Celulares podem enfraquecer os ossos

Por , em 3.11.2009

Uma pesquisa realizada por cientistas da Suleyman Demireli University, na Turquia, sugere que portar os celulares no quadril pode enfraquecer a área da pelve muito utilizada para a realização de transplantes de tecido ósseo.

150 homens que carregavam seus celulares regularmente junto a seus cintos foram analisados usando uma técnica de raio-X utilizada no diagnóstico e monitoramento de pacientes com osteoporose. Eles usavam seus celulares no quadril por em média 15 horas por dia e já utilizavam celulares a cerca de seis anos.

» Qual celular escolher para não fritar seu cérebro?

Os pesquisadores descobriram que a densidade mineral do osso estava ligeiramente menor no lado da pelve onde os celulares eram carregados do que no lado que não tinha contato com o telefone.

A diferença não era estatisticamente significativa e as taxas de redução da densidade dos ossos foram bem distantes das taxas que as pessoas com osteoporose apresentam.

Em uma nota à impressa, o pesquisador Tolga Atav e sua equipe afirmaram que seus estudos são preliminares e que a densidade do osso poderia ser afetada pelos campos eletromagnéticos emitidos pelos aparelhos telefônicos. Eles também supõem que, devido aos homens do estudo serem relativamente novos (suas idades médias eram de 32 anos), a perda do osso pode ser mais significativa em pessoas mais idosas e com um risco maior de osteoporose.

Segunda opinião

O professor de engenharia elétrica e de computação da Universidade do Colorado, Frank Barnes, afirma que não conhece nenhuma outra pesquisa que examine o impacto da exposição do telefone celular na densidade do osso.

Ele foi o presidente do Comitê Nacional do Conselho de Pesquisa solicitado pela Food and Drug Administration (FDA) para avaliar a segurança na avaliação de pesquisas sobre a utilização de telefones celulares.

» Como salvar seu celular molhado?

Barnes conta que as ondas eletromagnéticas foram utilizadas, inclusive, em pesquisas para promover o crescimento do osso nos pacientes que tem ossos quebrados sem chances de cura e para pacientes com osteoporose

Porém, Atav afirma que esses estudos envolveram freqüências muito baixas da onda eletromagnética (de 15 a 72 hertz), enquanto os celulares têm freqüências de, em média, 900 a 1.800 megahertz.

O comitê presidido por Barnes concluiu que serão necessárias mais pesquisas para determinar se o uso de telefones celulares está associado a qualquer problema de saúde a longo prazo. [Web MD]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

2 comentários

  • PAULO MOREIRA:

    Estou com cinquenta anos de idade, e a dois meses aproximadamente possuo um telefone celular que carrego na cintura. Hoje estou percebendo dores insuportáveis que me tira até o sono. Já estive com um especialista e nao foi detectado a razão ou causa. Estava de frente ao pc, quando resolvi pesquisar se ele, TELEFONE CELULAR, poderia ser o vilão da minha estoria encontrando vária matéria que me fazem crer que sim. Vou manter-me afastado deste objeto nefasto e voltarei a relatar sobre o problema. Aguardem.

  • Balneario Camboriu:

    Eu acho que independente de utilizar ou não o celular, somos bombardeados diariamente por ondas de rádio, eletromagneticas, etc., o que com certeza pode causar mal-formação de células.

Deixe seu comentário!