10 visionários de Ciência e Tecnologia e as drogas que experimentaram

Por , em 25.07.2013

Embora ainda não se tenha encontrado um vínculo forte entre inteligência e uso de drogas, não faltam exemplos de pessoas de destaque que gostavam de se aventurar nessa prática. De cientistas a “gurus tecnológicos”, conheça a seguir 10 exemplos famosos – e as respectivas substâncias que preferiam.

10. Sigmund Freud – Cocaína

Sigmund Freud
Freud tinha um apreço especial pela cocaína, chegando a propor em um artigo científico que ela fosse usada de forma terapêutica para combater (ou, melhor, “substituir”) o vício em morfina – a “substituição de vícios” não funciona bem no caso dessas duas substâncias, mas é uma prática usada em outros casos.

“Se tudo der certo”, escreveu Freud em uma carta à sua futura esposa, Martha Bernays, “eu irei escrever um ensaio [sobre cocaína] e espero que ela ganhe um lugar na medicina ao lado e acima da morfina… Eu uso regularmente doses muito pequenas contra depressão e indigestão, com muito sucesso”.

9. Francis Crick – LSD

9
Um dos principais responsáveis pela descoberta da estrutura do DNA usava pequenas doses de LSD como “ferramentas de pensamento” durante a pesquisa.

8. Thomas Edison – Elixir de Cocaína

8
O químico francês Angelo Mariani inventou em 1863 um vinho bordô (chamado “Vin Mariani”) que continha em torno de 230 mg de cocaína por litro. Entre os consumidores regulares da bebida estava o célebre inventor Thomas Edison.

7. Paul Erdös – Anfetaminas

7
Não por acaso, o matemático Paul Erdös ficou conhecido por sua hiperatividade e por seguir uma rotina incansável (19 horas de trabalho por dia) mesmo durante a velhice. De acordo com seu biógrafo, Paul Hoffman, ele consumia anfetaminas, um tipo de droga estimulante.

Ele chegou a fazer uma aposta com o colega Ronald Graham, dizendo que seria capaz de passar um mês sem a droga. Erdös ganhou (US$500), mas disse o seguinte a Graham: “Você me mostrou que não sou viciado. Mas eu não consegui produzir nada. Eu acordava de manhã e encarava uma folha de papel em branco. Eu não tinha ideias, como uma pessoa comum. Você atrasou a matemática em um mês”. Foi apenas um mês, de fato, porque logo em seguida ele voltou a tomar anfetaminas.

6. Steve Jobs – LSD

6
Nas palavras do próprio Jobs, experimentar LSD na década de 1960 foi “uma das duas ou três coisas mais importantes” que ele já fez na vida. Em sua biografia escrita por Walter Isaacson, há uma declaração do ex-CEO da Apple sobre como o LSD poderia ter tornado Bill Gates um cara mais criativo. “Bill é basicamente sem imaginação e nunca inventou coisa alguma, e acho que é por isso que ele se sente mais confortável agora com filantropia do que com tecnologia. Ele seria um cara mais ‘amplo’ se tivesse usado ácido ou ido a um ashram [congregação de seguidores de um guru hindu] quando era mais jovem”.

5. Bill Gates – LSD

5
Na verdade, o fundador da Microsoft usou LSD (embora pouco, aparentemente), conforme admitiu em uma entrevista à Playboy, publicada em 1994:

PLAYBOY: Já tomou LSD?
GATES: Minha juventude errante terminou há muito tempo.
PLAYBOY: O que quer dizer?
GATES: Quer dizer que há coisas que eu fiz antes dos 25 anos e que acabei não fazendo mais depois.
PLAYBOY: Uma história de LSD envolvia você olhando para uma mesa e pensando que a quina ia furar seu olho.
GATES: [Sorri]
PLAYBOY: Ah, um vislumbre de identificação.
GATES: Isso foi no outro lado da fronteira. A mente jovem consegue lidar com certos tipos de “viagens” com que eu não conseguiria nesta idade. Eu não acho que você é tão capaz de lidar com falta de sono ou qualquer desafio que lance ao seu corpo quando envelhece. Contudo, eu nunca perdi um dia de trabalho.

4. John C. Lilly — LSD, Cetamina

4
Pioneiro no campo da estimulação cerebral por meio de eletrônicos, o neurocientista John C. Lilly devia parte de sua produção inovadora ao LSD e à cetamina: ele estudou em si mesmo a ação dessas drogas, mapeou os circuitos cerebrais de dor e prazer e inaugurou um ramo da ciência dedicado ao estudo da comunicação entre humanos, golfinhos e baleias.

3. Richard Feynman – LSD, Cetamina e Maconha

3
Esse físico teórico, conhecido por suas contribuições no campo da mecânica quântica, tomava um cuidado especial para não prejudicar seu cérebro com substâncias químicas. “Eu me divirto ao imaginar que não quero destruir essa prazerosa máquina que faz da vida um ‘estouro’. É por essa mesma razão que, mais tarde, eu estava relutante em fazer experimentos com LSD, a despeito da minha curiosidade sobre alucinações”, escreveu no livro “Surely You’re Joking, Mr. Feynman!”: Adventures of a Curious Character (“Você com certeza está brincando, Sr. Feynman!”: Aventuras de um personagem curioso). Isso não o impediu de conduzir estudos junto com John C. Lilly.

2. Kary Mullis — LSD

2
O membro menos famoso dessa lista ganhou o prêmio Nobel de química por aprimorar a técnica de indução de PCR (“reação em cadeia de polimerase”), muito usada na bioquímica. Em uma entrevista publicada em 1994 no periódico California Monthly, Mullis disse que tomou “bastante” LSD nas décadas de 1960 e 1970. Algum tempo depois, no documentário Psychedelic Science, ele diz que não sabe se teria conseguido aprimorar a técnica PCR se nunca tivesse experimentado LSD. “Eu duvido seriamente”, conta.

1. Carl Sagan – Maconha

1
Sob o pseudônimo de “Mr. X”, o célebre cosmologista e astrofísico escreveu um ensaio para o livro Marijuana Reconsidered (algo como “Maconha Repensada”), no qual falava sobre os benefícios do consumo da droga – que ele usava regularmente, em parte por acreditar que ajudava a vencer desafios intelectuais. [io9]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 5,00 de 5)

14 comentários

  • Pedro Henrique M.:

    Acho que o uso de “drogas” por mentes admiráveis é uma forma simples e prática de desmistificar visões deturpadas associadas a estas substâncias, que frequentemente recebem uma conotação negativa quase repulsiva, que certamente se deve a um fator cultural.

    Desgostar do consumo de drogas, assim como gostar, é perfeitamente respeitável; mas discriminar este consumo com preconceitos não é nada legal. Todo mundo sabe que existem más consequências em potencial de natureza biológica e social associadas ao consumo de drogas, pois de fato são elementos de equilíbrio sensível sobre o organismo humano.

    Mas, a administração destas substâncias é uma escolha individual que merece respeito, afinal, é uma escolha pessoal que afeta o indivíduo em questão. De acordo com princípios intuitivos de ética social, uma questão qualquer recebe diferentes graus sensatos de aceitabilidade de acordo a forma como interfere no bem-estar alheio, e o consumo de drogas a princípio não possui qualquer má interferência direta sobre outros.

    Existe, é claro, a possibilidade de que as drogas interfiram diretamente na integridade de indivíduos que nada tem a ver com seu consumo. Isso é observável e eticamente desprezível, com razão.

    Mas esta possibilidade não caracteriza uma razão sensata para tornar a droga algo desprezível, pois as consequências do consumo dependem sempre da responsabilidade, informação e opções do consumidor. Caso estes fatores sejam convenientemente atendidos, os resultados se limitam ao consumidor, apenas.

    Isto faz com que a droga seja uma ferramenta de diversas possibilidades, e os resultados de seu uso dependem de seu utilizador.

  • Thiago Alves:

    Suspeitei desde o princípio rsrs

  • Jo Oliveira:

    Adoro esse site que pensa inteligente.

    Faltou considerar nessa lista o psicanalista checo Stanislaw Grof, predecessor da Psicologia Transpessoal (Terapia de Vidas Passadas) pioneiro nas experiências com LSD nele mesmo.
    abraço

    Jo Oliveira

  • foguete110:

    Nao citar Aldous Huxley foi um grande erro, um grande visionário, autor de livros celebres, como portas da percepção em que ele narra suas experiencias com a mescalina.

  • Dinho01:

    Isso me lembra uma matéria que dizia que apenas 10% das pessoas que experimentavam algum tipo de droga tornava-se dependente.Mas isso não quer dizer que você deva sair por ai tomando tudo na esperança de ter grandes idéias. Seria como brincar de roleta russa.

  • Raphael Silva:

    Não chegam perto de Perls!
    shaushausha

  • José Ferreira Santiago:

    J F Santiago visionário de grande visão de futuro, nos aspectos de universo e transformação da humanidade. É O autor da maior descoberta física nuclear. Que Deus existe, é a força de conservação da Energia Dinâmica do Universo. Não é espirito nem divindade, Pai,Filho e Espirito Santo,como apregoam os sistemas religiosos.

  • Eduardo Mendes:

    agora sim, tudo faz sentido…… kkkkkkkkk

  • Eduardo Kuser:

    Tava ficando com medo de não ver o Mullis, mas merecido segundo lugar!

  • Oliveira Renato:

    o povo poderia mentir menos …

  • Lucas Sonaglio:

    Quem já tomou LSD sabe a mudança q isso pode trazer a vida d uma pessoa.

  • daniel_vieira30:

    a série cosmos é em si uma viagem de cannabis, só q sem a fome e a boca seca.

  • Asdrubal:

    Acredito que lá prós lados dos states devem ser raros os casos em que existam pessoas que nunca tenham tomado algum tipo de drogas. É como a virgindade, seria uma vergonha aos 15 anos nunca ter snifado um pózinho ou fumado um charro.

  • Genioso Irreligioso:

    “1. Carl Sagan – Maconha ”

    Toda aquela contemplação deslumbrada do universo nos roteiros da série “Cosmos”; do Carl Sagan; fez sentido… era _\l/_ na cabeça! kkk

    =P

Deixe seu comentário!