Uma única dose cogumelos mágicos regenerou conexões cerebrais em camundongos

Por , em 6.07.2021

Psilocibina, o composto psicodélico ativo nos cogumelos mágicos, tem alguns efeitos curiosos no cérebro humano e por isso um grande interesse dos cientistas em sua eficácia como um antidepressivo.

Um estudo recente mostrou que a psilocibina era tão eficaz contra a depressão quanto o tipo mais comum antidepressivo, inibidores seletivos de recaptação de serotonina (SSRIs, na sigla em inglês). Há indícios de que os psicodélicos podem induzir adaptações neurais, mas o que a psilocibina realmente faz com o cérebro e quanto tempo os efeitos duram ainda não sabemos exatamente.

Pesquisadores descobriram que, em camundongos, a psilocibina desencadeou um aumento imediato e duradouro nas conexões neuronais após apenas uma dose. É uma descoberta que pode ajudar a explicar os efeitos antidepressivos da psilocibina, de acordo com a equipe.

“Não só vimos um aumento de 10% no número de conexões neuronais, mas elas também eram, em média, cerca de 10% maiores, portanto mais fortes”, disse o neurocientista Alex Kwan, da Universidade de Yale, nos EUA.

Acredita-se que a depressão esteja frequentemente ligada ao neurotransmissor serotonina, um hormônio que ajuda a transmitir sinais entre regiões do cérebro. A ação da psilocibina (e outros psicodélicos serotoninérgicos, como a ayahuasca e mescalina) também está fortemente ligada à serotonina. Isso levou os cientistas a explorar seu potencial como antidepressivos e, incrivelmente, eles parecem ser bastante eficazes.

Dado que os SSRIs geralmente têm efeitos colaterais desagradáveis, os psicodélicos podem abrir novos caminhos para o tratamento da depressão. Mas não até entendermos exatamente o que esses compostos fazem com o cérebro dos mamíferos.

Para isso, uma equipe de pesquisadores liderada pelo neurocientista Ling-Xiao Shao da Universidade de Yale procurou observar os efeitos da psilocibina nos cérebros de camundongos.

Eles dividiram uma população de ratos em três grupos. Um grupo recebeu apenas soro fisiológico e outro ficou apenas como um grupo de controle. Um segundo grupo de controle positivo foi dosado com a cetamina, outra substância com benefícios antidepressivos surpreendentes.

Banner Cogumelos Mágicos

O grupo final foi, obviamente, dosado com psilocibina. Os pesquisadores então usaram um microscópio de varredura a laser para rastrear alterações cerebrais nos três grupos ao longo de vários dias, e novamente após um mês.

Comparado aos controles, o grupo de psilocibina teve um aumento acentuado em um tipo de estrutura neural chamada colunas dendrítica que são pequenas saliências encontradas nos dendritos do neurônio, e desempenham um papel fundamental na transmissão de sinais elétricos no cérebro e plasticidade sináptica.

É normal ter alguma rotatividade nos espinhos dendríticos, mas condições como estresse a longo prazo e depressão podem mostrar atrofia dendrítica da coluna vertebral e uma diminuição na densidade da coluna dendrítica.

O efeito da psilocibina nos espinhos dendríticos dos camundongos foi impressionante. Em comparação com o grupo de controle, o aumento na densidade e tamanho da coluna dendrítica foi detectável em apenas 24 horas após receber uma dose, e persistiu nos dias seguintes. Sete dias após a dose, cerca de metade dos novos espinhos ainda estavam lá. Aos 34 dias, cerca de um terço deles persistiram.

A distribuição dos novos espinhos dendríticos também foi interessante. Alguns retiveram todos os novos espinhos que surgiram, enquanto outros perderam todos. Ainda não está claro o que isso significa.

Para investigar melhor o resultado, os pesquisadores dosaram um segundo grupo de camundongos, e 24 horas depois dissecaram seus cérebros para contar os espinhos dendríticos. Isso confirmou a capacidade da psilocibina de cultivar novos espinhos em cérebros de camundongos.

Finalmente, quando se trata de efeitos comportamentais, o grupo de camundongos da psilocibina parecia mais capaz de lidar com o estresse. Quando colocado em uma situação estressante — leves choques elétricos administrados pelas patas — o grupo experimental apresentou maior chance e capacidade de fugir, e aumentou a atividade dos neurotransmissores, descobriram os pesquisadores.

O efeito foi semelhante ao da cetamina na densidade da coluna dendrítica, o que sugere que a rápida remodelagem da estrutural neuronal pode ser a chave para medicamentos com efeitos antidepressivos rápidos, como cetamina e psicodélicos serotoninérgicos.

Como compostos que agem de forma diferente no cérebro têm o mesmo efeito, não está claro por enquanto e precisaria de uma investigação mais aprofundada, disseram os pesquisadores.

No entanto, o resultado é promissor.

“Foi uma verdadeira surpresa ver mudanças tão duradouras com apenas uma dose de psilocibina”, disse Kwan. “Essas novas conexões podem ser as mudanças estruturais que o cérebro usa para armazenar novas experiências.”

A pesquisa foi publicada na revista científica Neuron.

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

Deixe seu comentário!