agora há pouco do quintal do sitema solar. 200 anos é ser muito otimista.

  • vinicius:

    “Luke Skywalker: Eu não acredito. Yoda: Por isso falha.”

  • André Luiz:

    Negativaram meus comentários, só porque eu disse que pode levar milênios. Eu fui otimista demais, a verdade é que nunca conseguirão fazer viagens interestelares!

    Podem me negativar!

  • André Luiz:

    Nunca conseguirão!

  • CRC:

    Boa Cesar! Temos exemplos muito próximos da realidade. O CD foi recebido com muito ceticismo pela comunidade, que esperava alguma coisa mais futurística. Anos se passaram e o máximo que conseguimos foram pen drives caríssimos. Se tivéssemos esperado pela mídia definitiva, estaríamos ainda gravando nossos arquivos em discos flexíveis e assistindo filmes em fitas VHS!

  • Cesar:

    Maldels, nada a ver. O cientista fez a suposição dele baseado na tecnologia atual. A NASA está neste negócio há um bom tempo, e lançou um monte de sondas no espaço, para outros planetas, e eles sabem que existem pesquisas para tentar uma forma alternativa de viagem espacial, como os wormholes e outras coisas, mas os planetas estão aí, e, mesmo que leve 15 ou 20 anos para chegar a um deles, mesmo que quando as sondas chegarem lá já estarão tecnologicamente defasadas, se elas não forem enviadas, podemos até ter a melhor tecnologia do mundo, mas não teremos uma sonda lá. E o que importa mais, chegar lá com uma sonda defasada ou ficar aqui na Terra, esperando o desenvolvimento de uma tecnologia que ninguém sabe ao certo como será e quando será criada?

    A NASA é realista. Com o que a gente tem agora, não dá para pensar em viagens espaciais em menos de 200 anos. O que fazer agora? Existem duas alternativas:

    1. trabalhar para que em 200 anos pelo menos a gente tenha alguma alternativa para missões espaciais

    2. ficar sentado esperando a descoberta de alguma forma alternativa de viagem espacial que ninguém nem sabe de onde virá, nem quando virá?

    Há um conto de ficção científica que fala de um dilema semelhante, um planeta fica no dilema de enviar socorro para uma colônia distante ou não, e o que eles fazem é isto mesmo, mandam um voluntário corajoso em uma nave para fazer uma viagem relativística que demorará muito tempo mas vai chegar a tempo de salvar a colônia. Quando ele chega, é recebido como um herói, mas a missão dele não era mais necessária, no tempo em que ele estava viajando uma nova tecnologia foi descoberta, e o tataraneto dele havia chegado bem antes com o socorro, e estava lá esperando por ele para recebê-lo como um herói.

    O dilema da NASA, neste caso, e não só da NASA, mas de toda a humanidade é este mesmo: com nossos recursos atuais, a gente vai ter uma missão espinhosa e difícil. Podemos ficar sentados esperando por uma nova tecnologia que facilite isto, e que pode levar muito tempo para ser desenvolvida (como pode resultar de uma descoberta científica dos próximos anos – quem é que sabe?), ou podemos começar a fazer alguma coisa AGORA, com os meios que temos. A opção mais racional é fazer algo AGORA.

    Agora, vejam só o dilema. Se é feita pesquisa de ponta, as pessoas dizem “por que não gastam isto para acabar com a fome mundial”. Quando se aponta que existem estrelas e planetas por aí que poderiam ser visitados se a gente desenvolvesse alguma tecnologia, ficam dizendo “por que não fazem então esta tecnologia”. A verdade é que são todos muito bons para criticar, mas para apoiar algum projeto científico, ninguém dá nada. Quem é que já recebeu apoio dos pais para fazer um projeto científico? Quem é que já se preocupou em estimular a curiosidade científica dos seus filhos? Mas aposto que estão todos muito empenhados em ajudar os filhos a terem boas roupas e a terem sucesso social.

    Não adianta, a mentalidade da maioria aqui é muito medíocre. Qualquer artigo científico recebe críticas severas, como se ciência fosse um crime ou uma heresia. Visão limitada e míope. E enquanto a caravana da ciẽncia passa, os brasileiros ficam latindo na beira do caminho…

    • Nilo Rodarte:

      Gosto muito desse site e aprecio seus artigos e comentários. Fiquei interessado nesse conto que voce mencionou. Qual o nome ou o autor?

    • Van Bastos:

      Excelente !

  • holiday:

    ah, que peninha!

  • Gabriel Zambon:

    O Fato é muito simples: com a nossa tecnologia atual e até com nosso conhecimento de física atual essa viagem demoraria milênios e, na prática, seria inviável.
    Para que algo assim ocorresse nos próximos 200 anos teríamos que não só evoluir nossa tecnologia como descobrir uma nova lei Física revolucionária.
    Impossível não é, mas não está nem perto de se tornar realidade.
    Comparar evolução computacional com evolução no conhecimento de física é pior que o Lula comparando Futebol à política.

  • CRC:

    É bom para os ufologistas de plantão ficarem cientes que uma viagem interplanetária seria onerosa para qualquer civilização…

  • Tony Amorim:

    Não acho que o caminho pras estrelas seja a propulsão relativistica bruta. Boto fé que um dia as equações de Alcubierre terão um uso prático, o LHC pode trazer a solução pra esse problema num tempo bem mais curto que esse… Talvez

  • Tony Amorim:

    Acho que disseram coisa parecida sobre o processamentos de dados pouco antes da invenção do transistor.

  • Z3hr0_C00l:

    Com a tecnologia atual demoraria 2 anos, mas sendo que a cada 2 anos a informação duplica a quantidade de “know how”. Logo é besteira esse tipo de comentário.

  • Just the SCIENCE is IMMORTAL:

    A NASA está completamente certa.

    A todo momento vejo comentários na internet, de adolescentes iludidos que não tem a menor noção de como funciona uma nave, e ainda ACHAM que “logo” estaremos vivendo em outros sistemas solares distantes. Isso logicamente um dia será possível, mas não nos próximos 2 ou 3 séculos.

    A respeito da ciência, não há nada melhor do que a palavra de uma organização científica que realmente entende do assunto (como a NASA).

  • André Luiz:

    O ônibus espacial da NASA viaja a aproximadamente 28 000 km/h e, portanto, levaria 168 000 anos para chegar à estrela mais próxima, que está a 4,4 anos-luz da Terra. A espaçonave mais veloz que a espécie humana já construiu até agora (Voyager da NASA) levaria 80 mil anos para chegar à estrela mais próxima.

    Gente, na boa, 200 anos é muito pouco tempo.

  • Meldelz:

    Não há razão para que alguém queira ter um computador em casa.
    Ken Olson, presidente e fundador da Digital Equipment Corp. (DEC), fabricante de computadores mainframe computers, discutindo os computadores pessoais, em 1977.

    Mas, para o que serve isso?
    Robert Lloyd, executivo da IBM, sobre o microprocessador, em 1968.

    Na medida em que uma calculadora no ENIAC é equipada com 18 mil tubos de vácuo e pesa 30 toneladas, os computadores do futuro deverão ter apenas mil tubos de vácuo e pesar 1,5 mil toneladas.
    Revista Popular Mechanics, em 1949.

    Eu viajei por todos os cantos deste país e conversei com as melhores pessoas, e posso assegurar a você que o processamento de dados é uma moda e não vai durar até o final do ano.
    Editor responsável por livros de negócios da Prentice Hall, em 1957.

    Esta coisa de antitruste vai passar.
    Bill Gates, fundador da Microsoft (data não disponível).

    O potencial mercado de máquinas de cópia é de, no máximo, cinco mil (unidades).
    IBM, para os eventuais fundadores da Xerox, dizendo que as fotocopiadoras não teriam um mercado tão grande que justificasse a sua produção, em 1959.

    A transmissão de documentos por cabos de telefone é possível, em princípio, mas o aparato requerido é tão caro que nunca irá se tornar uma proposta prática.
    Dennis Gabor, físico britânico e autor de Inventing the Future, em 1962.

    A compra à distância, apesar de ser completamente possível, irá fracassar,porque a mulher gosta de sair de casa, segurar a mercadoria, gosta de estar apta a mudar a sua intenção.
    Revista Time, descartando as compras online antes mesmo de se ouvir falar nelas, em 1966.

    Não há praticamente nenhuma chance dos satélites espaciais de comunicação serem usados para prover melhores serviços de telefone, telégrafo, televisão ou rádio dentro dos Estados Unidos.
    T. Craven, membro do conselho da Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos, em 1961 (o primeiro satélite comercial de comunicações entrou em serviço em 1965).

    ——-

    etc

    Essa frase entrará para o grupo.

    • Eloyr:

      Bem lembrado. Bela coletânea de asneiras que já foram proferidas garbosamente por quem deveria enxergar ao menos 2 polegadas à frente das suas narinas empinadas.

    • Cesar Grossmann:

      Agora, por que algumas pessoas estavam erradas, todas estão erradas? A NASA pode estar errada, mas pelo que sabemos do Universo, não está. Não se trata de falta de visão, apenas de uma constatação baseada no conhecimento atual. Se você acha diferente, mostre um motivo RACIONAL para justificar sua opinião, e não uma coleção de frases de pessoas que estavam erradas. Isto não prova absolutamente nada.

  • ?????:

    Estaremos extintos até lá.

  • Harley Eugenio:

    nao vai ser preciso, mandar 500 pessoas para outra estrela.

    eu acredito que no futuro mandaremos so a nave. com maquinas de fazer humanos. quando a nave estiver perto da estrela destino ela faz os humanos necessários. na terra digitalizaremos as mentes dos astronautas e mandaremos via onda de radio, para a nave implantar a memoria e a mente deles no humanos criados na nave. depois que terminada a missão, digitaliza a mente deles e manda de volta para a terra.

    esse processo seria como mandar arquivos entre computadores.

  • André:

    Nunca faremos uma viagem inter-estrelar,
    alguém estará saindo de uma estrela e pousando
    em outra ?

    Viagens inter-planetárias sim, um dia pode vir
    a ser possível, mas não é preciso muita pressa !

  • André Luiz:

    Nos próximos 200 anos? Não acredito. Isso pode levar milênios.

Deixe seu comentário!