Cientistas descobrem que algo violento ocorreu com o primeiro objeto interestelar a nos visitar

Por , em 14.02.2018

Você deve se lembrar do Oumuamua, o primeiro objeto interestelar a ser identificado visitando o nosso sistema solar.

Desde que ele passou por nós em outubro do ano passado, os astrônomos têm tentando desvendar seus mistérios.

Inicialmente, pensamos que ele era um cometa. Mais tarde, decidimos que era um asteroide. Recentemente, no entanto, pesquisadores o descreveram como um objeto de corpo gelado, como um cometa, mas com uma crosta rochosa, como um asteroide.

Agora, os cientistas descobriram que, além de sua aparência confusa de charuto, Oumuamua, um objeto com até 400 metros, provavelmente tem uma história bastante dramática.

Novas informações

Astrônomos da Queen’s University Belfast (Irlanda do Norte) observaram as mudanças no brilho do objeto e descobriram que ele não está girando regularmente, como a maioria dos asteroides e pequenos corpos conhecidos do sistema solar. Em vez disso, está caindo caoticamente.

O movimento errático de Oumuamua pode ser o resultado de uma colisão com outro asteroide. Esta colisão pode inclusive ter sido o que empurrou Oumuamua para fora de seu sistema solar nativo, em uma trajetória em direção ao nosso sol.

“Embora não conheçamos a causa da queda, provavelmente foi um impacto com outro planetesimal em seu sistema, antes de ser ejetado no espaço interestelar. Nossa modelagem sugere que a queda irá durar muitos bilhões de anos até centenas de bilhões de anos antes de estresses internos fazerem com que ele gire normalmente novamente”, disse Wes Fraser, um dos pesquisadores do estudo.

Mais surpresas

Além disso, os pesquisadores descobriram que o objeto deve ter uma composição mais complexa do que os corpos de tamanho similar conhecidos no sistema solar.

Quando os cientistas estudaram as medidas da luz refletidas na superfície de Oumuamua, descobriram que ele variava de cor de uma maneira que nenhum astrônomo sabia explicar.

Fraser e sua equipe concluíram que, enquanto a maior parte da superfície de Oumuamua é de uma tonalidade de “neve suja”, o objeto tem uma grande mancha vermelha em seu lado mais alongado.

Esse padrão sugere amplas variações de composição, o que é incomum para um corpo tão pequeno.

A trama se complica

As últimas descobertas apenas aumentam o mistério desse visitante interestelar. A equipe da Queen’s University Belfast já publicou três artigos sobre Oumuamua desde sua descoberta.

Nessa época, o objeto estava a cerca de 33 milhões de quilômetros da Terra e se afastando de nós. Devido à sua trajetória, foi concluído que ele não poderia ter se originado no nosso sistema solar.

Os cientistas esperavam que o primeiro visitante interestelar detectado por nós fosse um cometa, porque esses corpos são – em tese – muito mais comuns em sistemas planetários, mas Oumuamua se revelou muito mais complicado que a encomenda.

Os cientistas provavelmente nunca responderão a todas as perguntas sobre esse objeto, no entanto, porque ele já partiu para nunca mais retornar. Mas eles acreditam que muitos outros objetos interestelares serão observados nos próximos anos, à medida que novos e poderosos telescópios são inaugurados.

Um artigo sobre as descobertas foi publicado na revista Nature Astronomy. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (36 votos, média: 4,86 de 5)

2 comentários

  • Luiz Andre:

    Não existem meteoros e nem cometas, nem espaço sideral.

    como fica as crianças sendo doutrinadas pelo sistema?

    • Cesar Grossmann:

      Fazer o quê, Luiz Andre, é esta mania de ensinar os fatos para as crianças. É horrível isso, em vez de ensinar sobre a mula-sem-cabeça, o saci-pererê, a mãe-d1água, o boitatá…

Deixe seu comentário!