10 previsões feitas bizarramente por animais

Por , em 8.01.2013

Todo mundo sabe que os sentidos dos animais são mais apurados que os nossos, e qualquer um que tenha um animal de estimação já deve ter observado em algumas oportunidades que eles acabam notando coisas que escapam a nossa percepção.

Em qualquer tragédia natural, histórias circulam entre os sobreviventes sobre como criaturas grandes e pequenas perceberam que algo aconteceria bem antes de nós. Alguns humanos até resolveram aproveitar os instintos animais de várias formas, com validade científica ou baseadas em superstições. Confira:

10 – Eleição presidencial

Esquilos adoram nozes. Mas quando é hora de escolher nozes na frente de fotos de candidatos à presidência, um certo esquilo de estimação tem uma certa preferência quanto às nozes. Gnocchi, o roedor vidente de Charleston, Carolina do Sul (EUA), previu corretamente os resultados da eleição de 2008: Obama ganharia. Infelizmente parece que a capacidade do roedor de prever o futuro não estava afiada para 2012. Ele escolheu o republicano Mitt Romney.

9 – Olimpíadas

O jornal Daily Telegraph utilizou os serviços de Larry, o burro adivinho, para prever os resultados das Olimpíadas de Londres de 2012. Dois baldes de alimentação, marcados com “Y” e “N”, foram oferecidos ao animal, junto com a pergunta sobre algum evento olímpico do dia. O primeiro balde que Larry escolhesse era considerado a resposta. Infelizmente, no fim da brincadeira, ele teve apenas 8 previsões corretas e 9 incorretas. Nada para se gabar…

8 – Saúde

Nos Andes Peruanos, certos sacerdotes indígenas praticavam um método de detectar problemas de saúde usando porquinhos da índia. O animal, vivo, era passado sobre o corpo do paciente e então morto, aberto e seus órgãos inspecionados. Acreditava-se que o pobre bichinho adquiria o mesmo mal do paciente, e assim os órgãos internos dele serviam para diagnosticar o paciente, baseado em sua textura e aparência.

Porcos da índia negros são os mais cobiçados para esta medicina popular. Outras culturas antigas como os mesopotâmios, romanos e etruscos também usavam órgãos de animais para adivinhação do futuro, uma prática chamada extispício.

7 – O Superbowl

Não apenas um, mas dois zoológicos possuem orangotangos adivinhos que predizem com regularidade o resultado do Superbowl (campeonato de futebol americano). Em Salt Lake City (EUA), o Zoo Hogle tem um macaco de nome Eli que escolheu corretamente o campeão dos últimos cinco anos consecutivos.

O método de Eli é simples: ele recebe dois capacetes de futebol americano de papel machier, e bate no que ele gosta mais. O Zoo de Oregon também tem um time de macacos (Kutai e Inji) que tem escolhido seus favoritos regularmente, mas ultimamente passou dificuldade para chegar a um consenso. Outras criaturas que de vez em quando também são apontadas como adivinhos do Superbowl são um rinoceronte, um camelo e um tigre de Sumatra.

6 – Previsões meteorológicas

Algumas vezes, a meteorologia é mais importante à sobrevivência de outros organismos que para nós. Fazendeiros e outros observadores de animais notaram vários indicadores que supostamente nos indicam o que está acontecendo lá fora: o coaxo dos sapos, a altura do voo dos pássaros, a posição de vacas e ovelhas, a ausência ou presença de abelhas, joaninhas e borboletas, e o comportamento de formigas. Tudo isso pode se relacionar ao clima.

5 – Gravidez

Já ouviu falar alguma vez do “teste do coelho”? No início dos anos 1900, a forma mais segura de saber se uma mulher estava grávida era injetar sua urina em um rato ou coelho imaturos. Poucos dias depois, o animal era dissecado – se seus ovários estivessem aumentados, a mulher estava grávida (98% de precisão). Isto por que o hormônio hCG pode ser encontrado na urina e sangue da mulher grávida, e esta substância estimula a maturação do animal adolescente.

Os ratos foram usados pela primeira vez quando o teste foi criado em 1927, mas os coelhos eram utilizados mais comumente após 1949. Os testes de gravidez modernos funcionam com o mesmo conceito – mas sem machucar nossos amigos peludos.

4 – Convulsões

Cães auxiliares são bastante benéficos para as pessoas que os necessitam. Não só cães treinados podem ajudar pessoas com déficits de algum sentido ou de mobilidade, como também podem aprender a ajudar pessoas com diabetes, autismo e problemas cognitivos.

Pessoas assistidas por cães treinados para respostas a convulsões relatam que seus companheiros caninos podem prever uma convulsão antes dela acontecer, e alertá-las. Normalmente, estes cães reagem durante e após um episódio. Este comportamento de previsão é difícil de ensinar, e acontece espontaneamente conforme o cão passa algum tempo com seu dono.

A capacidade dos cães de prever com sucesso uma convulsão ainda é debatida pela comunidade médica. A principal dúvida é se o cão está reagindo a mudanças sutis no batimento cardíaco, ou no cheiro ou comportamento do seu dono.

3 – Copa do Mundo de Futebol

Paul era um polvo inglês que viveu no Sea Life Center, na Alemanha. Ele se tornou notório por prever os resultados de jogos de futebol de 2008 e 2010, com um recorde impressionante de 20 previsões corretas em 22. A escolha de Paul era indicada quando ele pegava um marisco em uma de duas caixas apresentadas a ele em seu tanque, cada uma com a bandeira dos países participando do jogo.

Sua fama rendeu-lhe o centésimo lugar na lista da BBC das “Pessoas Mais Chatas de 2010”. Ele também foi mencionado em um discurso irritado feito pelo presidente iraniano no mesmo verão.

2 – Terremotos

Muitas espécies reagem de forma estranha pouco antes de um terremoto. Por um golpe de sorte, uma bióloga de nome Rachel Grant estava estudando o comportamento de acasalamento de sapos na Itália no momento em que aconteceu um tremor. Os sapos subitamente desapareceram. Alguns dias após o terremoto, todos os anfíbios reapareceram para retornar a seus afazeres.

De acordo com Grant, é possível que os sapos sejam capazes de sentir os gases e partículas carregadas liberadas no ambiente um pouco antes de um evento sísmico. Os sapos também podem perceber mudanças no campo magnético, pequenos movimentos no solo, ou então ondas de choque – e o mesmo pode ser verdadeiro para outros animais que parecem predizer terremotos de forma semelhante.

Os chineses já fizeram uma pesquisa sobre como os pombos reagem antes de um terremoto.

1 – Morte

O gato Oscar era um gato de rua que foi levado a uma enfermaria em Providence, Rhode Island (EUA). O gato não é o mais aconchegado. De fato, Oscar só quer se aconchegar com os residentes que estão para morrer. Ele é tão preciso que a equipe entra em contato com a família de um paciente quando Oscar começa a oferecer o seu serviço de companhia. O gato encaminhou cerca de 25 residentes para o além e até mesmo surpreende a equipe ao sair de quartos de pacientes cuja morte era inesperada. Suas habilidades inquietantes já foram documentados no New England Journal of Medicine pelo geriatra Dr. David Dosa.[Listverse]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

7 comentários

  • gloria:

    Alguns animais ñ perderam esse sentido apurado de certas coisas q estão para acontecer ,nós humanos perdemos em face a vida q levamos, as preocupações a comodidade e a preguiça fez-nos perder o instinto de preservação primitivo, há cães q sentem o cheiro da pessoa e sabe q aquela pessoa tá doente e q é fatal, vindo logo após uns dias a morrer mesmo, gosto muito de observar o comportamento dos animais em presença de humanos.

  • João Paulo Reis:

    um gato dentro de um hospital, transitando entre os pacientes….
    isso nao faz nem um sentido.

  • touzinho473:

    Poucos minutos antes do tsunami que atingiu a Indonésia e outras regiões do Oceano Pacífico, no dia 26 de dezembro de 2004, os elefantes que estavam passeando com os turistas, saíram em desabalada carreira, procurando locais mais altos e distantes do mar. As pessoas que estavam com esses animais escaparam da morte certa.

  • Jalzerio Figueira:

    A do gato foi mais intrigante…

    • Pablo Santos:

      Em um dos episódios do House teve o caso de um gato vidente.
      A explicação que ele encontrou é que pacientes que ficavam muito mal de saúde costumavam ter febre e esquentar. O gatinho aninhava na cama deles para poder se aquecer.

  • D. R.:

    Realmente, muito interessante!

    O caso do polvo inglês é realmente incrível, 20 acertos em 22!

    Isso nos leva a, pelo menos, três hipóteses possíveis: uma imensa coincidência, o polvo é profeta mesmo, ou é a prova da teoria da conspiração futebolística; ou seja, que os resultados dos jogos da Copa do Mundo sempre foram manipulados e usaram esse polvo adivinho para brincar e mostrar o quanto os magnatas do futebol são poderosos mesmo.

    Já o caso do gato americano é tenebroso mesmo!

    Resta saber se ele vê algum anjo da morte; se sente algo que nós humanos não podemos sentir; ou, então, se é um gato psicopata que mata suas vítimas sorrateiramente (quem sabe, retirando os medicamentos, desligando algum aparelho, sufocando a pobrezinha, enforcando com o rabo, etc.). Bom, pelo menos o gato não tem cara de malvado; por isso, não poderíamos a priori desconsiderar a macabra hipótese de um enfermeiro ou médico psicopata (talvez, ciumento e rejeitado pelo bichano) matar os pacientes visitados pelo inocente gato. Em todo caso, da próxima vez, não custa nada pôr uma câmera escondida no quarto do paciente escolhido por ele.

    É brincadeira, pessoal!

    Será?

    • Pablo Santos:

      Ainda prefiro a explicação realista do House ao invés de crer em um gato que vê anjos da morte.

Deixe seu comentário!