As joias egípcias que vieram do espaço

Por , em 21.08.2013

De acordo com um novo estudo, joias egípcias antigas encontradas em uma tumba de 5 mil anos de idade foram feitas a partir de meteoritos de ferro que caíram na Terra vindas do espaço. As contas, que são os mais antigos artefatos de ferro conhecidos no mundo, foram criadas cerca de 2 mil anos antes da Idade do Ferro no Egito.

egyptian-necklace-beads

Em 1911, nove contas em forma de tubo foram escavadas de um cemitério antigo perto da aldeia de El-Gerzeh, que fica a cerca de 5.100 km ao sul de Cairo. Segundo o principal autor do estudo, Thilo Rehren, professor da UCL Qatar, um posto avançado da Ásia Ocidental do Instituto de Arqueologia da University College London, o túmulo remonta a cerca de 3.200 a.C.

Dentro da tumba, que pertencia a um adolescente, as contas de ferro foram amarradas juntas a um colar, ao lado de outros materiais exóticos, incluindo ouro e pedras preciosas. Os primeiros testes de composição dos grânulos revelaram concentrações curiosamente altas de níquel, um grande indicador de que os objetos foram feitos a partir de meteoritos de ferro. “Até 100 anos atrás, as contas atraíam a atenção das pessoas por ser algo estranho”, relata Rehren.

Mas sem prova definitiva das origens cósmicas das contas, as questões persistiram sobre se quantidades semelhantes de níquel poderiam estar presentes em um objeto produzido a partir de ferro feito pelo homem de ferro. Ao digitalizar as esferas de ferro com feixes de nêutrons e raios gama, os investigadores encontraram altas concentrações de cobalto, fósforo e germânio. Estes elementos, sim, estavam presentes em níveis que só ocorrem em meteoritos de ferro.

“É realmente emocionante, porque fomos capazes de detectar cobalto e germânio suficiente nestas contas para confirmar que elas foram feitas de meteoritos”, conta Rehren. “Nós tínhamos presumido que este era o caso há 100 anos, mas é bom ser capaz de colocar um ponto de exclamação na questão, ao invés de um ponto de interrogação”.

egyptian-beads-iron-meteorites egyptian-iron-beads-closeup

A tecnologia dos raios-X revelou também que as contas tinham sido marteladas até serem transformadas em lâminas finas, antes de serem meticulosamente enroladas no formato de tubos.

“Este ferro presente nos meteoritos é um material muito duro que você encontra em pedaços, e mesmo assim aqui se apresenta em contas finas e arredondadas”, diz Rehren. “A verdadeira questão é: como elas foram feitas?”.

Ao contrário dos metais mais macios e mais maleáveis, como o ouro e o cobre, trabalhar com ferro maciço exige a invenção de ferraria, que envolve aquecer os metais a temperaturas escaldantes, repetidamente, e martelá-los até que assumam a forma desejada.

“Esta é uma operação muito mais elaborada e que imaginamos que só tenha sido inventada e desenvolvida na Idade do Ferro, que começou talvez 3 mil anos atrás – e não 5 mil anos atrás”, afirma Rehren.

Os pesquisadores acreditam que os meteoritos de ferro tenham sido aquecidos e martelados até que se tornassem lâminas finas e, em seguida, enrolados em volta de pequenos pedaços de madeira para criar as contas de dois centímetros de comprimento, no formato de tubo. Outras pedras encontradas na mesma tumba apresentavam técnicas de trabalho em pedra mais tradicionais, tais como a escultura e a perfuração.

“Isso mostra que as pessoas daquela época já eram capazes de lidar com a ferraria”, comenta Rehren. “O que mostra uma habilidade bastante avançada, especialmente com este material difícil. O trabalho pode não ter sido feito em grande escala, porém, no início da Idade do Ferro, os egípcios já possuíam cerca de 2 mil anos de experiência trabalhando com o ferro vindo de meteoritos”.

Esta não é a primeira vez que as joias desta tumba egípcia foram ligadas ao cosmos. No início deste ano, em maio, pesquisadores da Open University e Universidade de Manchester, Inglaterra, publicaram um artigo na revista “Meteoritics and Planetary Science” sobre as origens celestiais das contas antigas. Outros pesquisadores identificaram diferentes artefatos que também tiveram suas origens no espaço. No ano passado, cientistas alemães descobriram uma estátua de Buda que foi esculpida a partir de um meteorito entre o oitavo e o décimo séculos.

meteorite-buddha-120927

Os resultados detalhados do novo estudo foram publicadas online na segunda-feira (19) na revista especializada “Journal of Archaeological Science”. [Live Science]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

11 comentários

  • Je:

    A suástica nazista gira no sentido anti-horário negativo levando para um sentido de dominação, quanto que a suástica positiva gira no sentido horário representando a condição cósmica de contínuo movimento, ou seja, o conjunto a união evolutiva. A suástica positiva é encontrada em varias civilizações antigas. Como já foi comentado por aqui.

  • Jhenisson Brito:

    haha, o simbolo nazista na estátua, Hitler dizia vir dos arianos, que seriam a raça originaria, o simbolo na estátua de buda tem algo haver com isso? os ancestrais que praticavam o budismo descende dos arianos ou é só uma coincidência de símbolos?

    • Di Neuhaus:

      A suástica nazista é invertida. Enquanto uma gira em um sentido a outra gira para o outro.

      A budista representava dispersão das energias, e a nazista, ao girar em sentido contrário, sugere que ocorra uma reunião das energias para um governo totalitário.

    • Cézar Maranhão:

      Para responder ao Jhenisson Brito: A Suástica é um símbolo místico de várias culturas ao redor do planeta, a suástica – ou cruz gamada, como também é conhecida – apareceu pela primeira vez na história no período Neolítico na Eurásia, há pelo menos 4 mil anos.

      Através dos séculos, historiadores encontraram a figura em cerâmicas e moedas de culturas remotas, de tribos pré-colombianas até a Índia. Ela representava desde amuletos de sorte a simples ideogramas decorativos. Como apareceu em diversas culturas que não tiveram contato umas com as outras, seus sentidos são os mais variados. Na maioria das vezes, está relacionada a forças da natureza ou deuses mitológicos. Seu nome tem uma conotação positiva. Vem do sânscrito: su significa “bem” e asti, “estar”.

      Adotada pelo Partido Nacional-Socialista de Hitler em 1920, a figura passou a integrar a bandeira nazista.

    • Christopher Domiciano:

      A suástica não é um simbolo nazista, o nazismo que a adotou como símbolo, mas a versão nazista está ao contrário “girando” no sentido horário.
      A suástica é um simbolo milenar adotado por diversas civilizações, dê uma pesquisada no google.

    • Lulu:

      O Nazismo que apossou da Cruz Suástica.

      É um símbolo muito antigo, sem origem muito precisa, segundo estudiosos do tema, este símbolo é encontrado desde o período neolítico. Já foi adotado por nativos americanos e por indianos hindus como símbolo de festividade sendo que vários templos hindus são enfeitados com a suástica quando há uma cerimônia de casamento.
      Na Europa foi observado nos trabalhos de cerâmicas pré-históricos feitos pelo povo de Tróia e Chipre.
      Entre o povo nórdico, amuletos com este símbolo eram confeccionados para trazer sorte aos guerreiros em batalha.

      Os alemães adotaram-no como principal símbolo do partido nazista, sendo que tornou esse símbolo conhecido no ocidente como sinônimo de preconceito racista, e de crueldade marcas registradas do nazismo. Fazendo com que o real significado do símbolo fosse totalmente deturpado.

    • Lulu:

      Ah, e claro, o nome é originário do sânscrito ‘svastika’ e significa algo como felicidade, prazer e boa sorte

    • Anderson Thiago:

      Lulu, a suástica nazista não é invertida da original?

  • Lucas Loureiro Rodrigues:

    Stargate \o/
    sqn

  • Rogerio79:

    Eu só sei q o giorgio tsoukalos vai curtir muitoo isso!!

    • Cameron Frye:

      ALIENÍGENAS!

Deixe seu comentário!