Artista canadense faz retrato de Steve Jobs com 3.750 maçãs

Publicado em 23.10.2011

retrato steve jobs maçã

Desde a morte de Steve Jobs, no início deste mês, surgiram diversas homenagens ao carismático fundador da Apple. Uma das mais impressionantes, sem dúvidas, é esse retrato de Jobs feito com nada menos que 3.750 maçãs. O artista é o canadense Olivier Lefebvre que escolheu meticulosamente cada uma das milhares de maçãs, o símbolo da Apple.

Antes que alguém comece a gritar coisas como “isso é um desperdício de comida!”, Lefebvre explica: as frutas foram todas recolhidas do chão, quando começavam a apodrecer. O canadense afirmou que nunca usaria alimentos que poderiam ser consumidos por humanos pela arte. [OddityCentral]

Autor: Stephanie D’Ornelas

É estudante de jornalismo, adora um café e um bom livro. Curte ciência, arte, culturas e escrever, mesmo que sejam poesias para guardar na gaveta.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

13 Comentários

    • Se lesse veria que ele pegou as maçãs do chão =.=’

      Thumb up 0
  1. O que querem criticando o artista. A arte existe em todos os campos e todos os elementos. Quem não gosta pra que se dar ao trabalho de comentar. Ele homenageou um ídolo e ícone da informatica, nada demais. Eu sou desenhista tanto no computador quanto a mão livre, e não é preciso ter “tanto tempo livre” pra fazer o que ele fez, só axar maçãs e cores suficientes, e ter o talento, que muito dos criticos aqui não tem nem sombra disso.

    Thumb up 13
  2. Pra quem quiser aparecer, enfia um peixe no r4bo e finge que é sereia!

    Vá arrumar um emprego!

    Thumb up 1
    • Tirando todos os outros argumentos existentes, como vc sabe se o cara num eh um arquiteto e ganha milhoes de vezes mais que vc e fez isso no mes de ferias dele?

      Thumb up 5
    • É,,, parecido não ficou… mas valeu a intenção.

      Thumb up 11

Envie um comentário

Leia o post anterior:
life_soils1_f
No mundo subterrâneo, a fauna é tão rica nos polos como nos trópicos

Quando se fala em bi...

Fechar