Veja o que aconteceu com esta cidade radioativa 5 anos após os humanos fugirem

Por , em 13.07.2016

Desde março de 2011, em um raio de cerca de 50 quilômetros em torno do reator nuclear Fukushima Daiichi, há uma zona de exclusão insegura para viajar.

Depois do acidente, a cidade de Ōkuma, na província japonesa de Fukushima, foi completamente abandonada. Mais de 100.000 evacuados deixaram suas casas e negócios às pressas, de forma que a vida pareceu se congelar por lá.

Agora, uma alma corajosa entrou escondida na região para fotografar as cenas apocalípticas que mostram como Fukushima está agora, cinco anos depois dos seres humanos fugirem de lá.

Cidade fantasma

O usuário “Xanathon” compartilhou as imagens que fez da cidade radioativa na plataforma Imgur. Ele afirmou na postagem que precisaria de uma permissão especial – em um processo que levaria cerca de um mês – para visitar a zona de exclusão, e, como não estava a fim de enfrentar a burocracia, acessou a região deserta através da floresta para evitar policiais.

A série de fotografias é chocante e mostra os efeitos de cinco anos sem intervenção humana. Xanathon passou por supermercados cheios de comida radioativa, lavanderias com roupas ainda nas máquinas e shoppings com carros ainda nos estacionamentos.

O usuário também fotografou revistas e calendários que mostram o tempo congelado em março de 2011.

Anos de radiação

O fotógrafo maluco entrou na região radioativa sem quase nenhuma proteção, apenas escondendo seu rosto com uma máscara. Ele descreveu “uma sensação de ardor nos olhos e cheiro de produtos químicos no ar”.

Também disse estar surpreso por ter encontrado comida, dinheiro, ouro, laptop e outros itens valiosos (como um videogame ainda na caixa) na zona de exclusão: “Me surpreendeu que ninguém tenha saqueado esta cidade”.

O acidente nuclear de Fukushima Daiichi foi um desastre causado pelo derretimento de três dos seis reatores nucleares da usina, depois de ela ter sido atingida por um tsunami provocado por um terremoto de magnitude 9,0. As fotos abaixo vão sempre nos lembrar de que existem forças maiores do que nós contra as quais não adianta lutar: [Gizmodo, Imgur]

Fukushima cinco anos depois (2) Fukushima cinco anos depois (3) Fukushima cinco anos depois (4) Fukushima cinco anos depois (5) Fukushima cinco anos depois (6) Fukushima cinco anos depois (7) Fukushima cinco anos depois (8) Fukushima cinco anos depois (9) Fukushima cinco anos depois (10) Fukushima cinco anos depois (11) Fukushima cinco anos depois (12) Fukushima cinco anos depois (13) Fukushima cinco anos depois (14) Fukushima cinco anos depois (15) Fukushima cinco anos depois (16) Fukushima cinco anos depois (17) Fukushima cinco anos depois (18) Fukushima cinco anos depois (19) Fukushima cinco anos depois (20) Fukushima cinco anos depois (21) Fukushima cinco anos depois (22) Fukushima cinco anos depois (23) Fukushima cinco anos depois (24) Fukushima cinco anos depois (25) Fukushima cinco anos depois (26) Fukushima cinco anos depois (27) Fukushima cinco anos depois (28)

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (4 votos, média: 5,00 de 5)

12 comentários

  • Augusto flor da silva:

    Referente aos animais, isso prova que eles são dominantes deste planeta,não é qualquer interferência humana que vai mudar seu sistema.

    • Cesar Grossmann:

      Explica isso para as milhares de espécies que se extinguiram por conta da influência humana.

  • Paulo Felix:

    Eu não pegaria o dinheiro, mas não sei se ele não pegaria. Entra furtivamente, mas não furta?
    Não perguntaria, mesmo que fosse possível.

  • coitado:

    Deve estar bem agora, mas provavelmente antecipou uns 10 anos ou mais de sua morte, as celulas expostas sofrem alteração que viram cancer…

  • Paulo Felix:

    Continuando…
    Porque há tantas coisas no chão?
    Ele pegou o dinheiro contaminado?
    Há algum meio de descontaminar as coisas?

    • Cesar Grossmann:

      Tem tantas coisas no chão por causa do vento e animais selvagens. Provavelmente ele não pegou nada contaminado por que está contaminado e é muito fácil descobrir se alguém pegou algo contaminado.

    • Paulo Felix:

      … provavelmente também saiu escondido.
      Acho que nunca vamos saber.

    • Cesar Grossmann:

      E ser responsabilizado pelo surgimento de ienes contaminados com radioatividade? Sem falar que ele provavelmente é japonês, e os japoneses tem um senso de ética diferente dos brasileiros.

  • Paulo Felix:

    Algumas perguntas.
    Ele está bem?
    Ele levou algum aparelho de medição de radiação?
    Quanto tempo essa cidade vai ficar isolada?

    • Paulo Felix:

      Tão simples e não me ocorreu. Aves, ratos, outros animais… Óbvio.
      Mas quanto a ele pegar o dinheiro, não sei… Ele entrou escondido…

    • Paulo Felix:

      Onde estava a ética dele no momento que invadiu, sorrateiramente, um local onde era proibida a entrada?

    • Cesar Grossmann:

      Não sei, pergunta para ele. Eu não pegaria o dinheiro, talvez por isso acho que ele também não, mas posso estar simplesmente bancando o inocente. Vai saber…

Deixe seu comentário!